G1 Mundo

Como peculiaridades das eleições tornam ‘quase impossível’ que candidato espanhol mais votado seja o presidente

today24 de julho de 2023 8

share close

Com quase 100% dos votos apurados, os conservadores foram a força mais votada com 32,9% dos votos e conseguiram quase 136 cadeiras no Congresso dos Deputados, o que os torna o grupo político majoritário na Câmara.

E, no entanto, seu candidato à presidência do governo, Alberto Núñez Feijóo, tem um caminho muito difícil até o palácio La Moncloa, a sede do governo espanhol.

No PP eles já garantiram na mesma noite da eleição que vão reivindicar o direito de formar um governo, mas isso parece uma tarefa muito difícil para Feijóo.



As peculiaridades do sistema parlamentar espanhol explicam esse paradoxo.

O que aconteceu nas eleições espanholas

O Partido Popular voltou a ser o mais votado na Espanha pela primeira vez desde a queda do governo de Mariano Rajoy em 2018.

Desde então, o socialista Pedro Sánchez foi o presidente de governo (premiê) espanhol, liderando nos últimos anos uma coalizão com o partido de esquerda Unidas Podemos.

O PP aumentou significativamente seus votos e cadeiras em relação às últimas eleições, realizadas em novembro de 2019.

Feijóo foi eleito o novo líder do PP e candidato à presidência do governo em abril do ano passado com a missão de recuperar o partido após uma série de fracassos eleitorais e uma crise interna que custou o cargo ao seu antecessor, Pablo Casado.

O líder galego somou 47 assentos e cerca de três milhões de votos a mais do que os obtidos pelo PP nas últimas eleições. No entanto, os resultados obtidos por Feijóo deixam uma leitura agridoce. Sobretudo porque a possibilidade que a maioria das pesquisas considerou como a mais provável, de que ele pudesse formar um governo com o apoio dos ultras do Vox, parece muito distante agora.

A isso se acrescenta que os resultados acima do esperado obtidos pelo Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) do presidente Sánchez o colocam em condições de permanecer no poder, embora para isso tenha que enfrentar complexas negociações parlamentares cujo resultado não é nada claro.

Por que ser o mais votado não é decisivo

Ao contrário do que acontece na maioria dos países latino-americanos, a Espanha tem um sistema parlamentarista.

Nas eleições gerais, o presidente não é eleito diretamente, mas sim o Parlamento, cujos membros serão os que votarão pela formação de um Executivo.

É no Congresso dos Deputados que se trava uma batalha decisiva para obter o apoio necessário para ser empossado como primeiro-ministro.

Após as eleições, como dita a Constituição, o rei Felipe VI abrirá uma rodada de contatos com os líderes dos grupos que obtiveram representação parlamentar e irá propor um candidato para formar um governo. Esse candidato deve então buscar a confiança da Câmara.

É necessário o voto favorável de maioria absoluta de 176 dos 350 deputados para ser empossado como presidente do Governo em uma primeira tentativa, ou maioria simples em uma segunda tentativa, mas a distribuição de cadeiras no Congresso a partir das urnas dificulta que Feijóo chegue à presidência em qualquer um dos dois casos.

O líder do PP já disse aos seus apoiantes na noite das eleições que o seu dever enquanto candidato do partido mais votado é “abrir o diálogo” com todas as forças parlamentares para tentar formar governo e pediu aos seus rivais políticos “que não bloqueiem mais uma vez o governo de Espanha”, aludindo ao que aconteceu em 2016, quando as eleições tiveram de ser repetidas depois de nenhum partido ter obtido a maioria necessária no Congresso dos Deputados.

O PP poderia somar os 33 deputados do Vox aos seus 136, mas precisa que outros grupos se abstenham. E agora, ele enfrenta a recusa dos grupos nacionalistas catalães e bascos em apoiar qualquer opção que inclua o Vox.

Os populares basearam sua campanha em acusar Sánchez de fazer concessões inaceitáveis ​​aos independentistas e à “esquerda radical” para se agarrar ao poder e Feijóo agora tem o problema de que, exceto pelo Vox e algum outro grupo minoritário, não tem mais aliados no Parlamento.

Segundo disse à BBC news Mundo (serviço em espanhol da BBC) o analista Daniel Bernabé, “Feijóo agora tem muita dificuldade”.

Para ele, “essas eleições mostraram que existem forças políticas teimosas e que o bipartidarismo que governou a Espanha por 30 anos mudou definitivamente”.

“Agora há um Parlamento muito variado, com forças minoritárias e periféricas com as quais é preciso chegar a acordos, e nem o PP nem o Feijóo estão em condições de fazer isso.”

O que pode acontecer agora

Como já fez em outras ocasiões em sua carreira, o presidente mais uma vez sobreviveu a uma morte política anunciada prematuramente. Sánchez antecipou as eleições para tentar travar a perda de votos que se começou a verificar nas eleições autárquicas e regionais de maio passado, e a sua aposta parece ter valido a pena.

O objetivo é que ele reedite o chamado “bloco de investimentos”, a heterogênea relação de grupos de esquerda e nacionalistas que facilitou sua candidatura em 2020. Mas essa também não parece uma tarefa fácil.

O atual presidente pode considerar garantido o apoio da coalizão de esquerda Sumar. De fato, sua líder, Yolanda Díaz, foi vice-presidente no governo de coalizão que Sánchez presidiu na última legislatura.

Também parece possível o apoio, ou ao menos a abstenção, dos nacionalistas bascos do EH BIldu e do PNV.

Será mais difícil convencer os separatistas catalães do Esquerra Republicana da Catalunha (ERC) e do JuntsxCatalunya.

O ERC tem sido um dos principais apoiadores do governo Sánchez, que perdoou seus líderes presos por seu papel no referendo ilegal pela independência da Catalunha em 2017, mas o partido mantém sua aspiração de que um referendo legal acordado com o governo espanhol possa um dia ser realizado.

Sánchez, no entanto, o considerou inconstitucional. E se o ERC insistir nessa exigência, as negociações podem encalhar, levando a Espanha a ter de repetir as eleições.

O analista Bernabé, no entanto, aponta que “o ERC pode dizer não a Sánchez e ficar preso em um caminho soberanista que ninguém sabe para onde pode levar e que pode ter o preço de uma nova eleição, mas seria difícil explicar isso aos seus eleitores”.

O Junts per Catalunya já alertou que colocará um “preço alto” na tentativa de Sánchez e poderá colocar na mesa de negociações a situação de seu líder, Carles Puigdemont, ex-presidente do governo autônomo da Catalunha, que fugiu para a Bélgica e que a justiça espanhola também cobra punição a ele por seu papel na tentativa de secessão de 2017.

Todos os caminhos parecem difíceis dado o panorama atual da política espanhola, mas o de Núñez Feijóo e seu Partido Popular parece o mais difícil.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

G1 Mundo

Drones ucranianos tentaram atacar edifícios de Moscou, diz Ministério da Defesa da Rússia

Dois drones ucranianos tentaram atacar edifícios de Moscou na madrugada desta segunda-feira (24), segundo o Ministério da Defesa da Rússia. As investidas foram bloqueadas e não causaram danos graves ou vítimas, disse o prefeito de Moscou, Sergei Sobyanin. A Ucrânia ainda não respondeu às acusações. "Na manhã de 24 de julho, uma tentativa do regime de Kiev de realizar um ataque terrorista de dois veículos aéreos não tripulados contra objetos na cidade de Moscou foi frustrada. Dois drones ucranianos foram […]

today24 de julho de 2023 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%