Notícias

Depois de Espanha, Irlanda e Noruega, Parlamento da Eslovênia também reconhece a Palestina como Estado

today9 de junho de 2024 4

share close

O primeiro-ministro da Eslovênia, Robert Golob, afirmou na rede social X (antigo Twitter) que a medida da Palestina como um Estado soberano e independente dá esperança ao povo palestino na Cisjordânia e na Faixa de Gaza.

A oposição ao governo da Eslovênia era contra o reconhecimento e queria que a proposta fosse tema de um referendo. Segundo o principal partido de oposição, esse não é o melhor momento para reconhecer o Estado Palestino e que a medida pode premiar o grupo terrorista Hamas.

Países europeus reconhecem a Palestina como Estado



O governo irlandês foi o primeiro a reconhecer oficialmente o Estado palestino, nesta manhã, e anunciou a criação de uma Embaixada da Irlanda em Ramala, capital da Cisjordânia, e a nomeação de um embaixador do país para a Palestina.

O governo israelense, em resposta, convocou os embaixadores nos três países e acusou o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, de ser “cúmplice de incitação ao assassinato do povo judeu”.

No fim de junho, Sánchez afirmou que o reconhecimento é uma “necessidade para alcançar a paz” entre israelenses e palestinos, além de ser “uma questão de justiça histórica” para o povo palestino.

A decisão não é adotada “contra ninguém, muito menos contra Israel, um povo amigo (…) com o qual queremos ter a melhor relação possível”, afirmou. O reconhecimento do Estado Palestino reflete a “rejeição frontal, retumbante, ao Hamas, que é contra a solução de dois Estados”, disse ele.

Em resposta, o ministro israelense das Relações Exteriores, Israel Katz, publicou um texto na rede social X no qual acusou Sánchez de ser “cúmplice de incitação ao assassinato do povo judeu” com o reconhecimento da Palestina como Estado e a manutenção em seu cargo de Yolanda Díaz, número três do governo, que afirmou recentemente que a “Palestina será livre do rio até o mar”.

A frase faz referência às fronteiras da Palestina sob mandato britânico, que seguia do rio Jordão até o Mar Mediterrâneo, antes da criação do Estado de Israel em 1948.

Os críticos, em particular o governo israelense, a interpretam com um apoio à eliminação de Israel.

Os três países europeus – embora a Noruega não integre a UE – querem que a iniciativa de grande significado simbólico estimule outros Estados a seguir seus passos.

Noruega e Espanha desempenharam um papel importante no processo de paz dos anos 1990 no Oriente Médio. Madri foi sede de uma conferência de paz árabe-israelense em 1991, que abriu o caminho para os Acordos de Oslo de 1993.

Divisão na União Europeia

O reconhecimento da Palestina como Estado provoca divisão dentro da União Europeia.

Para a França, por exemplo, não é um bom momento para adotar a medida, enquanto a Alemanha consideraria dar este passo como resultado de negociações diretas entre as partes em conflito.

Com Espanha, Irlanda e Noruega e Eslovênia, o Estado da Palestina passa a ser reconhecido por 146 países dos 193 Estados-membros da ONU.

Uma lista que não conta com a maioria dos países da Europa Ocidental e da América do Norte, Austrália, Japão e Coreia do Sul.

Guerra entre o Hamas e Israel

No ataque do dia 7 de outubro, os terroristas do Hamas mataram mais de 1.170 pessoas em território israelense, a maioria civis, segundo um balanço da AFP baseado em dados oficiais israelenses.

Em resposta, Israel prometeu “aniquilar” o Hamas e lançou uma ofensiva aérea e terrestre contra Gaza que deixou mais de 36 mil mortos até o momento, a maioria mulheres e crianças, segundo o Ministério da Saúde do território governado pelo movimento islamista.




Todos os créditos desta notícia pertecem a Notícias.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

saiba-como-evitar-assedio-em-banheiro-publico,-como-no-caso-do-adolescente-a-quem-foi-oferecido-sexo-oral

G1 Santos

Saiba como evitar assédio em banheiro público, como no caso do adolescente a quem foi oferecido sexo oral

Ao g1, especialistas na área social e criminal dão orientações que podem ajudar a reduzir o risco de situação semelhante à observada no litoral de São Paulo. Para a delegada Deborah Lázaro, titular da Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Santos, o ideal é que as crianças e adolescentes evitem usar esse tipo de banheiro por questões de segurança. Ao citar o caso do adolescente de 13 anos, a […]

today9 de junho de 2024 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%