G1 Santos

Deslizamentos frequentes na Serra do Mar são resultado de solo superficial, alta inclinação e ‘paredão’ de nuvens

today22 de fevereiro de 2023 34

Fundo
share close

Mas o maciço poderoso também tem suas fraquezas, que ficam claras nas imagens que mostram as cicatrizes deixadas pelos deslizamentos do último fim de semana – a tragédia provocada pela chuva teve 46 mortos e mais de 40 desaparecidos até esta quarta-feira.

E este é um aspecto que acompanha a Serra do Mar desde que ela se formou.

Segundo Fábio Augusto Reis, professor de geologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp), é a combinação de três fatores que provoca tantos deslizamentos:



  • A alta inclinação das encostas;
  • A pouca profundidade do solo acima das rochas;
  • O “paredão” provocado pelas rochas, que prendem as nuvens na região e provocam chuvas frequentes.

Essas aspectos, somados à multiplicação de eventos climáticos extremos, como uma chuva de 683 milímetros durante menos de 15 horas em uma região que registra média de 303 milímetros em um mês inteiro, torna a situação das encostas da Serra do Mar ainda mais complexa.

Entenda abaixo por que os deslizamentos no Litoral Norte de São Paulo são inevitáveis e podem se tornar cada vez mais intensos:

Solo com dois metros de profundidade

Por cima das rochas – que chegam a alcançar até 1.800 metros de altura em alguns pontos – há apenas uma camada muito fina de solo e vegetação, que tem a tendência natural a escorregar.

“Na Serra do Mar nós temos a floresta, formada por árvores de grande porte, também chamada de Mata Atlântica. Abaixo disso nós vamos ter da superfície até um, dois metros de profundidade em média”, explicou Fábio Augusto Reis, professor de geologia da Unesp.

O fato de o solo da Serra do Mar não ser tão profundo quanto no interior do estado, porque no litoral a rocha aflorou sobre a superfície, faz com que a água da chuva, ao se embrenhar no espaço livre na terra, não consiga descer muito, já que a rocha é impermeável.

Com isso, ela se acumula perto da superfície e, caso a chuva não pare, pode levar a uma supersaturação do solo, que acaba transformado de um estado sólido para um estado “plástico” e, depois, para o estado líquido, segundo o professor da Unesp.

Em 15h choveu mais que o dobro da média de feveiro, em São Sebastião

Em 15h choveu mais que o dobro da média de feveiro, em São Sebastião

Inclinação média de 30 graus

A terra nesse estado líquido passa então a sofrer com o efeito da gravidade, por causa do ângulo de seus morros.

“Muito está relacionado com a inclinação da encosta”, diz o professor. “A inclinação da encosta na Serra do Mar, nós estamos falando em inclinações acima de 30 graus. Acima de 17 graus, de 20 graus de inclinação a gente já começa a ter o processo de movimento gravitacional de massa, dentre eles o escorregamento.”

Outro processo que, segundo ele, é ainda mais intenso, é o chamado fluxo ou corrida de detritos.

De acordo com Reis, o material do solo, junto com árvores e até blocos rochosos, se depositam na base da encosta. Conforme a chuva vai ocorrendo, esse material pode receber mais água e virar um fluxo líquido, que vai em direção aos rios, passando por estradas, entrando nas ruas, derrubando casas até atingir uma parte mais plana, onde estão as praias, ou até atingir o mar.

“Por isso nós vimos vários locais, principalmente em Toque Toque, mesmo na Barra do Sahy, no Juquehy, os fluxos indo no meio da rua, porque são as áreas onde o fluxo vai encontrar”, diz ele, ressaltando que “esse fluxo de detritos é tão forte que pode levar blocos rochosos do tamanho de uma casa“.

‘Paredão’ que prende as nuvens

Mas o processo de liquefação do solo e, depois, do movimento gravitacional de massa, só ocorre se existe a água para iniciar toda essa transformação. “A chuva é o agente deflagrador do processo. Ou seja, ela que que induz o processo [de movimento] mais rapidamente, pela saturação do solo”, diz o professor.

O problema é que, como a Serra do Mar é composta de uma cadeira de rochas altas, ela acaba formando um “paredão” que impede a dissipação das nuvens.

Carregadas de água, elas acabam concentrando as chuvas justamente sobre as cidades litorâneas e os morros inclinados e com solo superficial. E o desmatamento para a ocupação irregular do solo torna tudo isso ainda mais perigoso.

O caso histórico de Cubatão

Na década de 80, a chuva ácida, provocada pela poluição do polo petroquímico de Cubatão, começou a devastar a Mata Atlântica que cobre as encostas, o que deixou marcas por toda a extensão do maciço.

A situação era tão dramática que o governo do estado começou a bombardear a Serra do Mar com sementes de árvores.

Além de iniciativas como essa e, principalmente, o controle da poluição no polo, ajudaram a recuperar a vegetação.

Eventos extremos são desafio atual

Mas a crise climática, que aquece o planeta e a temperatura da água do mar, traz novos desafios.

O climatologista Carlos Nobre explica que eventos climáticos extremos, como o deste fim de semana, serão registrados praticamente todos os anos.

“Teve um momento ali em São Sebastião que houve 120 milímetros em uma hora. Isso é um recorde de chuvas de uma hora. Então, tudo isso nós devemos nos preparar, porque não tem volta. As mudanças climáticas continuam, e elas vão só se acelerar”, disse Nobre.

Ele cita dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que estima que 2 milhões de brasileiros vivam em mais de 40 mil áreas consideradas de altíssimo risco, por estarem perto de rios, riachos ou em encostas muito íngremes, e mais suscetíveis a desastres naturais.

“Temos que ter soluções que busquem, por exemplo, no curtíssimo prazo, instalar sirenes em todas essas áreas”, explicou ele. “E, para soluções definitivas, nós temos que remover milhões de brasileiros que vivem nessas áreas de altíssimo risco. Tem que criar a possibilidade de moradias seguras para milhões e milhões de brasileiros.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

autonoma-supera-trauma-de-dirigir-e-cria-empresa-para-ajudar-mulheres-a-perderem-o-medo

G1 Santos

Autônoma supera trauma de dirigir e cria empresa para ajudar mulheres a perderem o medo

Uma moradora de Praia Grande, no litoral de São Paulo, criou uma empresa para ajudar mulheres a perderem o medo de dirigir. A ideia surgiu após Pamella Costa, de 40 anos, ter uma crise de pânico ao ter o carro roubado enquanto saía da garagem de casa. Segundo a autônoma, em dois anos, mais de 670 mulheres já passaram pelo treinamento na Baixada Santista. Ao g1, Pamella contou que, na […]

today22 de fevereiro de 2023 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%