G1 Mundo

Conselho eleitoral do Irã aprova seis candidatos para eleições presidenciais; ex-presidente é barrado

today10 de junho de 2024 4

Fundo
share close

O calendário eleitoral iraniano foi definido no dia seguinte após a morte de Raisi. A campanha eleitoral será realizada entre 12 e 27 de junho e a votação acontece dia 28. O período de campanha vai incluir debates entre os candidatos na TV estatal.

O conselho novamente barrou o ex-presidente Mahmoud Ahmadinejad, populista que comandou o país entre 2005 e 2013, ficou conhecido pela repressão e desafiou Ali Khamenei. Ele também foi impedido de concorrer em 2021.

O principal candidato na disputa é Mohammed Bagher Qalibaf, de 62 anos, ex-prefeito de Teerã com fortes ligações com a Guarda Revolucionária iraniana. No entanto, muitos se lembram de que Qalibaf, como ex-general da Guarda, fez parte de uma repressão violenta contra estudantes universitários iranianos em 1999. Ele também teria ordenado o uso de tiros contra estudantes em 2003, enquanto servia como chefe de polícia do país.



Qalibaf concorreu sem sucesso à presidência em 2005 e 2013. Ele retirou-se da campanha presidencial de 2017 para apoiar Raisi em sua primeira tentativa fracassada de se eleger presidente. Raisi venceu a eleição de 2021, que teve a menor participação de todas as eleições presidenciais no Irã, depois que todos os principais oponentes foram desqualificados.

Em pronunciamento oficial, Khamenei disse que “a nação iraniana não deve se preocupar” e que “não haverá interrupção nas operações do país”.

Corpos de vítimas da queda de helicóptero que matou presidente do Irã são removidos

Corpos de vítimas da queda de helicóptero que matou presidente do Irã são removidos

Segundo a imprensa oficial iraniana, o helicóptero que levava Raisi e outros membros do governo iraniano caiu numa região montanhosa do Irã em razão das más condições climáticas. O presidente e sua equipe voltavam da inauguração de uma barragem em região próxima à fronteira com o Azerbaijão.

A queda da aeronave ocorreu entre as aldeias de Pir Davood e Uzi, na província iraniana de Azerbaijão Oriental, cerca de 600 km a noroeste de Teerã, a capital iraniana. (Veja no infográfico abaixo)

Além de Raisi, a queda matou também o ministro das Relações Exteriores, Hossein Amir-Abdollahian, o governador da província iraniana do Azerbaijão Oriental, Malek Rahmati, e o líder religioso Hojjatoleslam Al Hashem. Segundo a imprensa oficial, todos a bordo morreram.

Presidente do Irã, Ebrahim Raisi, morreu após helicóptero cair em área com baixa visualização perto da fronteira com o Azerbaijão, em 19 de maio de 2024. — Foto: arte/ g1

Buscas levaram cerca de 12 horas

A queda do helicóptero ocorreu por volta das 13h (no horário local, 6h no de Brasília), mas a aeronave só foi encontrada cerca de 12 horas depois.

Além das dificuldades de acesso ao local, o tempo ruim dificultava os trabalhos de resgate. O helicóptero foi avistado por integrantes do Crescente Vermelho iraniano, depois que um drone foi enviado pela Turquia com sensores de calor para identificar o local da queda.

Inicialmente, o ministro do Interior iraniano informou que o helicóptero que levava o presidente teria feito uma tentativa de pouso forçado. Mais tarde, a imprensa oficial informou que a aeronave havia sofrido um acidente em razão das más condições climáticas.

VÍDEO: veja o local onde o helicóptero do presidente do Irã caiu

VÍDEO: veja o local onde o helicóptero do presidente do Irã caiu




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘nao-cabiamos-mais’:-moradores-de-ilha-no-caribe-sao-‘expulsos’-por-elevacao-do-nivel-do-mar

G1 Mundo

‘Não cabíamos mais’: moradores de ilha no Caribe são ‘expulsos’ por elevação do nível do mar

As famílias, indígenas da etnia Guna que vivam na ilha de Gardi Sugdub, no arquipélago de San Blas, transportaram fogões, cilindros de gás, colchões e outros pertences em barcos e caminhões para a nova comunidade de Isberyala. Ilha de Gardi Sugdub, no arquipélogo de San Blas, no Panamá, que teve de ser parcialmente evacuada por conta do aumento do nível do mar, em junho de 2024. — Foto: Matías Delacroix/ […]

today10 de junho de 2024 24

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%