G1 Mundo

Deputados do Partido Republicano abrem inquérito de impeachment de Joe Biden com foco em negócios da família

today28 de setembro de 2023 8

Fundo
share close

A audiência inicial de impeachment pelo Comitê de Supervisão da Câmara dos Deputados dos EUA serviu como uma revisão das evidências que os republicanos reuniram até agora sobre empreendimentos comerciais estrangeiros do filho de Biden Hunter Biden, de 53 anos, que, segundo eles, mostram que os membros da família de Biden estavam vendendo acesso ao poder.

“O povo norte-americano exige responsabilização por esta cultura de corrupção”, disse o presidente do Comitê de Supervisão da Câmara, James Comer, acrescentando que Biden mentiu sobre os negócios de membros da família e não os isolou de suas funções oficiais.

Os deputados do Partido Democrata e várias testemunhas independentes disseram que não há provas de que Biden tenha recebido qualquer um desses pagamentos ou tenha se envolvido em comportamento impróprio enquanto atuou como vice-presidente entre 2009 e 2017. A Casa Branca nega qualquer irregularidade e rejeitou a investigação como tendo motivação política.



“Se os republicanos tivessem uma arma fumegante ou mesmo uma pistola de água pingando, eles a apresentariam hoje. Mas não têm nada”, disse Jamie Raskin, o principal democrata do colegiado.

Biden está em campanha pela reeleição no que será uma provável revanche com o republicano Donald Trump, que se prepara para quatro julgamentos criminais por uma série de acusações, desde tentativa de reverter sua derrota nas eleições de 2020 até manuseio incorreto de documentos confidenciais ao deixar o cargo.

Trump, que enfrentou processos de impeachment duas vezes durante seus quatro anos no cargo, e alguns de seus aliados republicanos radicais há meses pedem o impeachment de Biden.

Os democratas exibiram com destaque um relógio contando os minutos até a meia-noite de sábado, quando o governo dos EUA entrará em sua quarta paralisação parcial em uma década se o Congresso não aprovar legislação para financiar agências federais.

O professor da Universidade George Washington Jonathan Turley e o contador forense Bruce Dubinsky disseram que o painel tinha evidências suficientes para abrir um inquérito de impeachment, mas não tinha evidências suficientes para justificar as acusações de impeachment.

Outro professor de direito, Michael Gerhardt, da Universidade da Carolina do Norte, afirmou não ter ouvido provas críveis que justificassem a investigação e alertou o colegiado de que motivação por preocupações partidárias.

Uma quarta testemunha, a ex-funcionária do Departamento de Justiça Eileen O’Connor, disse acreditar que o departamento havia suavizado uma investigação criminal de Hunter Biden, que agora enfrenta acusações de porte de arma depois de anos lutando contra o vício em drogas e álcool.

Os republicanos alegam que Biden e sua família lucraram com as políticas que ele adotou como vice-presidente durante o governo do ex-presidente Barack Obama entre 2009 e 2017. Separadamente, eles também alegam que o Departamento de Justiça interferiu em uma investigação fiscal contra Hunter Biden.

Não está claro se os republicanos da Câmara, que têm uma maioria estreita de 221 a 212, teriam os votos no final da investigação para apoiar o impeachment. Mas mesmo que essa votação seja bem-sucedida, é altamente improvável que o Senado, onde os democratas têm uma maioria de 51 a 49, vote para remover Biden do cargo.

No centro da investigação estão as alegações de que Biden, enquanto vice-presidente, pressionou a Ucrânia a despedir um procurador de alto escalão para proteger a Burisma, uma empresa da qual Hunter Biden fazia parte do conselho de administração.

Várias autoridades norte-americanas e estrangeiras disseram que Biden estava executando uma política oficial para combater a corrupção na Ucrânia.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

em-reacao-a-colega-que-ia-trabalhar-de-bermuda,-senado-dos-eua-determina-que-terno-e-gravata-sao-obrigatorios

G1 Mundo

Em reação a colega que ia trabalhar de bermuda, Senado dos EUA determina que terno e gravata são obrigatórios

Senador da bermuda afirmou que os colegas dele deveriam gastar tempo com problemas mais importantes. John Fetterman, senador dos EUA, costuma trabalhar de bermuda — Foto: Mark Schiefelbein/AP O senador americano John Fetterman, eleito pelo estado da Pensilvânia, assumiu o cargo no começo de 2023. Ele tem feito algo que nenhum outro senador faz: vai de bermuda para o trabalho. Às vezes, para não ter problemas com o protocolo, ele […]

today28 de setembro de 2023 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%