G1 Santos

Casal passa fazer adoção inclusiva de animais após morte de cachorra em SP: ‘nosso propósito’

today8 de novembro de 2022 23

Fundo
share close

O casal Diego Victor Borges Freitas, de 39 anos, e Juliana Mara Tardelli, de 42, de Santos, no litoral de São Paulo, decidiu dar um novo propósito à vida, após uma cachorrinha da família morrer. Apesar da dor, eles passaram a se dedicar a ajudar entidades voltadas à causa animal, e depois passaram a fazer adoção inclusiva de cães a gatos.

Diego é empresário e Juliana, publicitária. O casal está junto há quase dez anos, e há alguns anos a publicitária tinha uma cachorrinha poodle chamada Lilica, que era sua companheira desde antes de ela conhecer o companheiro.

Ao g1, Diego contou que conviveu muito com a cachorra. “Juntos, a amávamos muito. Depois de seu falecimento, combinamos de transformar a dor da perda em propósito, e começamos a buscar formas de ajudar algumas ONGs e protetores da região. Desta forma, acreditamos poder honrar o amor que compartilhamos com ela, ajudando outros bichinhos”, diz o empresário.



Poodle Lilica inspirou casal a começar a ajudar entidades voltadas à causa animal — Foto: Arquivo Pessoal

De acordo com Diego, a ideia inicial era realmente apenas ajudar entidades voltadas à causa animal, sem qualquer objetivo de adotar outros pets, já que, pela dor que estavam sentindo, ainda tinham receio de adotar outro bicho que pudesse morrer futuramente. Porém, eles acabaram se surpreendendo com o caminho que trilharam desde então.

“Foi inesperado. A ideia era apenas ajudar por um período, sem nos envolver profundamente, pois estávamos ainda com o coração doendo devido à perda recente. Porém, na ONG Viva Bicho, conhecemos o Pipoca, nosso primeiro adotado resgatado. Ele nos encantou imediatamente, e foi impossível não o trazer para casa naquele dia. Foi amor à primeira vista”, afirma.

Além do cãozinho, o casal também teve a Leopoldina, uma poodle idosa e cega, que foi abandonada e estava na Codevida em um projeto chamado ‘Padrinho de final de semana’, por meio do qual pessoas levavam os animais para as suas casas aos sábados e retornavam na segunda-feira. “Claro que isso só podia dar ‘errado’, ou muito certo, como foi o caso, e após duas semanas, decidimos ficar com ela”, relata Diego.

Leopoldina, uma poodle idosa e cega, foi adotada pelo casal após ser abandonada — Foto: Arquivo Pessoal

De acordo com ele, Leopoldina viveu mais dois anos, e lhes deu muitas alegrias. Eles também adotaram uma gata chamada Ísis, que apareceu na garagem do condomínio onde moram, e inicialmente aparentava ter sido atropelada, porém, tinha imunidade baixa. “Planejamos cuidar dela temporariamente, mas, claro, após menos de 24 horas, já era impossível pensar em nossa vida sem ela”, afirma.

O casal foi informado, já nos primeiros exames veterinários, que ela teria pouco tempo de vida, mas, mesmo assim, decidiu prosseguir com a adoção. Conforme conta o empresário, a gatinha tinha vários problemas de saúde, e também morreu após viver com eles por dois anos. “Ela deixou um grande vazio, e muitas memórias maravilhosas. Essas ações nos proporcionaram a experiência de amor puro, que tanto faz falta no mundo de hoje. Nossas vidas são as deles, e as deles são as nossas”, destaca.

Gatinha viveu 2 anos com casal — Foto: Arquivo Pessoal

Quando o casal achou que não adotaria mais animais, há aproximadamente três meses, viu uma postagem nas redes sociais de uma ONG sobre um evento de adoção. No post, o empresário e a publicitária notaram que havia uma cachorrinha que havia acabado de amputar uma das patas, após ser atropelada. Percebendo que ela dificilmente seria adotada, eles foram até o local e conseguiram adotar Eva. “Ela é uma cachorra alegre e esperta, que já se esqueceu de seu sofrimento e do acidente. Corre como se tivesse as quatro patas, e é muito feliz”.

Para Diego, dar aos animais a oportunidade de uma nova vida, sem sofrimento, é o maior privilégio dessa experiência que ele e a esposa escolheram como propósito de vida.

“Aprendemos a amar com a pureza que só eles podem nos ensinar. A quantidade de virtudes adquiridas com o tempo, por consequência de termos estes animais conosco, é gigante. Paciência, compreensão e resiliência emocional são itens que eles nos ensinam diariamente, e levamos estes ganhos para o restante de nossas vidas. Desejamos que todo aquele com capacidade para aprender possa experimentar este tipo de amor, e levar estes ensinamentos para a vida”, finaliza.

Eva é a cachorrinha mais recente adotada por casal de Santos, SP — Foto: Arquivo Pessoal

VÍDEOS: As notícias mais vistas do g1




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

receita-federal-apreende-85-kg-de-cocaina-em-estrutura-de-conteiner-refrigerado-em-navio-no-porto-de-santos;-video

G1 Santos

Receita Federal apreende 85 kg de cocaína em estrutura de contêiner refrigerado em navio no Porto de Santos; VÍDEO

Droga seria enviada para a Grécia, na Europa. Receita Federal localiza 85 kg de cocaína em estrutura de contêiner refrigerado em navio A Receita Federal apreendeu 85 kg de cocaína em um navio no Porto de Santos, no litoral de São Paulo, segunda-feira (7). De acordo com a corporação, a droga tinha com destino a Grécia, na Europa, embora a embarcação fizesse uma parada antes em Marrocos, na África. Segundo […]

today7 de novembro de 2022 54

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%