G1 Mundo

Entenda o conflito que eclodiu no Sudão

today16 de abril de 2023 15

Fundo
share close

Os confrontos entre paramilitares e forças do governo já deixaram ao menos 56 mortos e cerca de 600 feridos, afirmou o Sindicato dos Médicos Sudaneses.

As Forças Armadas do Sudão, sob o comando do general Abdel Fatah al Burhan, e unidades paramilitares das Forças de Apoio Rápido (FAR), chefiadas pelo vice-presidente do Conselho Soberano, Mohamed Hamdan Dagalo, conhecido como Hemedti, trocaram acusações de provocar o conflito.

Confira a seguir os principais pontos para entender o conflito.



Moradores de Cartum carregam seus pertences em meio aos confrontos de grupos rivais no Sudão — Foto: AFP

Quem é Abdel Fatah al Burhan?

O general Abdel Fatah al Burhan é de fato o líder do país africano. Ele se tornou um nome conhecido em 2019, depois que o exército derrubou o autocrata de longa data Omar al-Bashir, após meses de protestos em massa.

Antigo aliado de Bashir e comandante militar que liderou campanhas criminosas no conflito de Darfur (2003-2008), Burhan mudou de lado com a queda do autocrata em 2019. Ele presidiu o Conselho Militar de Transição, órgão criado para supervisionar a transição do Sudão para o regime democrático, e se tornou presidente interino do país.

No entanto, com o prazo para entregar o poder a governantes civis se aproximando, em outubro de 2021, Burhan deu um golpe, derrubando o primeiro-ministro civil Abdalla Hamdok e acabando com a transição democrática.

Desde então, Burhan reforçou seu controle sobre o país, apesar de constantes protestos e de um acordo de dezembro de 2022 para abrir caminho para um governo de transição civil.

Tiros são ouvidos enquanto âncora fala ao vivo em TV do Sudão

Tiros são ouvidos enquanto âncora fala ao vivo em TV do Sudão

Quem é Mohamed Hamdan Dagalo, conhecido como Hemedti?

Hemedti desfruta de forte posição desde que Bashir assumiu o poder. Vindo de uma família de pastores de camelos distante da capital, ele subiu na hierarquia para se tornar líder da notória milícia Yanyawid, que deu origem as FAR e são acusadas de cometer crimes contra a humanidade durante o conflito de Darfur.

O conflito em Darfur eclodiu quando rebeldes de minorias étnicas locais lançaram uma insurgência em 2003, alegando opressão do governo de Cartum, dominado por árabes. Estima-se que até 300 mil pessoas tenham sido mortas e 2,7 milhões expulsas de suas casas em Darfur ao longo dos anos, segundo a ONU.

Homem caminha no meio de uma rua em Cartum, no Sudão, no sábado, primeiro dia do confronto mais recente — Foto: Marwan Al/AP

A milícia Yanyawid lutou ao lado das forças de Bashir contra os rebeldes no conflito. Embora não tivesse treinamento militar formal, Hemedti conseguiu conquistar uma posição na máquina de segurança de Bashir. Em 2013, ele assumiu a liderança do grupo paramilitar recém-formado FAR, que surgiu da Yanyawid.

Com frequência, Bashir contava com o grupo paramilitar para reprimir os protestos e o descontentamento que levaram à sua queda. À medida que as FAR cresciam e se fortaleciam, crescia a preocupação de que o grupo estivesse se tornando mais poderoso do que as forças de segurança oficiais do Sudão.

Em 2017, o país aprovou uma lei que reconheceu as FAR como uma força de segurança independente.

Como Burhan, Hemedti passou para o lado vencedor após a queda de Bashir. Relatos sobre ele especulando o papel de presidente se espalharam depois dele ter se tornado o vice-líder do Conselho Militar de Transição.

Em junho de 2019, uma repressão mortal num acampamento de protestos em Cartum deixou mais de 100 mortos. A ação foi atribuída as FAR. Apesar disso, a posição de Hemedti só se fortaleceu.

Seus anos à frente das FAR também o levaram a acumular aliados na Rússia e no Golfo, onde o grupo paramilitar foi enviado para lutar ao lado da coalizão liderada pela Arábia Saudita no Iêmen.

Burhan contou com as FAR para reprimir os protestos após o golpe de 2021. O líder paramilitar, porém, desapareceu dos holofotes na época, deixando Burhan ser o rosto do golpe. Ele foi então nomeado chefe adjunto do Conselho Soberano do governo, sendo efetivamente o número dois de Burhan.

Como eclodiu o atual conflito?

Em fevereiro, num discurso que chamou o golpe de “erro”, Hemedti descreveu a ação como a “porta de entrada para o antigo regime”.

O discurso televisionado ocorreu em meio às crescentes tensões sobre a reestruturação militar, que descarrilhou o retorno ao regime civil.

Em dezembro de 2022, o chefe do Exército do Sudão, general Abdel-Fattah Burhan, ao centro, e outros assinaram acordo para encerrar a crise causada pelo golpe militar de 2021 — Foto: AP Photo/Marwan

Uma semana antes do discurso, Burhan disse que não toleraria as FAR operando de forma independente, enfatizando a importância da fusão do grupo paramilitar com o exército. Em resposta, Hemedti disse que “representantes do antigo regime” queriam “provocar uma cisão” entre as FAR e as forças armadas.

A assinatura de um acordo para nomear um governo civil estava marcada para o início deste mês, no entanto, foi indefinidamente adiada no último minuto.

Adiamento da transição democrática

Em outubro do ano passado, manifestantes sudaneses participaram de um ato para exigir o retorno ao governo civil quase um ano após um golpe militar liderado pelo general Abdel Fattah al-Burhan, em Cartum — Foto: AP Photo/Marwan Ali, File

Na quinta-feira, o Exército sudanês havia alertado que o país atravessava uma “conjuntura perigosa” que pode levar a um conflito armado depois que unidades das FAR, o grupo paramilitar mais poderoso do Sudão, “se mobilizaram” na capital Cartum e em outras cidades. As FAR deslocaram tropas para perto de cidade de Merowe, a 330 quilômetros do norte de Cartum.

Depois que os confrontos eclodiram no sábado, Hemedti e Burhan trocaram acusações de tentativas de golpe.

Apesar da violência em curso, a diretora da think tank Confluence Advisory, com sede no Sudão, Kholood Khair, afirmou que o desejo de um regime democrático ainda é alto no país.

Ainda há muito apoio à transição democrática. Temos que lembrar que essa luta pelo poder entre generais não é de forma alguma indicativo da política ampla que está ocorrendo no Sudão.

— Kholood Khair à DW.

Forças Armadas e paramilitares brigam pelo poder no Sudão

Forças Armadas e paramilitares brigam pelo poder no Sudão




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

ataque-em-burkina-faso-deixa-40-mortos-e-33-feridos

G1 Mundo

Ataque em Burkina Faso deixa 40 mortos e 33 feridos

Ataque ocorre apenas nove dias após homens armados mataram 44 pessoas em outras aldeias do país Soldados armados em Burkina Faso em registro de 2022 — Foto: Sophie Garcia/AP Agressores não identificados mataram 40 pessoas e feriram outras 33 em um ataque ao exército e às forças de defesa voluntárias no norte de Burkina Faso, informou o governo em comunicado neste domingo (16). O ataque ocorreu no sábado (15) na […]

today16 de abril de 2023 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%