G1 Santos

‘Caso Toninho’, Júri por 35 anos e descriminalização do aborto: quem é o juiz que substitui no TJ-SP desembargador que ofendeu PM

today17 de novembro de 2022 16

Fundo
share close

O g1 reúne nesta reportagem um perfil sobre o magistrado que ficou 35 anos à frente da 1ª Vara do Júri da metrópole e se destacou pela atuação voltada à proteção de preceitos constitucionais e garantias dos direitos humanos. Além disso, como docente em cursos de direito e pesquisador, ele também atua em debates sobre política de drogas e a descriminalização do aborto. Veja abaixo.

Em 2007, ele julgou o pedido de pronúncia feito pelo Ministério Público contra o sequestrador Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho, único acusado pelo crime. Mas Torres, em decisão mantida pelo TJ-SP, negou o pedido da promotoria por ausência de indícios da participação dele.

O crime que tirou a vida do político durante o mandato foi abordado no ano passado pelo g1 no documentário “Toninho 20 anos: a verdade é demais para nós?” (ASSISTA ABAIXO). O conteúdo resgata memórias da história do arquiteto e da noite do crime; traz à tona documentos sob sigilo que contradizem versões oficiais e revelam falta de estrutura da polícia; e mostra as perspectivas do caso.



Veja abaixo relato do juiz sobre como ele soube do crime em setembro de 2001.

Toninho 20 anos: juiz do caso em Campinas conta como soube do crime contra ex-prefeito

Toninho 20 anos: juiz do caso em Campinas conta como soube do crime contra ex-prefeito

Na decisão de quarta, ele voltou a mencionar trecho do livro Romanceiro da Inconfidência, de Cecília Meireles, para destacar que “Toda vez que um justo grita, um carrasco vem calar. Quem não presta fica vivo, quem é bom mandam matar”, o magistrado sinalizou lamento pelo desfecho sem respostas.

“(…) infelizmente, caberá apenas à história desvelar os fatos em toda a sua inteireza, revelando os autores, partícipes e mandantes desse hediondo crime que infelicitou o nosso Estado de Direito Democrático”, escreveu Torres, em decisão que marcou ainda a despedida da comarca.

O Currículo Lattes do magistrado, atualizado até junho deste ano, destaca que ele é especialista em direito das relações sociais pela Faculdade de Direito de Bauru (SP), em direito processual penal pela PUC-SP, e integrante do Instituto Nacional de Pesquisa e Promoção dos Direitos Humanos. Ele já foi professor da PUC-Campinas e é indicado que ele é mestrando em Educação pela Unicamp.

No item sobre produções bibliográficas, consta que Torres é autor em nove livros, fez 29 artigos completos publicados em periódicos e participou das apresentações de 604 trabalhos.

Professor em cursos de pós, ele também já presidiu a Associação Juízes para a Democracia (AJD) e da Federação de Associações Juízes para a Democracia da América Latina e Caribe (FAJD); e já atuou como membro da Comissão de Terminalidade da Vida do Conselho Federal de Medicina e Consultor do Ministério da Saúde, e da Comissão de Direitos Humanos do Ministério da Justiça.

Ainda no currículo é mencionado que o magistrado é membro do Grupo de Estudos sobre Aborto (GEA), da Rede Global Doctors For Choice/BR, da Católicas pelo Direito de Decidir (CDD), e ainda da Plataforma Brasileira para a Política de Drogas (PBPD).

O juiz José Henrique Rodrigues Torres — Foto: Reprodução/g1

“Não posso mais manter essa prisão preventiva. O excesso de prazo, doravante, será evidente e injustificável. A demora do encerramento da instrução tornou-se para o réu, agora, excessiva e opressora. Não é mais possível manter a prisão preventiva, quase um ano depois de segregação cautelar, sem que haja até este momento a prova da materialidade do fato”, escreveu à época.

Exposição no STF sobre descriminalização do aborto

Autor do livro “Aborto e Constituição”, Torres fez uma exposição em agosto de 2018 durante uma audiência públicada realizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 442, ação que visa descriminalizar o aborto – interrupção voluntária da gestação até a 12ª semana da gravidez. O caso ainda não foi julgado.

De acordo com publicação do STF, à época Torres avaliou a criminalização do aborto como “ineficaz, inidônea, simbólica e irracional”. Na ocasião, em que falou por aproximadamente 20 minutos, ele enfatizou que a criminalização do aborto é incompatível com a garantia da assistência plena à saúde das mulheres e que, por isso, para ele “já seria suficiente para que fosse declarada inconstitucional”.

O juiz defendeu observância de alternativas para garantir às mulheres o cumprimento dos direitos sexuais e reprodutivos, e ainda frisou que o custo social da criminalização é maior do que os benefícios alegados porque faz com que as mulheres recorram ao aborto clandestino e, portanto, fere o princípio da racionalidade. Além disso, afirmou que o Pacto de San José da Costa Rica não impede que a interrupção voluntária da gestação seja descriminalizada, e defendeu que o Brasil deve assegurar às mulheres, a partir das convicções morais e religiosas, a liberdade de escolha.

“A Corte Interamericana de Direitos Humanos, que é o órgão jurisdicional competente para realizar a derradeira interpretação desse pacto, proclamou expressamente que o direito à vida, protegido desde a concepção, busca proteger os direitos da mulher grávida, não os direitos do embrião”, afirmou.

Segundo ele, o direito do embrião ou feto “não pode ser um direito absoluto, nem usado para suprimir outros direitos”, porque, ao ponderar sobre entendimento da Corte, o embrião ou o feto não pode ser equiparado ou ter o mesmo status que uma pessoa, porque não tem chances de sobreviver sozinho”.

José Henrique Torres aborda descriminalização do aborto durante audiência pública no STF

José Henrique Torres aborda descriminalização do aborto durante audiência pública no STF

Monumento em homenagem ao ex-prefeito Toninho — Foto: Rafael Smaira / g1

Aos 49 anos, o arquiteto foi morto na noite de 10 de setembro de 2001, por um disparo que o atingiu na artéria aorta quando ele saía do shopping Iguatemi, pela Avenida Mackenzie, e retornava para a casa. Toninho havia sido eleito em 2000 e estava no poder há oito meses quando ocorreu o crime.

Para a família, o assassinato teve motivação política. Eles se baseiam na atuação de Toninho, não só na prefeitura, mas ao longo da trajetória de vida. Antes de ser eleito, o petista moveu ações populares contra grandes empreiteiras, lutou pelo tombamento de prédios históricos em contraposição à especulação imobiliária, colaborou com a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Narcotráfico e denunciou supostas irregularidades no contrato do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

Segundo o MP, indícios apontam que o tiro que matou Toninho partiu de Anderson José Bastos, o “Ancio”, um sequestrador que integrava a quadrilha de Wanderson Nilton de Paula Lima, o “Andinho”. Ancio e outro comparsa foram mortos em Caraguatatuba (SP) por policiais civis de Campinas menos de um mês após o crime contra o prefeito. O MP não descarta motivação política para o caso, mas afirma que até hoje não foi possível chegar a indícios que apontassem esta tese.

O documentário “Toninho 20 anos: a verdade é demais para nós?” foi produzido ao longo de cinco meses pela equipe de jornalistas do g1, da EPTV, afiliada da TV Globo, e com a captação e finalização em parceria com a LZP Produções. Além dos depoimentos de familiares, amigos, advogados e o juiz do caso, o vídeo conta também com o material inédito resgatado do acervo do Cedoc, também da EPTV, com imagens captadas na cobertura do crime à época.

Toninho 20 anos: a verdade é demais para nós?

Toninho 20 anos: a verdade é demais para nós?

VÍDEOS: tudo sobre Campinas e região




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

pat-guaruja-oferece-vagas-de-empregos-nesta-sexta-feira

Prefeitura de Guarujá

PAT Guarujá oferece vagas de empregos nesta sexta-feira

Abaixo, veja as exigências de cada chance e como concorrer a cada uma delas 1 vaga – Auxiliar administrativo (para estágio) Não é exigida experiência Cursando Ensino Superior de Contabilidade 1 vaga – Camareira de hotel (vaga temporária) Mínimo de seis meses de experiência com comprovação em carteira Ensino Fundamental completo 1 vaga – Garçom (vaga temporária) Mínimo de seis meses de experiência com comprovação em carteira Ensino Fundamental completo 1 vaga – […]

today17 de novembro de 2022 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%