G1 Mundo

Como o Grupo Wagner, organização paramilitar russa, recruta detentos africanos para combater na Ucrânia

today28 de janeiro de 2023 15

Fundo
share close

Nos últimos meses, Yevgeny Prigozhin, o chefe do grupo paramilitar russo Wagner, ofereceu a vários africanos presos na Rússia a libertação e a anulação de suas sentenças em troca da participação desses detentos na guerra na Ucrânia. Desde o início do conflito, pelo menos três cidadãos africanos foram recrutados, dos quais ao menos dois morreram no conflito.

“Se você lutar por seis meses, estará livre”. A promessa parecia tentadora para Lemekhani Nathan Nyirenda, um zambiano de 23 anos, e Nemes Tarimo, um tanzaniano de 33 anos, presos em Moscou depois de serem condenados, em dois casos separados, por porte de drogas, enquanto estudavam na capital russa. Abordados por representantes do grupo de mercenários Wagner, ambos aceitaram a oferta.

Os dois foram mobilizados como soldados, na linha de frente dos combates. Acabaram mortos entre setembro e outubro.



Em 24 de janeiro, o governo da Tanzânia divulgou a morte de Nemes Tarimo, depois de receber a confirmação de relatórios das autoridades russas. O homem havia se estabelecido em 2020 em Moscou, onde estudava na Academia de Tecnologia.

Vladimir Putin e Yevgeny Prigozhin em imagem de 2010 — Foto: Alexey Dryuzhinin / Sputnik/ AFP

“Depois de seus estudos na Rússia, ele voltou para a Tanzânia, onde queria ser deputado pelo partido da oposição. Mas o plano não funcionou e ele voltou a Moscou para fazer sua vida lá”, contou Pauline Bax, diretora do Programa África do International Crisis Group.

Já Lemekhani Nathan Nyirenda havia começado uma sentença de nove anos de prisão nos subúrbios de Moscou. Foi o próprio Prigozhin quem deu detalhes sobre o caso após a morte do zambiano, por meio de seu meio de comunicação preferido: seu canal no Telegram. “Lembro-me bem desse cara”, escreveu. “Fiz uma pergunta a ele: ‘Por que você quer lutar? Afinal, as chances de morrer são muito grandes’”, relatou.

Segundo o chefe do grupo paramilitar, o zambiano teria respondido que “vocês, russos, ajudaram os africanos a alcançar a independência. Isso é o mínimo que posso fazer para pagar nossa dívida”.

A instalação de jovens africanos na Rússia por longos períodos é facilitada por parcerias universitárias históricas entre Moscou e vários países da África, como Zâmbia e Tanzânia – uma tradição que remonta à Guerra Fria. “Naquela época, muitos russos que trabalhavam com engenharia civil vinham lecionar nas universidades africanas”, explica Bax.

Mercenários russos do Grupo Wagner fornecendo segurança para o comboio do Presidente da República Centro-Africana — Foto: Clément Di Roma/VOA

No início de janeiro, foi identificado outro recruta que afirma ser de nacionalidade marfinense. Em um vídeo veiculado nas redes sociais, o jovem, que aparece ao lado de Yevgeny Prigozhin, oligarca fundador da Wagner, é filmado em trajes de combate. Ele fala em russo e especifica que também foi recrutado na prisão.

A guerra na Ucrânia está prestes a completar um ano e, há seis meses, o grupo Wagner vasculha os centros penitenciários russos em busca de centenas de prisioneiros nacionais ou estrangeiros.

Antes de ir ao front, eles aprendem métodos de combate comuns, mas extremamente resumidos. “Eles recebem um pouco de treinamento, mas não é muito. Talvez algumas semanas ou alguns meses, mas não mais. […] O risco é enorme”, diz a pesquisadora.

Depois de confirmar a morte de um de seus cidadãos, o ministro das Relações Exteriores da Tanzânia, Stergomena Tax, pediu para os tanzanianos não “se juntarem a nenhum exército ou grupo armado em outros países”.

Os recrutamentos por Wagner já chegam a impactar na população carcerária na Rússia. Uma investigação divulgada em novembro pelo site de informações Mediazona revelou que, em dois meses, o número de homens nas prisões do país teve uma queda de 23 mil  pessoas, de um total de 349 mil em agosto. Esta diminuição abrupta é “oficial”, disse o jornal Mediazona.

O veículo, classificado como “agente estrangeiro” pelo Kremlin, indicava que estes eram números da administração penitenciária. A queda foi verificada apenas entre os condenados homens – nada mudou para aqueles em prisão preventiva ou nas prisões femininas.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

manifestantes-protestam-nos-eua-apos-video-de-policiais-agredindo-brutalmente-um-homem-negro

G1 Mundo

Manifestantes protestam nos EUA após vídeo de policiais agredindo brutalmente um homem negro

Tyre Nichols, de 29 anos, foi parado por cinco policiais no último dia 7 de janeiro enquanto dirigia, sob alegação de "direção imprudente". Vídeos registrados pelas câmeras nos uniformes dos ex-policiais mostram que Nichols sofreu diversas agressões. Ele foi encaminhado ao hospital com diversos ferimentos e três dias depois, em 10 de janeiro, morreu. Os registros apareceram pela primeira vez nesta sexta-feira (27). Após a divulgação, um grupo de manifestantes […]

today28 de janeiro de 2023 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%