G1 Mundo

Como os drones se tornaram armas fundamentais na Guerra da Ucrânia

today31 de dezembro de 2022 12

Fundo
share close

Os aparelhos utilizados vão dos sofisticados Shahed-136, conhecidos como “kamikaze”, que são usados pela Rússia e tem grande poder de destruição, até os DJI Mavic 3, drones comerciais usados pelos ucranianos para monitorar o inimigo.

Entre os principais usos dos drones, estão:

  • Funcionar diretamente como arma: o próprio drone carrega explosivos e, ao receber um comando, “mergulha” em direção ao alvo, explodindo;
  • Disparar projéteis e explosivos: o drone é equipado com armas que podem ser acionadas à distância, ou carrega granadas e pequenas bombas, que são lançadas após o aparelho receber um comando;
  • Vigiar o inimigo: o drone possui uma ou mais câmeras que permitem o monitoramento de alvos à distância e do alto;
  • Influenciar o psicológico do inimigo: o drone é utilizado para “perseguir” o inimigo, que é impactado ao perceber que sua posição foi descoberta pelo opositor.

Os drones ‘kamikaze’ usados pela Rússia



Já no início da Guerra, a Rússia começou a usar os drones iranianos Shahed-136, que ganharam o apelido de “kamikazes” pois são capazes de se transformar em armas para atacar alvos estratégicos, como estações de energia na Ucrânia, o que fez com que milhões de pessoas ficassem sem eletricidade no país.

Embora cause um grande estrago, a tecnologia tem suas desvantagens: por voarem muito baixo, os Shahed-136 têm que ser lançados em “bando”, para garantir que ao menos alguns atinjam o alvo. No início de outubro, as Forças Armadas da Ucrânia disseram que estavam interceptando 60% de todos os aparelhos do tipo.

O principal aparelho utilizado pelos russos é de fabricação própria e se chama Orlan 10. Sua principal função é disparar projéteis contra o inimigo.

Drones Kamikaze: conheça o equipamento usado pela Rússia para atacar a Ucrânia

Drones Kamikaze: conheça o equipamento usado pela Rússia para atacar a Ucrânia

Os drones comerciais utilizados pela Ucrânia

Os ucranianos entraram no conflito com cerca de 50 drones do tipo Bayraktar TB2, que pode ser armado com bombas guiadas a laser e realizar disparos à distância. Fabricados na Turquia, os aparelhos custam caro (cerca de R$ 10,8 milhões) e podem ser detectados e destruídos pela defesa aérea russa com certa facilidade.

O governo da Ucrânia se voltou, então, para pequenos modelos comerciais, como o DJI Mavic 3, que custa o equivalente a cerca de R$ 11 mil, e pode ser usado para lançar pequenos explosivos, como granadas, e para monitorar o território, graças à câmera que possui.

Além disso, de acordo com o governo ucraniano, grupos de civis que possuem drones comerciais passaram a realizar monitorar as atividades russas e compartilhar as descobertas com as autoridades.

O impacto dos drones no desenrolar do conflito

Para Dominika Kunertova, pesquisadora do Centro de Pesquisas sobre Segurança, do Instituto Federal de Tecnologia de Zurique, na Suíça, a influência dos drones na Guerra da Ucrânia é inegável.

“Os drones [que estão sendo usados no conflito] não são a ‘bala de prata’ que trará a vitória, mas estes objetos voadores estão capacitando soldados individuais ou um grupo de soldados em um nível de esquadrão”, afirmou Kunertova.

Segundo a especialista, isso é particularmente importante porque permite que:

  • decisões estratégicas sejam tomadas de longe, com mais precisão e mais rapidamente;
  • explosivos e artilharias possam ser utilizados à distância, sem a necessidade de movimentar as tropas.

Esses pontos são vantajosos, explicou Kunertova, porque resultam na economia de tempo, dinheiro e ajudam a preservar vidas.

Drones comerciais como “descoberta” da Guerra

Kunertova acredita que a “descoberta” dos drones comerciais pelos militares é uma das principais consequências da Guerra na Ucrânia que já podem ser observadas.

Segundo ela, os drones militares mostraram ter um custo-benefício menor que o imaginado, pois são caros e fáceis de detectar e combater.

“Ambos os lados aprenderam que usar drones grandes e caros que carregam mísseis é ineficaz porque esta é uma guerra em que nenhum dos lados pode controlar os céus. Então, ambos os lados passaram a usar drones táticos menores”, explicou Kunertova.

Soldados ucranianos lançam um drone em posições russas perto de Bakhmut, região de Donetsk, Ucrânia, quinta-feira, 15 de dezembro de 2022 — Foto: AP Photo/LIBKOS




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

terremoto-de-magnitude-5,5-atinge-antofagasta,-no-chile

G1 Mundo

Terremoto de magnitude 5,5 atinge Antofagasta, no Chile

O terremoto ocorreu a uma profundidade de 139 quilômetros. Ainda não há informações sobre vítimas. Um terremoto de magnitude 5,5 atingiu Antofagasta, no Chile, neste sábado (31), informou o Centro Siesmológico Europeu-Mediterrâneo (EMSC). O terremoto ocorreu a uma profundidade de 139 quilômetros (86,37 milhas), disse a EMSC. Ainda não há informações sobre vítimas. Esta reportagem está em atualização. Newsletter G1 Created with Sketch. O que aconteceu hoje, diretamente no seu […]

today31 de dezembro de 2022 15

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%