G1 Mundo

Conheça a história do quadro de uma família judia da Áustria que sumiu durante 100 anos, reapareceu em 2022 e pode ser vendido por R$ 267 milhões

today27 de janeiro de 2024 3

Fundo
share close

Na década de 1910, uma família judia rica de Viena, na Áustria, encomendou um quadro a um dos mais famosos pintores do país, Gustav Klimt. É uma imagem de frente de uma mulher jovem, da cabeça até a altura dos joelhos, com um vestido colorido que se destaca sobre um fundo vermelho. É uma obra tardia do artista.

“Retrato da Senhorita Lieser” foi pintado em 1917, um ano antes da morte de Klimt. A pintura foi vista pela última vez durante uma exposição em Viena em 1925 –há uma fotografia em preto e branco que, durante muitas décadas, foi a única prova da existência do quadro.

Até recentemente, sabia-se que a última proprietária conhecida do quadro morreu deportada em 1943, durante a Segunda Guerra Mundial. A obra, então, sumiu. Não houve mais informações a respeito da pintura durante décadas.



Quase cem anos depois da última exibição do quadro, ele foi redescoberto em uma coleção privada do país e será leiloado em 24 de abril.

A casa de leilões que vai ser responsável pela venda, a Kinsky, afirma que o valor deve ficar entre 30 milhões de euros e 50 milhões de euros (de R$ 160 milhões a R$ 267 milhões).

A casa de leições diz que a descoberta do retrato, um dos mais bonitos do último período de Klimt, é sensacional, segundo o jornal “Washington Post”. “Uma pintura rara e artisticamente significativa como essa tem um valor que não aparecia no mercado de arte na Europa central há décadas”, diz o texto da Kinsky.

O quadro foi roubado da família judia

A família Lieser era da alta sociedade rica de Viena. Essa era a clientela de Klimt, o pintor. Não se sabe exatamente quem é a jovem retratada. Quem encomendou a pintura foi Adolf Lieser, que era um dos maiores industrialistas do período Austro-Húngaro. A mulher retratada pode ser a filha ou uma sobrinha dele.

Mas o que se sabe sobre o que aconteceu com o quadro? Como os Lieser eram judeus, há uma possibilidade de o quadro ter sido roubado por nazistas durante a Segunda Guerra.

Henriette Lieser, que foi dona do quadro, permaneceu em Viena apesar da ditadura nazista, foi deportada em 1942 e assassinada no ano seguinte.

Seus herdeiros foram contatados, e alguns se deslocaram para ver a pintura, que não tinha sido reivindicada e nunca apareceu em listas de pedidos de restituição.

De acordo com o “Washington Post”, Ernst Ploil, um diretor da casa de leilões Kinsky, afirmou que a tela foi redescoberta em 2022. Um dos donos procurou a Kinsky para leiloar a peça. Ele afirmou que a pintura havia sido adquirida por um parente dele nos anos 1960, e que está na família desde então.

A casa de leilões afirma que chegou a história e a procedência da pintura de todas as formas possíveis e “não encontrou evidência de que a pintura foi exportada para fora da Áustria, confiscada ou apreendida ou saqueada pelos nazistas”.

“Não temos nenhum indício de que tenha sido confiscada pelos nazistas”, afirmou Ploil. No entanto, a casa também diz que não há prova de que o quadro não foi roubado.

Houve um acordo entre os a família proprietária do quadro e os atuais descendentes da família Lieser. A casa de leilões diz que está seguindo o protocolo para identificar e devolver obras roubadas pelos nazistas (em 1998, 44 países firmaram um acordo no qual se comprometiam a devolver peças que os nazistas roubaram).

Antes da venda, o quadro será exposto na Suíça, Alemanha, Reino Unido e Hong Kong.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

governo-do-brasil-pede-‘cumprimento-imediato’-de-decisao-que-exige-que-israel-impeca-genocidio-em-gaza

G1 Mundo

Governo do Brasil pede ‘cumprimento imediato’ de decisão que exige que Israel impeça genocídio em Gaza

Autoridades do país destacaram "a importância do pleno e imediato cumprimento da decisão" da máxima instância judicial da ONU, de "caráter juridicamente vinculante". O Brasil se uniu ao pedido de outros, como a União Europeia, para que Israel cumpra a decisão, que é vinculante e inapelável, mas a CIJ carece de meios para garantir a sua aplicação. Corte Internacional de Justiça em Haia decide levar adiante processo da África do […]

today27 de janeiro de 2024 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%