G1 Santos

Deputada federal cobra do Estado de SP um serviço emergencial na travessia de balsas onde um atracadouro foi engolido pelo mar

today23 de junho de 2022 7

Fundo
share close

A travessia de balsas entre Bertioga e Guarujá, no litoral de São Paulo, está paralisada desde o último dia 12, quando o atracadouro foi engolido pela força da maré. Mais de dez dias após o ocorrido, a deputada federal Rosana Valle (PL) pediu ao Estado de São Paulo que seja disponibilizado um serviço de embarcações, em caráter emergencial, para atender a população que depende da travessia administrada pelo Departamento Hidroviária (DH).

De acordo nota divulgada pela deputada, o pedido foi encaminhado à Secretaria Estadual de Transportes e Logística, assim como uma solicitação para que atracadouro seja reparado.

Usuários precisam pagar R10 entre ida e volta para atravessar com embarcações alternativas — Foto: Divulgação



Os moradores que atravessavam gratuitamente de balsa agora devem pagar R$ 5 por trajeto a barqueiros que fazem o transporte alternativo. Um barco da Associação de Moradores da Prainha Branca também passou a fazer a travessia nos horários de pico, porém, sem cobrar nada.

Marinha do Brasil interdita serviço irregular

A Marinha do Brasil (MB) visitou a travessia de barcas no último dia 17, após uma denúncia que uma moradora fez ao g1 sobre o mau estado de conservação do píer e de embarcações. Após a vistoria, a Marinha interditou os serviços dos barqueiros irregulares e os responsáveis foram notificados.

A Marinha informou ao g1 que durante as ações de inspeção naval foram constatadas diversas irregularidades, como: embarcações sem condutores habilitados ou não adequadas para o transporte de passageiros, falta de equipamentos de segurança nas embarcações, píeres não licenciados e interditados por oferecerem riscos aos usuários.

Píer em mau estado de conservação oferece riscos contra a segurança dos usuários — Foto: Arquivo pessoal

“A MB [Marinha do Brasil] reitera o compromisso com a segurança da navegação e da salvaguarda da vida humana e orienta a população a buscar vias alternativas por meio rodoviário, até que o Departamento Hidroviário (DH) normalize a operação das balsas naquela região”, afirmou em nota.

A Capitania dos Portos de São Paulo incentiva a participação dos cidadãos a denunciar irregularidades por meio do e-mail: [email protected]

A Sociedade Amigos da Prainha Branca disponibiliza aos moradores duas lanchas, desde segunda-feira (20), com partidas das 6h às 9h e das 17h às 18h. Nestes horários, segundo a presidente da sociedade, Claudenice Oliveira de Almeida Flavio, há mais trabalhadores precisando realizar a travessia.

De acordo Claudenice, não será cobrada taxa para realizar a travessia. A ação é voluntária para ajudar os moradores, porém, a associação também aceita doações.

“Tem pessoa que não possui condições financeiras para levar as crianças até a escola. Diversos alunos estão há uma semana sem ir para a escola por conta do valor cobrado pela travessia de lancha, R$ 5 para ir e mais R$ 5 para voltar”, conta Claudenice.

Mesmo com o valor cobrado, a presidente afirma que os serviços dos barqueiros não podem parar. “As pessoas precisam se locomover. O certo seria DH colocar uma catraia para as pessoas atravessarem decentemente, pois, quando chove, ninguém atravessa de lancha”, diz.

Vídeo mostra flutuante da balsa entre Guarujá e Bertioga afundando

Vídeo mostra flutuante da balsa entre Guarujá e Bertioga afundando

O acidente ocorreu no dia 12 de junho, na travessia de balsas entre Guarujá e Bertioga. Um vídeo obtido pelo g1 mostra o momento exato em que o flutuante da balsa é engolido pela maré alta instantes antes dos carros passarem pelo local (veja o vídeo acima).

O equipamento se rompeu por conta da força da maré. As informações são do Departamento Hidroviário (DH) do Governo do Estado, que é responsável pelas travessias. O serviço está paralisado e não há previsão de quando será retomado.

Vídeo mostra mergulhadores trabalhando no atracadouro que desabou

Vídeo mostra mergulhadores trabalhando no atracadouro que desabou

Após o acidente, o Departamento Hidroviário (DH) utilizou mergulhadores para fazer uma análise completa das estruturas do flutuante, que tem cerca de 70 toneladas. Em um novo vídeo, obtido pelo g1, é possível ver os mergulhadores entrando no mar para observar as condições do atracadouro, que está submerso a aproximadamente três metros do nível do mar.

A vistoria feita por mergulhadores foi concluída na terça-feira (14) e entregue à equipe de engenharia do DH. Ela será anexada nas análises da equipe de engenharia do DH, que irá concluir o laudo sobre os danos estruturais.

“Esse laudo final irá apontar os possíveis danos estruturais da ponte e definir quais os trabalhos que serão necessários para reestabelecer o sistema, com segurança”, informou o DH.

Vídeo mostra mergulhadores trabalhando no atracadouro que desabou e foi parar no fundo do mar na travessia entre Guarujá e Bertioga — Foto: Reprodução

VÍDEOS: Mais assistidos do g1 nos últimos 7 dias




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Avalie

Post anterior

milton-ribeiro-dava-respaldo-a-atuacao-de-pastores-no-mec,-diz-mpf

R7

Milton Ribeiro dava respaldo à atuação de pastores no MEC, diz MPF

O Ministério Público Federal disse ver indícios de que o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro apoiava a participação indevida de pastores dentro do MEC que pediam propina a prefeitos em troca da liberação de recursos da pasta aos municípios. Em manifestação encaminhada à Justiça Federal antes da prisão de Ribeiro, na quarta-feira (22), a procuradora da República Carolina Martins Miranda de Oliveira frisou que o ex-ministro era parte de uma […]

today23 de junho de 2022 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *


0%