G1 Mundo

Como consumo de produtos preferidos pelos argentinos, como carne, mate e leite, mudou desde a posse de Milei

today26 de maio de 2024 12

Fundo
share close

Um dos efeitos mais visíveis do processo é a redução do consumo de três dos alimentos mais emblemáticos do país: a carne, o leite e a erva-mate.

Assim que chegou à presidência da Argentina, em dezembro de 2023, o economista “libertário” Javier Milei ligou – metaforicamente falando – a famosa motosserra que o acompanhou em alguns atos de campanha.

Nos três primeiros meses de governo, o presidente reduziu os gastos públicos em 13% do Produto Interno Bruto (PIB), o que diminuiu de imediato o enorme déficit fiscal enfrentado pelo país.



O governo afirma que “não existem antecedentes mundiais” de um ajuste desta magnitude em tão pouco tempo. E a medida serviu para reduzir um dos maiores flagelos da Argentina: sua inflação – a mais alta do mundo, próxima de 290% ao ano.

Em março, os aumentos de preços caíram pelo terceiro mês consecutivo e, confirmando a maioria dos prognósticos privados e oficiais, os números de abril mostraram nova queda da inflação, que passou a ser de um dígito por mês. É um sinal de que as medidas tomadas pelo governo parecem estar funcionando.

Mas existe o outro lado da moeda: uma fortíssima recessão, que foi agravada por muitas das medidas tomadas por Milei, como a desvalorização da moeda local pela metade, a drástica redução das taxas de juros e, principalmente, a contenção dos aumentos dos salários e aposentadorias, que foram mantidos abaixo da taxa de inflação.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) havia previsto crescimento de 2,8% para o país em 2024, mas reverteu suas expectativas após os anúncios do novo presidente. O órgão agora estima que a economia argentina sofrerá retração de 2,8% este ano, para crescer novamente em 5% em 2025.

A desregulamentação de diversos setores econômicos e a “acomodação dos preços”, que haviam ficado defasados durante os governos kirchneristas, fizeram com que os valores de muitos bens e serviços disparassem. Estes aumentos pressionaram ainda mais o bolso dos argentinos, que já recebiam um dos salários mais baixos da América Latina.

Um relatório do Centro de Pesquisa e Formação da Central de Trabalhadores da Argentina (Cifra-CTA, na sigla em espanhol), publicado em abril, indicou que o poder aquisitivo do salário mínimo caiu em um terço (34,1%) desde a posse de Milei.

Com isso, o consumo de massa despencou. Março registrou o quarto mês consecutivo de queda, com redução de 19% sobre o mesmo mês do ano passado, segundo a consultoria Focus Market.

E o sinal mais claro desta crise pode ser observado na queda das vendas de três dos produtos mais consumidos pelos argentinos.

Leite – queda no 1º trimestre: 18,7%

Milhões de argentinos deixaram de consumir laticínios devido à crise enfrentada pelo país — Foto: Getty Images

A Argentina é um país pecuarista. Por isso, o leite e seus derivados – incluindo o tão popular doce de leite – não podem faltar na mesa dos argentinos.

Mas o preço do leite mais que dobrou em apenas três meses. O aumento foi de 123% entre dezembro e março, segundo o Instituto Nacional de Estatística e Censos da República Argentina (Indec). Com isso, muitas pessoas simplesmente precisaram deixar de consumir laticínios, como queijo, iogurte e manteiga.

Um relatório do Observatório da Cadeia Láctea Argentina (OCLA), com base em dados do painel das indústrias lácteas, demonstra que a queda do volume de venda de laticínios no mercado interno foi de 18,7% nos três primeiros meses do ano, em comparação com o mesmo período de 2023.

Paradoxalmente, depois de muitos anos em crise, a situação dos produtores de leite melhorou nos últimos tempos com a exportação de leite em pó, o principal produto da indústria para o mercado externo.

Sua cotação internacional é de mais de US$ 3,2 mil (cerca de R$ 16,4 mil) por tonelada. Este valor fez com que o preço de referência pago aos pecuaristas pelo leite em nível nacional aumentasse em mais de 300% em um ano, segundo o OCLA. Este índice é mais alto que a inflação anual da Argentina, de 288%.

O organismo estima ainda que, no primeiro trimestre, as exportações de laticínios aumentaram em 6,4% em relação ao mesmo período do ano passado. Elas representam 30% de todo o leite produzido no país.

Enquanto muitos empresários leiteiros observam com preocupação a crise do mercado interno, uma pesquisa realizada em março pela associação rural Consórcios Regionais de Experimentação Agrícola (CREA) demonstrou que a maioria deles mantém otimismo sobre o futuro dos seus negócios – 73% deles são da opinião de que os resultados econômicos irão melhorar até o ano que vem.

Carne – queda no 1º trimestre: 17,6%

O consumo de carne na Argentina registrou a maior redução dos últimos 30 anos — Foto: Getty Images

A Argentina é famosa pela qualidade da sua carne. Qualquer pessoa que já tenha visitado o país sabe que o “bife” e o “assado” fazem parte habitual da alimentação dos argentinos.

Mas, este ano, muitas pessoas precisaram abandonar o tradicional churrasco de domingo.

Segundo a Câmara da Indústria e Comércio de Carnes e Derivados da República Argentina (Ciccra), o consumo de carne bovina per capita no país caiu de 50,5 kg em março de 2023 para 42,6 kg em março deste ano – uma redução de 18,5%.

No acumulado do primeiro trimestre, a queda do consumo foi de 17,6%. Segundo a Ciccra, este foi o “registro mais baixo das últimas três décadas”.

Mas, como no caso do leite, nem tudo foi prejuízo para o setor. A redução do consumo interno foi compensada por um forte aumento das exportações, que representam cerca de 30% da produção total.

Um relatório da Ciccra indica que, nos primeiros três meses do ano, as exportações aumentaram em 22,9%, em relação ao mesmo período de 2023. E fontes do Instituto de Promoção da Carne Bovina Argentina informaram que 80% dessa carne foi vendida para a China.

Erva-mate – queda no 1º trimestre: 9,2%

O ajuste monetário prejudicou até o consumo de chimarrão — Foto: Getty Images

O chimarrão é uma parte tão essencial dos costumes argentinos que a demanda de erva-mate é considerada estável – ou seja, mesmo quando os preços aumentam, as pessoas continuam comprando a erva, sem substituí-la por outros produtos.

É por isso que alguns consideram que queda das vendas de erva-mate é a evidência mais clara dos dramáticos efeitos dos ajustes para muitos argentinos.

O Instituto Nacional da Erva-Mate (INYM, na sigla em espanhol), que é um organismo não governamental, revelou que, em março, a quantidade de erva-mate destinada ao mercado interno caiu em 30%, em relação a 2023.

Considerando-se todo o primeiro trimestre, a retração foi de 9,2% sobre o mesmo período do ano passado.

A maioria dos participantes do setor atribui a queda à perda de poder aquisitivo das famílias com menos recursos. Um trabalho da Universidade Di Tella indicou que mais de 3 milhões de argentinos caíram abaixo da linha da pobreza no primeiro trimestre deste ano.

Mas o INYM destaca que a baixa também pode ter ocorrido porque muitos supermercados e comércios compraram grandes quantidades de erva-mate no final de 2023. Eles aumentaram seus estoques prevendo o possível aumento da cotação do dólar após a posse de Milei, o que encareceria o produto.

O organismo também informou que houve um forte aumento das exportações de erva-mate no primeiro trimestre do ano, da ordem de 23%. As vendas para o mercado externo representam apenas 10% da produção.

No início de abril, o governo desregulamentou o mercado da erva-mate, eliminando o poder do INYM de fixar preços de referência. A intenção é incentivar a concorrência para baixar os preços internos.

Mas os críticos advertem que esta medida pode ter efeito totalmente contrário, já que apenas uma dezena de grandes empresas concentra 70% da preparação da erva-mate no país. E, sem os preços de referência, elas poderão usar seu poder de mercado para controlar tanto o preço de venda ao consumidor, quanto o valor pago aos produtores agrícolas.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

g7-anuncia-‘avancos’-no-plano-de-usar-ativos-russos-congelados-para-ajudar-a-ucrania

G1 Mundo

G7 anuncia ‘avanços’ no plano de usar ativos russos congelados para ajudar a Ucrânia

"Estamos avançando nas nossas discussões sobre possíveis maneiras de antecipar os lucros extraordinários procedentes dos ativos soberanos russos bloqueados em benefício da Ucrânia, de acordo com o direito internacional e os nossos respectivos sistemas jurídicos", afirmaram os ministros das sete maiores economias industrializadas do planeta. O objetivo é apresentar aos governos do bloco, antes do encontro de cúpula de chefes de Estado e de Governo programado para a região italiana […]

today26 de maio de 2024 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%