G1 Mundo

Chile quer encontrar mais de mil presos desaparecidos na ditadura

today31 de agosto de 2023 5

Fundo
share close

Em setembro, completam-se 50 anos do golpe militar que derrubou o presidente legítimo do Chile, Salvador Allende, e instalou uma ditadura militar liderada por Augusto Pinochet no poder.

Passados 50 anos, o destino dessas 1.162 pessoas é uma das principais dúvidas da Justiça do país.

Durante décadas, a busca dos desaparecidos ficou a cargo quase exclusivamente das famílias, que encontraram os restos mortais de apenas 307 pessoas. “Este número deve doer e fazer nosso sangue queimar, porque dá conta da magnitude da dívida que temos, como Estado e como sociedade”, disse o presidente Gabriel Boric ao lançar o Plano Nacional de Busca da Verdade e da Justiça, primeira iniciativa oficial desse tipo e uma de suas principais promessas de governo.



Boric assinou o decreto que oficializa o plano durante cerimônia nos arredores do palácio presidencial de La Moneda, da qual participaram ministros e parentes das vítimas, mas não as forças opositoras de direita.

Com financiamento estatal, o plano de busca tem como objetivo reconstituir a trajetória das vítimas após a sua prisão e o seu desaparecimento. Também busca garantir o acesso à informação dos familiares e implementar medidas de reparação.

A busca será, agora, um dever permanente do Estado, e não apenas das famílias, disse Boric, emocionado, reconhecendo que “a Justiça demorou muito”.

Familiares das vítimas participaram da elaboração do plano. Depois de anos denunciando o abandono do Estado, eles agradeceram ao governo Boric por seus esforços.

“Nenhum outro governo teve essa vontade política que era necessária para que este calvário não seja apenas dos familiares, mas de toda a sociedade e do Estado, que fez nossos familiares desaparecerem”, disse, durante a cerimônia, Gaby Rivera, presidente do Grupo de Familiares de Presos Desaparecidos.

A maioria dos desaparecidos eram operários e camponeses, com idade média de 29 anos. As prisões começaram logo após o golpe militar, em 11 de setembro de 1973.

Até agora, o principal obstáculo para encontrar os desaparecidos tem sido a pouca colaboração das Forças Armadas, o que os familiares atribuem a um “pacto de silêncio” que se mantém desde a ditadura (1973-1990).

Em uma mesa de diálogo instalada no fim dos anos 1990, os militares aportaram dados de cerca de 200 presos, cujos corpos, asseguraram, haviam sido lançados no mar. No entanto, alguns desses restos mortais foram encontrados em valas comuns.

Entre os compromissos assinados nessa instância, esteve a nomeação de juízes especiais para casos de violação dos direitos humanos ocorridos durante a ditadura. As pistas obtidas a partir desses processos judiciais são a base da informação que o plano de busca anunciado hoje pretende sintetizar.

O ministro da Justiça, Luis Cordero, afirmou hoje que “é evidente que há pessoas que têm informações sobre o destino dos desaparecidos” dentro das Forças Armadas.

Em 1990, com o retorno da democracia, foi criada a Comissão Nacional da Verdade e Reconciliação, que reconheceu as mais de 3.200 vítimas, incluindo mortos e desaparecidos, deixadas pela ditadura. Em 2003, foi aberta outra Comissão oficial sobre prisão política e tortura, que reconheceu cerca de 38 mil torturados.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

63-pessoas-morrem-apos-predio-pegar-fogo-em-joanesburgo,-na-africa-do-sul

G1 Mundo

63 pessoas morrem após prédio pegar fogo em Joanesburgo, na África do Sul

Outras 43 pessoas ficaram feridas, de acordo com o governo da cidade. Equipes trabalham para resgatar outras vítimas que estariam dentro do edifício. Incêndio destruiu prédio de 5 andares no Centro de Joanesburgo — Foto: REUTERS/Siphiwe Sibeko Um incêndio em um prédio de Joanesburgo, na África do Sul, deixou ao menos 73 pessoas mortas, na madrugada desta quinta-feira (31). Outras 43 pessoas ficaram feridas, segundo o governo da cidade. As […]

today31 de agosto de 2023 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%