G1 Mundo

Crescimento da extrema direita impõe instabilidade em Portugal e complicará governabilidade

today11 de março de 2024 13

Fundo
share close

No fim de uma noite nebulosa, os únicos que tinham bons motivos para comemorar eram os integrantes do partido de extrema direita Chega, que será essencial para definir o rumo do governo português.

Os radicais de direita, por sua vez, quadruplicaram o número de assentos, de 12 para 48, e, como terceira força política, terão poder suficiente para impor a sua narrativa.

Por isso tudo, fez sentido a frase do líder do Chega, André Ventura, assim que saíram as primeiras projeções: “Hoje é o dia que assinala o fim do bipartidarismo em Portugal”.



Se Ventura afirmou que trabalharia por um governo estável, com forte maioria à direita, o líder da Aliança Democrática, Luís Montenegro, assegurou que manterá seu compromisso de campanha, de não se aliar ao Chega — a formação mais viável para garantir a governabilidade.

“Seria tamanha maldade, seria descumprir compromissos que assumi de forma tão clara”, antecipou em seu discurso de “vitória”.

O líder do partido de extrema direita português Chega, André Ventura, celebra em Lisboa após resultado das eleições, nas quais a sigla terminou em terceiro, em 10 de março de 2024. — Foto: Pedro Rocha/ Reuters

Com 99% dos votos apurados e quatro assentos ainda a serem definidos pelos portugueses emigrantes, a AD, de centro-direita, tinha 79 deputados e o PS, 77. Um governo de minoria parlamentar, liderado pela Aliança Democrática, antevê uma difícil governabilidade, com o país mergulhado na instabilidade.

Se prosseguir em sua missão de descartar uma coligação com a extrema direita, Luís Montenegro terá de exercitar a arte cotidiana do equilíbrio para governar: terá de negociar com o PS, a quem seu partido deu as costas durante os oito anos de governo socialista, ou o Chega, que fundamentou suas bases na xenofobia e no populismo.

O carismático Ventura capitalizou a frustração dos portugueses com a criminalidade, o aumento da imigração e a corrupção para garantir a ascensão vertiginosa do partido.

Repetiu o discurso de outros expoentes da extrema direita no mundo, como Donald Trump, Jair Bolsonaro e Javier Milei, e questionou a confiabilidade das urnas — as mesmas que lhe garantiram, no domingo, 48 deputados.

O roteiro é manjado. O Chega entrou no Parlamento em 2019 e galopou no descontentamento do eleitor com os políticos tradicionais. Em cinco anos, tornou-se capaz de direcionar o percurso que o país seguirá.

Eleições em Portugal aumentam avanço da extrema direita na Europa

Eleições em Portugal aumentam avanço da extrema direita na Europa




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

kate-se-desculpa-por-foto-acusada-de-manipulacao

G1 Mundo

Kate se desculpa por foto acusada de manipulação

Em comunicado, princesa de Gales diz que ela mesma fez a edição da imagem, que foi retirada de circulação pelas principais agências de notícias. Kate Middleton se desculpa por foto acusada de manipulação A princesa de Gales, Kate Middleton, se desculpou nesta segunda-feira (11) por erros de edição na foto que compartilhou no domingo (10) com os filhos. Em comunicado distribuído nesta segunda pelo Palácio de Kensington, que cuida da […]

today11 de março de 2024 11

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%