G1 Mundo

‘Não cabíamos mais’: moradores de ilha no Caribe são ‘expulsos’ por elevação do nível do mar

today10 de junho de 2024 10

Fundo
share close

As famílias, indígenas da etnia Guna que vivam na ilha de Gardi Sugdub, no arquipélago de San Blas, transportaram fogões, cilindros de gás, colchões e outros pertences em barcos e caminhões para a nova comunidade de Isberyala.

Ilha de Gardi Sugdub, no arquipélogo de San Blas, no Panamá, que teve de ser parcialmente evacuada por conta do aumento do nível do mar, em junho de 2024. — Foto: Matías Delacroix/ AP



Os Gunas de Gardi Sugdub são apenas a primeira de 63 comunidades ao longo das costas do Caribe e do Pacífico do Panamá que autoridades governamentais e cientistas preveem que serão forçados a se mudar devido ao aumento do nível do mar nas próximas décadas.

A cada ano, especialmente quando os fortes ventos atingem o mar em novembro e dezembro, a água enche as ruas e entra nas casas. As alterações climáticas não estão apenas provocando a subida do nível do mar, mas também aquecendo os oceanos e, assim, a alimentando tempestades mais fortes.

Os agora ex-moradores da ilha, todos da etnia Guna, rapidamente perceberam algumas diferenças com a terra firme. “Aqui é mais fresco”, disse Augusto Walter, 73 anos, pendurando a rede na quarta-feira na arrumada casa de dois quartos com quintal. “Lá (na ilha) a essa hora do dia está um forno”.

Ele estava esperando a esposa, que havia ficado mais um pouco na ilha, para preparar a comida. Eles dividirão a casa construída pelo governo com outros três membros da família.

A maioria das famílias de Gardi Sugdub se mudou ao longo desta semana ou estão em processo de mudança, mas as ruas recém-pavimentadas e pintadas de sua nova moradia, a localidade de Isberyala, ainda estavam praticamente vazias.

Bairro construído por governo panamenho na parte continental do país para receber moradores de ilha que tiveram de ser realocados por conta do aquecimento global, em junho de 2024. — Foto: Matías Delacroix/ AP

Sete ou oito famílias, totalizando cerca de 200 pessoas, optaram por ficar por enquanto — a retirada não foi obrigatória. Mas, para permanecer na ilha, alguns tiveram de construir casa novas com dois andares.

Entre os que ficaram está o mecânico de barcos Augencio Arango, de 49 anos. “Prefiro estar aqui (na ilha), é mais relaxante”, disse Arango. Sua mãe, irmão e avó mudaram-se para Isberyala.

“Honestamente, não sei por que as pessoas querem morar lá”, disse ele. “É como morar na cidade, trancado e não dá para sair, e as casas são pequenas.”

Ele diz não acreditar que as mudanças climáticas fossem responsáveis ​​pelo aumento do nível do mar, mas sim decisões tomadas pelas pessoas. “O homem é quem prejudica a natureza”, disse Arango. “Agora eles querem derrubar todas as árvores para construir casas em terra firme.”

Já Ernesto López, 69 anos, mudou-se terça-feira com sua esposa Digna, e mais dois parentes eram esperados em breve.

“Sentimos que estamos mais confortáveis ​​aqui, há mais espaço”, disse López, sentado em sua própria rede na quarta-feira. “Em Gardi Sugdub estávamos realmente espremidos em casas com muita gente. Não cabíamos mais, e o mar chegava todo ano.”

Tal como a maioria das famílias que se mudaram para cá, López, um líder guna, e a sua esposa ainda não tinham eletricidade nem água. O governo disse que havia eletricidade disponível na comunidade, mas as famílias tiveram de abrir suas próprias contas.

Eles passaram a primeira noite com uma lanterna movida a bateria e os queimadores de gás que trouxeram da ilha.

Mangas, bananas verdes e cana-de-açúcar que López trouxera naquela manhã da sua fazenda, a cerca de duas horas de distância, estavam empilhadas no chão da casa. Como a maioria das famílias, eles não planejavam abandonar completamente a ilha onde gerações passaram a vida inteira.

“De vez em quando vamos cruzar para a ilha”, disse López.

Muitos dos novos residentes de Isberyala fizeram exatamente isso porque as suas novas casas ainda não tinham eletricidade.

Betsaira Brenes, 19 anos, mudou-se com a mãe, a avó e uma tia na quarta-feira. Carregando para dentro de casa dois galões de água que trouxeram da ilha, ela disse que haveria espaço suficiente para a família depois de morar na ilha lotada.

Eles planejavam continuar viajando entre o continente e a ilha também, disse ela. “O bom disso tudo é que agora temos uma casa nova e outra onde ficaram as outras tias.”

Entenda a crise do clima em gráficos e mapas

Entenda a crise do clima em gráficos e mapas




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

depois-de-espanha,-irlanda-e-noruega,-parlamento-da-eslovenia-tambem-reconhece-a-palestina-como-estado

G1 Mundo

Depois de Espanha, Irlanda e Noruega, Parlamento da Eslovênia também reconhece a Palestina como Estado

O primeiro-ministro da Eslovênia, Robert Golob, afirmou na rede social X (antigo Twitter) que a medida da Palestina como um Estado soberano e independente dá esperança ao povo palestino na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. A oposição ao governo da Eslovênia era contra o reconhecimento e queria que a proposta fosse tema de um referendo. Segundo o principal partido de oposição, esse não é o melhor momento para reconhecer […]

today10 de junho de 2024 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%