G1 Mundo

Equador marca referendos sobre produção de petróleo em reserva amazônica e mineração perto de Quito

today31 de julho de 2023 5

share close

Os equatorianos decidirão em dois referendos, em agosto, se projetos de petróleo e mineração nas principais regiões do país podem continuar, colocando na balança as preocupações indígenas e ambientais e, de outro, bilhões em renda potencial perdida.

Cerca de 12% da produção de petróleo bruto, de 480 mil barris por dia (bpd), estão dentro da reserva natural Yasuní, na Amazônia.

Um referendo local em Quito pode barrar a mineração na floresta Choco Andino, inviabilizando seis concessões de ouro.



Ativistas ambientais e comunidades próximas aos locais defendem as proibições por considerá-las necessárias para a preservação da natureza, o combate à mudança climática e, no caso de Yasuní, proteção de alguns indígenas Waorani, que estão voluntariamente isolados.

Associações de empresas de petróleo e mineração, no entanto, afirmam que suas indústrias sustentam a economia do Equador e que as proibições irão expor as áreas ao garimpo ilegal e ao desmatamento.

O presidente Guillermo Lasso, que convocou nova eleições após o Legislativo tentar derrubá-lo, não conseguiu aumentar a produção de petróleo ou atrair mais investimentos em mineração à medida que a violência e os problemas sociais pioraram.

Um voto “sim” nos referendos pode complicar as finanças de seu sucessor.

“Queremos manter nosso território seguro e saudável. Eles dizem que quando pegam petróleo trazem saúde, educação, mas não vemos nada, não há desenvolvimento”, disse Ene Nenquimo, líder nacional Waorani, à Reuters durante uma visita a comunidades Yasuní. “O governo, de sua mesa, só vê árvores… Mas nós moramos aqui.”

Um único hectare do Yasuní tem 650 espécies de árvores, mais do que toda a América do Norte, além de centenas de espécies de pássaros, mamíferos, répteis e peixes, segundo o Ministério do Meio Ambiente do país.

Os eleitores parecem inclinados a votar “sim” em ambos os referendos, disse Santiago Pérez, chefe do instituto de pesquisas Clima Social, que realizou levantamentos para seus clientes.

“Acho que conforme a população for se informando e conhecendo mais sobre Yasuní e o Choco Andino, isso vai favorecer as opções ‘sim'”, disse.

A petrolífera estatal Petroecuador diz que um “sim” ao referendo de Yasuní custaria ao país 13,8 bilhões de dólares em receita nas próximas duas décadas.

As plataformas no ITT têm até 39 poços cada para minimizar o espaço que ocupam, disse a jornalistas o chefe da Petroecuador, Ramón Correa, em meados de julho.

“O parque tem as melhores práticas de proteção”, disse Correa.

Dois outros blocos da Petroecuador na área não seriam afetados pela votação.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

G1 Mundo

Vídeo: pequeno avião cai e vira no mar nos EUA

Incidente aconteceu perto de uma praia do estado de New Hampshire. Piloto sobreviveu e não precisou ser levado a um hospital. Pequeno avião cai e vira no mar nos EUA Um pequeno avião caiu no mar e virou de cabeça para baixo na frente de banhistas que estavam no litoral do estado de New Hampshire, nos Estados Unidos, no sábado (29). As imagens foram gravadas pelos turistas. O avião é um Piper PA-18 que estava a menos de 30 quilômetros […]

today31 de julho de 2023 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%