G1 Mundo

Equipe de Navalny diz que governo russo está escondendo corpo do opositor de Putin

today17 de fevereiro de 2024 10

Fundo
share close

Seu assessor Kira Yarmysch, disse que a mãe do ativista, Lyudmila, foi informada que o corpo só seria liberado após uma autópsia.

Aliados acusam o governo russo de esconder o corpo de Navalny para “esconder traços” de um assassinato e exigem a liberação imediata do corpo.

A equipe de Navalny acredita que o ativista anti-corrupção foi assassinado por ordem do presidente Vladimir Putin. Cerca de 300 pessoas foram presas na Rússia por prestar homenagem ao ativista, segundo um grupo de direitos humanos.



Governos de alguns países não alinhados à Rússia disseram que a culpa pela morte súbita do homem de 47 anos é do governo russo. Ministros de Relações Internacionais do grupo de países ricos do G7 apelaram à Rússia para “esclarecer urgentemente” as circunstâncias da morte.

Putin não fez comentários públicos desde que o serviço penitenciário russo anunciou na sexta-feira que Navalny adoeceu e morreu na remota prisão IK-3, no Círculo Polar Ártico.

Imediatamente depois, o Kremlin disse que estava ciente e que o presidente havia sido informado.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que rejeitou avaliações “tendenciosos e irrealistas” sobre a causa da morte feitas durante uma reunião com autoridades britânicas no sábado.

Segundo relatos russos, Alexei Navalny fez uma curta caminhada na prisão onde cumpria pena, na Sibéria, disse que se sentiu mal, desmaiou e nunca mais recuperou a consciência.

No sábado, a família de Navalny confirmou que o ativista político faleceu às 14h17 no horário local (06h17 no horário de Brasília) na sexta-feira, 16 de fevereiro. A causa da morte ainda não foi confirmada.

Navalny tinha 47 anos. Sua condição de saúde piorou durante seus três anos na prisão, onde reclamou de negação de tratamento médico e passou quase 300 dias em confinamento em cela solitária.

No momento de sua prisão em janeiro de 2021, ele havia passado meses se recuperando de um ataque com Novichok, uma perigosa arma química que afeta o sistema nervoso.

Mesmo assim, ele parecia estar em espírito e saúde relativamente bons em um vídeo no tribunal um dia antes de sua morte.

O peso da opinião internacional não parece coincidir com a versão russa do que aconteceu com ele na IK-3, ou “Lobo Polar” – uma das prisões mais ao norte e mais difíceis da Rússia.

O Ministro das Relações Exteriores francês, Stéphane Séjourné, afirmou que Navalny “pagou com sua vida” por sua “resistência à opressão russa”, acrescentando que sua morte é um lembrete da “realidade do regime de Vladimir Putin“.

O presidente americano Joe Biden disse que “Putin é o responsável pela morte de Navalny.”

A mãe de Navalny, Lyudmila, disse que seu filho estava “vivo, saudável e feliz” quando o viu pela última vez em 12 de fevereiro, em um post no Facebook citado pelo jornal Novaya Gazeta.

Sua esposa, Yulia, disse simplesmente: “Não podemos realmente acreditar em Putin e em seu governo”.

O que os relatos russos dizem sobre sua morte

A agência de notícias Interfax da Rússia relata que os médicos passaram meia hora tentando reanimá-lo.

De acordo com as autoridades penitenciárias, os médicos estavam com ele em dois minutos e uma ambulância estava disponível em seis.

A rede estatal RT – proibida em muitos países ocidentais – levantou a possibilidade de que um coágulo sanguíneo o tenha matado. Dmitry Peskov, porta-voz de Putin, disse que “os médicos devem de alguma forma descobrir isso”.

Segundo um comunicado divulgado no sábado pelo porta-voz de Navalny, seu corpo está com os investigadores oficiais.

Sua família exigiu que o corpo seja liberado para eles.

VÍDEO: Quem foi Alexei Navalny, principal opositor de Putin que morreu na prisão

Quem foi Alexei Navalny, principal opositor de Putin que morreu na prisão

Quem foi Alexei Navalny, principal opositor de Putin que morreu na prisão

Houve tentativas de assassinato contra Navalny antes, e ele estava ciente de que haviam pessoas que queriam vê-lo morto.

Em dezembro de 2020, Navalny acusou agentes do serviço de segurança da Rússia, o FSB, de envenená-lo.

Ele ficou gravemente doente e desmaiou em um avião que saía de Tomsk, na Sibéria, forçando o avião a fazer um pouso de emergência em Omsk enquanto a tripulação buscava ajuda médica.

Laboratórios europeus confirmariam mais tarde que o Novichok, o agente nervoso fabricado na Rússia e também usado para envenenar Sergei e Yulia Skripal em Salisbury, Reino Unido, foi encontrado em seu corpo.

Em uma extraordinária ligação telefônica, que Navalny gravou, ele fez um agente do FSB admitir que a arma química foi administrada na roupa íntima de Navalny em um hotel em Tomsk.

O agente, Konstantin Kudryavtsev, afirmou que, se o avião não tivesse feito um pouso de emergência, Navalny teria morrido.

Após tratamento na Alemanha, Navalny voltou à Rússia em janeiro de 2021 e foi preso imediatamente.

— Foto: GETTY IMAGES via BBC

A saúde de Navalny piorou na prisão

Nos meses que se seguiram à prisão de Navalny sob acusações de “extremismo” e “corrupção”, diversos alertas de seus aliados e advogados foram emitidos indicando que sua condição estava piorando, que ele estava gravemente doente ou que seu paradeiro era desconhecido.

Ele reclamava de dores intensas nas costas, febres e dormência nas pernas. Falava de privação de sono devido a “verificações” horárias por guardas que brilhavam lanternas em seus olhos, e ainda não se recuperara dos graves efeitos do ataque com agente nervoso.

Mortes de opositores de Putin

História de ativismo de Navalny o destacava como uma ameaça principal ao poder de Putin.

Por mais de uma década, ele expôs a corrupção dentro do regime, e suas investigações em vídeo receberam centenas de milhões de visualizações online.

Em 2021, sua equipe de campanha produziu um vídeo viral para expor a construção de um palácio de US$ 1 bilhão para Putin no Mar Negro, financiado pela “maior propina da história”.

Navalny afirmou que era evidência do regime “feudal” de Vladimir Putin, baseado em favoritismo e roubo do povo russo. O vídeo foi visto quase 130 milhões de vezes em três anos.

Navalny já estava sob custódia quando o vídeo foi lançado. E agora ele está morto.

Ele se torna o nome mais recente em uma longa lista de pessoas que sofreram o “síndrome de morte russa súbita”, como alguns comentaristas o descreveram.

Isso inclui não apenas críticos declarados de Putin, mas aliados que se tornaram ameaças, como o líder mercenário Yevgeny Prigozhin, e aqueles que simplesmente insultaram o Kremlin.

Isso inclui Pavel Antov, 65 anos, um “magnata da salsicha” e membro do partido Rússia Unida de Putin, que caiu de uma janela de hotel na Índia em 2022, pouco depois de negar ser a fonte de uma mensagem no WhatsApp crítica à guerra na Ucrânia.

Um amigo na mesma viagem, Vladimir Budanov, também morreu em seu hotel.

Meses antes, em setembro, o chefe da gigante do petróleo da Rússia, Lukoil, Ravil Maganov, aparentemente caiu de uma janela de hospital em Moscou. Ele também havia criticado a guerra na Ucrânia. Apenas três anos antes, ele havia recebido um prêmio de realização de toda a vida do presidente russo.

Boris Nemtsov, um carismático líder da oposição que foi vice-primeiro-ministro nos anos 1990, foi baleado quatro vezes nas costas à vista do Kremlin em 2015.

Anna Politkovskaya, uma jornalista que escreveu livros sobre o estado policial da Rússia sob Vladimir Putin, foi assassinada em 2006 por assassinos contratados. Segundo um juiz em seu julgamento, eles foram pagos por “uma pessoa desconhecida”.

Um dos assassinos dela mais tarde lutou na Ucrânia e agora está perdoado.

Alexander Litvinenko, ex-agente da KGB e crítico de Putin, morreu em Londres em 2006, três semanas após beber uma xícara de chá contendo o elemento radioativo mortal polônio-210.

Uma investigação britânica concluiu que Litvinenko foi envenenado por agentes do FSB Andrei Lugovoi e Dmitry Kovtun, que agiram sob ordens que “provavelmente” foram aprovadas por Putin.

O Kremlin não comenta essas mortes ou nega qualquer envolvimento.

Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional dos EUA, na sexta-feira, descreveu a morte de Navalny como uma “terrível tragédia” e o mais recente exemplo da “longa e sórdida história do governo russo de prejudicar seus opositores”.

“Isso levanta questões reais e óbvias sobre o que aconteceu aqui.”

Sua morte, seja qual for a causa, ocorreu enquanto Navalny era um detento sob os cuidados do estado.

E ela priva aqueles que se opõem ao governo de Vladimir Putin de uma alternativa reconhecida internacionalmente, e se destaca como talvez o maior aviso para aqueles que buscam desafiar o Kremlin.

VÍDEO: Manifestantes são presos na Rússia após morte de Navalny

Manifestantes são presos na Rússia após morte de Navalny

Manifestantes são presos na Rússia após morte de Navalny




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

a-onda-de-prisoes-de-ativistas-e-criticos-do-governo-maduro-que-eleva-tensao-politica-na-venezuela

G1 Mundo

A onda de prisões de ativistas e críticos do governo Maduro que eleva tensão política na Venezuela

Esta pergunta se espalhou nas redes sociais nos últimos dias e refere-se ao paradeiro da venezuelana Rocío San Miguel, ativista de direitos humanos e conhecida opositora do governo de Nicolás Maduro. Ela foi presa em 9 de fevereiro, mas só dois dias depois é que o procurador-geral do Estado, Tarek William Saab, confirmou a sua detenção. O procurador apresentou a acusação de que a advogada teria participado de uma suposta […]

today17 de fevereiro de 2024 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%