G1 Mundo

Dezenas de elefantes morrem de sede no Zimbábue devido à seca

today9 de dezembro de 2023 6

Fundo
share close

Dezenas de elefantes morreram de sede no Parque Nacional de Hwange, no Zimbábue, devido à seca causada pelas mudanças climáticas e pelo fenômeno El Niño, disseram autoridades locais na sexta-feira (8).

Hwange, que fica na região oeste do Zimbábue, não é atravessado por nenhum grande rio, então os animais dependem de poços de água para se hidratarem. Em 2023, no entanto, a região está ainda mais quente e seca por conta do fenômeno climático sazonal conhecido como El Niño.

“Dependemos de água artificial porque a nossa água superficial diminuiu. Como os elefantes dependem da água, estamos registando mais mortes”, disse Daphine Madhlamoto, ecologista das Autoridades de Parques e Vida Selvagem do Zimbábue (Zimparks).



O repórter da Reuters que visitou o local disse que viu dezenas de carcaças de elefantes perto de alguns dos bebedouros espalhados pelo parque. De acordo com Madhlamoto, Hwange tem 104 pontos em que os animais podem se hidratar, mas não há água o suficiente para matar a sede dos mais de 45 mil elefantes da região — um animal adulto precisa de 200 litros de água por dia.

“O parque tem testemunhado o impacto das mudanças climáticas. Temos tido menos chuvas”, disse Madhlamoto.

A estação chuvosa no Zimbabué vai de novembro a março, mas até agora quase não choveu este ano. A seca deve continuar até 2024, segundo os Serviços Meteorológicos do país.

O Zimbábue tem uma população de quase 100 mil elefantes, mas capacidade para lidar com apenas pouco mais de metade deles. Por isso, os parques nacionais estão sobrecarregados, explicou a Zimparks.

Diversas manadas foram forçadas a caminhar até o país vizinho, Botsuana, em busca de água e comida. A Zimparks disse que grupos conservacionistas estão tentando fornecer água extra desassoreando poços e bombeando mais água através de poços solares para ajudar a lidar com a crise.

A carcaça de um elefante morto jaz perto de um bebedouro no Parque Nacional de Hwange, Zimbábue, 7 de dezembro de 2023. — Foto: REUTERS/Nyasha Chingono




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

essequibo:-o-que-ha-no-territorio-da-guiana-que-a-venezuela-quer-anexar,-e-como-comecou-a-disputa

G1 Mundo

Essequibo: o que há no território da Guiana que a Venezuela quer anexar, e como começou a disputa

Em 2015, foram encontradas grandes reservas de petróleo na região. Estima-se que na Guiana haja o equivalente a 11 bilhões de barris, parte significativa deles "offshore", ou seja, no mar, perto de Essequibo. Em consequência do boom do petróleo, a Guiana é o país sul-americano cuja economia mais cresce nos últimos anos. Venezuela x Guiana: Entenda em 5 pontos disputa por Essequibo No entanto, a região passou a ser cobiçada […]

today9 de dezembro de 2023 17

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%