G1 Mundo

Champanhe falsificado? Vinho barato e gás carbônico podem ter sido usados por vinícola na Europa

today16 de dezembro de 2023 11

Fundo
share close

A ex-diretora da vinícola Chopin, Ludivine Jeanmingin, acusou o CEO da empresa, Didier Chopin, de ter fabricado “champanhe falso” à base de vinhos importados, CO2 e licor.

A denúncia não podia ter caído em um pior momento, a poucos dias para o Natal e o Réveillon, quando as buscas pela bebida aumentam.

De acordo com Ludvine, cerca de 1,8 milhão de garrafas com a bebida falsificada foram vendidas por um preço entre €10 e €20, o equivalente a R$ 54 e R$ 107.



A empresa, que produz champanhe em Champlat-et-Boujacourt, cidade localizada a 130 quilômetro de Paris, é responsável por 22 marcas e exporta para 40 países.

Conforme apurado pela agência Franceinfo, Ludivine foi contratada em 2021 como gerente de uma nova fábrica da marca na cidade de Billy-sur-Aisne, hoje fechada.

A empresa tentava se introduzir no negócio de aperitivos, mas seus produtos vendiam mal e a produção de champanhe também passava por dificuldades. Além disso, com a pandemia da Covid-19, os preços do vinho explodiram.

Didier Chopin, que comprava a bebida no atacado, começou a ter dificuldade em adquirir a bebida e estava sujeita a multas, caso as encomendas não fossem entregues.

Na época, Ludivine revelou ter sido chamada pelo diretor da empresa para uma encomenda de 800 mil garrafas, que deviam ser produzidas antes de outubro. Alguns dias depois, ela ainda descobriu irregularidades nas caixas com rolhas destinadas às garrafas de champanhe.

“As rolhas de ‘Grand vin de Champagne’ são apenas para a denominação (de origem controlada) champanhe. Há um perímetro definido e eu não estava no perímetro”, disse.

Vale ressalta que apenas os vinhos espumantes provenientes da região de Champanhe – nas proximidades da cidade de Reims – e que seguem um método de produção tradicional podem ser rotulados como “Champanhe”.

Ao perceber que a empresa falsificava a bebida, Ludivine reuniu provas durante dez meses antes de revelar o caso e ser demitida. Apesar da fraude, a ex-funcionária afirma que a receita do vinho espumante não é perigosa para a saúde.

Após a repercussão, a Direção-Geral da Concorrência, Consumo e Controle de Fraude (DGCCRF) foi comunicada e as análises do produto estão em andamento.

O Ministério Público aguarda a recepção do processo da DGCCRF para abrir uma investigação.

No Brasil, o Ministério da Agricultura realiza constantes operações para combater fraudes.

Segundo a pasta, havia indícios de que as bebidas foram adulteradas com aditivos, extratos vegetais vencidos – ou sem procedência – e rótulos irregulares que possuem alegações que podem induzir os consumidores ao engano sobre sua composição, origem e natureza.

De onde vem o espumante

De onde vem o espumante

De onde vem o vinho

De onde vem o vinho

De onde vem o que eu como: queijo

De onde vem o que eu como: queijo




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

quem-sao-os-129-refens-ainda-mantidos-na-faixa-de-gaza?

G1 Mundo

Quem são os 129 reféns ainda mantidos na Faixa de Gaza?

Após este erro atroz do Exército israelense, familiares de reféns pressionam o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu a negociar imediatamente um novo acordo com o Hamas, visando a libertação de 129 reféns, vivos ou mortos, ainda em poder do grupo terrorista no enclave palestino.  As vítimas do erro militar israelense foram identificadas como "uma ameaça" por soldados que faziam uma patrulha terrestre e abriram fogo contra eles. Inconformados com o impasse em […]

today16 de dezembro de 2023 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%