G1 Mundo

Eleições na Eslováquia podem fazer Ucrânia perder aliado fiel

today30 de setembro de 2023 6

Fundo
share close

“Somos um país pacífico. Não enviaremos uma munição sequer para a Ucrânia”. Essa foi a mensagem de Robert Fico para apoiadores em um comício neste mês, em Banovce nad Bebravou, no oeste da Eslováquia. O ex-primeiro-ministro populista é um dos favoritos na disputa para as eleições do país, que acontece neste sábado (30).

Caso ele cumpra sua promessa, isso representará uma mudança radical para a Eslováquia. O país, até agora, era um forte aliado de sua vizinha do leste, a Ucrânia, na guerra contra a Rússia.

A Eslováquia forneceu armas e ofereceu forte apoio político a Kiev dentro da União Europeia e da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).



“Eles terão que se sentar de qualquer maneira e chegar a um acordo”, disse Fico sobre os países combatentes. “A Rússia nunca deixará a Crimeia, nunca deixará os territórios que controla.”

A vitória de Fico não é garantida. Nenhum partido é cotado para conseguir a maioria no Parlamento, e a formação de um governo de coalizão pode ser difícil.

Diplomatas ocidentais e autoridades em Kiev também dizem que um país pequeno como a Eslováquia só pode ir até certo ponto para alterar a política da União Europeia e da Otan.

Mas Fico, de 59 anos, chamou a atenção de Bruxelas e de outros países ao criticar as sanções contra a Rússia. Ele também pediu uma reaproximação com Moscou quando a guerra terminar.

Na campanha, Fico afirmou que a guerra “começou em 2014, quando nazistas e fascistas ucranianos começaram a assassinar cidadãos russos em Donbas e Luhansk”, ecoando a justificativa de Moscou para apoiar os separatistas que tomaram terras no leste da Ucrânia.

As pesquisas de intenção de voto apontam um empate técnico com a chapa liberal pró-Ocidente. A disputa acontece em um cenário onde os eleitores estão cansados da dor econômica causada pelas restrições da pandemia, da alta inflação ligada à guerra na Ucrânia e do aumento de imigrantes ilegais.

“Não devemos apoiá-los [a Ucrânia] com armas, porque o mal só gera mais mal”, disse a aposentada Eleonora Tanacova, 68 anos, ao ouvir o discurso de Fico. “Esta guerra nunca terá fim se continuarmos a apoiá-los.”

Um diplomata acredita que Fico hesitará em cortar o fornecimento de armas para a Ucrânia além dos estoques já esgotados do Exército, dada a importância econômica dos fabricantes de munição e de uma base de reparos.

E Bruxelas tem influência. Em questões de Estado de Direito, ela pode reter o apoio financeiro da União Europeia para a Eslováquia, que precisa muito dele com o déficit fiscal previsto em 6,85% do PIB este ano, o mais alto da zona do euro.

VÍDEOS: mais assistidos do g1




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

entrevistas-e-livro-de-memoria-transformam-testemunha-em-suspeito-da-morte-de-tupac;-entenda

G1 Mundo

Entrevistas e livro de memória transformam testemunha em suspeito da morte de Tupac; entenda

Duane Davis, nome de guerra "Keffe D", de 60 anos, foi preso e acusado pelo assassinato de Tupac Shakur. Segundo o promotor, ele obteve a arma que matou o rapper, uma pistola glock. Keffe foi indiciado por assassinato com arma mortal - pois mesmo que não tenha sido ele quem disparou, ele estava no carro comandando a ação. O surpreendente é que o caso voltou a ser investigado porque Duane […]

today30 de setembro de 2023 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%