G1 Mundo

Conflito em Israel: Como o Hamas usou parapentes e foguetes em ataques que poucos achavam possível

today9 de outubro de 2023 7

Fundo
share close

Era o Sabbath, “sábado da paz”, quando os judeus descansam após seis dias de trabalho, e é considerado uma data sagrada no judaísmo. Os bombardeios também aconteceram horas depois do último dia da celebração judaica Sucot.

Por anos, Israel fortificou a barreira entre si e a pequena faixa de Gaza controlada pelos palestinos. Em questão de horas, sua impenetrabilidade foi revelada como falha.

A BBC News analisou imagens capturadas por militantes e civis no local para entender como o Hamas coordenou seu ataque mais sofisticado até então a partir de Gaza.



Vídeo mostra tiroteio no meio da rua em Israel, na fronteira com a Faixa de Gaza

Vídeo mostra tiroteio no meio da rua em Israel, na fronteira com a Faixa de Gaza

Foguetes marcaram o início do ataque

Por volta das 06h30 no horário local, os foguetes começaram a aparecer no céu.

A organização militante islâmica, que controla Gaza e é designada como grupo terrorista no Reino Unido e em outros lugares do mundo, usa essa tática com frequência.

Os foguetes geralmente têm dificuldade em escapar do avançado sistema antimísseis de Israel – mas milhares foram disparados em um curto espaço de tempo para sobrecarregá-lo.

A escala sugere meses de planejamento e estoque. O Hamas afirma ter disparado 5.000 na primeira rodada (Israel diz que foi metade desse número).

Sirenes de alerta começaram a soar até mesmo em Tel Aviv – a 60 km de Gaza – e em Jerusalém Ocidental, e a fumaça podia ser vista subindo sobre cidades que foram atingidas diretamente.

Enquanto os foguetes continuavam a ser lançados, os combatentes se reuniam onde planejavam penetrar na densamente fortificada barreira de Gaza.

Embora Israel tenha retirado suas tropas e colonos de Gaza em 2005, ainda controla seu espaço aéreo, além de ter fronteira e costa marítima compartilhadas.

Além das patrulhas militares regulares ao redor do perímetro – que consiste em um muro de concreto em alguns lugares e uma cerca em outros – há também uma rede de câmeras e sensores para evitar incursões.

Mas em questão de horas, a barreira foi rompida repetidamente.

Como o Hamas conseguiu atravessar?

Alguns membros do Hamas tentaram contornar completamente a barreira, incluindo o uso de parapentes (imagens não verificadas mostraram pelo menos sete deles pairando sobre Israel) e também tentativas de atravessar em embarcações que chegaram à praia, que foram repelidas pelas Forças de Defesa de Israel.

No entanto, o que distingue este ataque são os ataques diretos e coordenados nos pontos de travessia da barreira.

Por volta das 05h50 no horário local, uma conta no Telegram associada à ala armada do Hamas compartilhou as primeiras imagens do local, capturadas em Kerem Shalom, o ponto mais ao sul das passagens de Gaza.

Essas imagens mostravam militantes assumindo o controle de um posto de controle e os corpos ensanguentados de dois soldados israelenses no chão.

Em outra imagem, pelo menos cinco motocicletas transportavam dois militantes armados com rifles, passando por um buraco cortado na cerca de arame da barreira.

Militantes romperam a barreira em Kerem Shalom, ultrapassando os guardas e cortando a cerca — Foto: Redes Sociais/Via BBC

Em uma seção menos vigiada, uma escavadeira foi vista demolindo um trecho da cerca com arame farpado no topo. Dezenas de indivíduos aparentemente desarmados se reuniram ali, e alguns começaram a atravessar o buraco.

No ponto mais ao norte das passagens de Gaza, em Erez, cerca de 43,4 km ao norte de Kerem Shalom, o Hamas estava lançando outro ataque.

A BBC News verificou imagens de uma escavadeira destruindo uma seção da barreira — Foto: Redes Sociais/Via BBC

Imagens foram compartilhadas em um dos canais de propaganda do grupo, mostrando uma explosão na barreira de concreto, que serviu como sinal para iniciar o ataque.

Nas imagens, um militante pode ser visto acenando para um grupo de combatentes em direção ao local da explosão. Oito homens vestindo coletes à prova de balas e armados com rifles correram em direção ao posto de controle fortemente fortificado, disparando contra as tropas israelenses.

Em seguida, é possível ver corpos de soldados israelenses no chão, enquanto os militantes, claramente organizados e treinados, vasculham os quartos do complexo.

Gaza possui sete passagens oficiais, sendo que seis são controladas por Israel, enquanto uma é controlada pelo Cairo, no Egito. Em questão de poucas horas, o Hamas encontrou maneiras de entrar no território israelense ao longo de toda a barreira.

Os combatentes do Hamas se espalharam em várias direções a partir de Gaza.

Agora, sabemos pelas autoridades israelenses que eles atacaram 27 locais diferentes, aparentemente com ordens para eliminar qualquer alvo que encontrassem.

O ponto mais distante que o Hamas conseguiu alcançar foi a cidade de Ofakim, localizada a 22,5 km a leste de Gaza.

Em Sderot, militantes foram avistados em pé na traseira de uma caminhonete que percorria a cidade, situada cerca de 3 km (1,8 milhas) a leste de Gaza.

Cerca de uma dúzia de combatentes armados foram observados espalhando-se pelas ruas vazias de Ashkelon, ao norte do ponto de travessia de Erez que havia sido invadido.

Cenas semelhantes se repetiram por toda a região sul de Israel, e os civis receberam orientações das forças armadas para se refugiarem em locais fechados.

No festival de música próximo a Re’im, homens armados abriram fogo contra um grande grupo de jovens que se reuniram no deserto.

Um testemunha relatou à BBC como os militantes estavam dirigindo uma van carregada de armas e passaram três horas procurando por outros israelenses para atacar.

Soldados e civis capturados como reféns

Reféns foram capturados pelo Hamas no festival e em outros locais e transportados de volta para Gaza. Israel diz que 100 pessoas – soldados e civis – foram sequestrados.

Imagens tiradas na cidade de Be’ri e verificadas pela BBC mostram cerca de quatro civis sendo levados à força por militantes.

Vários vídeos circularam online de israelenses, alguns deles gravemente feridos, sendo exibidos nas movimentadas ruas de Gaza.

Outras atrocidades não verificadas, muito gráficas para serem publicadas, foram capturadas em vídeo, incluindo um motorista sendo arrastado de seu carro e tendo a garganta cortada, e os corpos de civis e soldados mortos sendo profanados.

Além de atacar comunidades israelenses, o Hamas também atacou dois locais militares: uma base em Zikim e outra em Re’im.

Imagens feitas perto de Re’im mostram o resultado, com vários carros queimados espalhados ao longo da estrada para a base. Não está claro quantas pessoas foram mortas durante os combates.

Os canais de mídia social do Hamas compartilharam repetidamente imagens de soldados israelenses mortos. A BBC News não verificou essas imagens.

Em apenas algumas horas do início da barragem de foguetes, centenas de israelenses estavam mortos – e isso aconteceu de uma maneira que ninguém pensava ser possível.

Ajuda começou a chegar na região sul atingida em poucas horas, mas o Hamas, por um tempo, estava controlando efetivamente partes do território fora de Gaza.

A velocidade e a letalidade do ataque surpresa chocaram Israel. Perguntas sobre como isso foi possível serão feitas por anos.

Por volta do meio da manhã, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, declarou: “Estamos em guerra.”

Infográfico explica início do conflito em Israel — Foto: Arte/g1




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

ataque-do-hamas:-ao-menos-260-corpos-sao-encontrados-em-rave-em-israel-onde-estava-o-pai-de-alok

G1 Mundo

Ataque do Hamas: ao menos 260 corpos são encontrados em rave em Israel onde estava o pai de Alok

O vídeo mostrou fumaça no céu e pessoas se movimentando no evento de música eletrônica. "Estou em choque até agora! E as bombas não param de explodir…", escreveu Juarez em uma rede social. Neste domingo, Alok fez um post no Instagram no qual afirmou: "O meu pai foi contratado a se apresentar em um evento que licenciou os direitos de uso do nome do festival, como já aconteceu em diversos […]

today9 de outubro de 2023 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%