G1 Mundo

Escândalo de corrupção no exército da Ucrânia promove onda de demissões

today18 de agosto de 2023 9

Fundo
share close

A onda de demissões foi impulsionada pelas inúmeras suspeitas de corrupção dentro dos quadros militares. Pouco antes, todos os escritórios de recrutamento militar em diferentes regiões do país haviam sido auditados.

De acordo com o Departamento de Investigações da Ucrânia, foram abertos 112 processos criminais contra representantes destes escritórios, 33 casos foram declarados suspeitos e ações judiciais estão sendo movidas contra 15 pessoas.

“Este sistema precisa ser administrado por pessoas que saibam exatamente o que é a guerra e por que o cinismo e o suborno durante a guerra constituem traição”, disse Zelensky após uma reunião do Conselho de Segurança e Defesa Nacional, onde a decisão foi tomada. O presidente anunciou que ex-combatentes irão ser os novos responsáveis pelo recrutamento.



Casos de suborno e atestados falsificados

Essa não é a primeira tentativa do presidente ucraniano de controlar a corrupção no país. Mas nas últimas semanas, os escândalos se acumularam em torno de vários chefes de escritórios de recrutamento.

O ex-comissário militar de Odessa, Yevhen Borisov, por exemplo, foi acusado de ter aceitado suborno e, assim, embolsado milhões de euros desde o início da guerra. Segundo a imprensa local, após a invasão russa, Borisov comprou imóveis de luxo na Espanha e carros de luxo para parentes. Após o caso vir à tona, ele foi demitido e preso.

A auditoria nos escritórios de recrutamento também revelou que o comissário militar na Transcarpátia, oeste da Ucrânia, recrutou soldados para uma obra em sua propriedade. Já em Rivne, no noroeste do país, houve até mesmo casos de abuso.

O chefe de um escritório na região de Donetsk, no leste da Ucrânia, também foi preso. Segundo a investigação, ele enviou subordinados próximos a ele para uma brigada ucraniana. Apesar de nunca terem participado de combates, os enviados foram remunerados como tal. As quase 100 buscas em escritórios de recrutamento em Kiev e em 10 outras regiões também revelaram a evidência de venda de supostos atestados médicos para a dispensa do serviço militar.

Oposição pede mais transparência

Enquanto isso, a oposição no parlamento ucraniano pediu ao presidente que torne públicos os critérios usados ​​para demitir os todos comissários militares, e não apenas aqueles flagrados em violações. “Se todos aceitaram subornos e se envolveram em atividades ilegais, eles não devem apenas ser demitidos, e sim presos”, escreveu disse Irina Herashchenko, da bancada Solidariedade Europeia.

Zelensky prometeu prisões, mas não em todos os casos. “As autoridades que confundem distintivos militares com favoritismo certamente serão levadas ao tribunal”, disse o presidente. Ele destacou ainda que os oficiais demitidos contra os quais não houver indícios de crime ou violação deverão ir para o front, caso queiram manter a patente e provar sua dignidade.

Apelo público por demissões

Para o cientista político Volodimir Fesenko, do centro ucraniano de pesquisa política aplicada Penta, a substituição completa dos comissários militares é uma resposta ao apelo público. O especialista acredita que o presidente aposta agora em pessoas com experiência em combate que deverão se tornar “guardas morais contra a corrupção no sistema”.

Fesenko ressalta, no entanto, que a mudança que não se trata de uma reforma e que o aparato estatal não oferece proteção total contra a corrupção.

“Mesmo para os que entrarão agora, as tentações serão grandes. Trata-se de cargos lucrativos, pois muitos tentam comprar sua dispensa para não ir para a guerra.”

Hlib Kanevski, do centro anticorrupção StateWatch, considera a substituição dos comissários militares necessária, mas não precisaria ter ocorrido todas ao mesmo tempo. Essa mudança, segundo ele, pode atrasar o sistema de recrutamento por pelo menos três meses.

“Substituir todas as lideranças antigas por novas traz benefícios de curto prazo, pois o presidente atende ao anseio por justiça”, pontua. “Mas se o sistema perde muitas lideranças ao mesmo tempo, isso tem um impacto negativo nos trabalhos”, avalia o especialista. Segundo Kanevski, simplesmente substituir as pessoas não é suficiente, pois os novos acabariam caindo no mesmo ambiente corrupto.

Lyubov Halan, do centro de direitos humanos Prinzip, que oferece assistência jurídica a soldados, acredita que a corrupção — mesmo entre as novas lideranças — só pode ser combatida com transparência.

“As investigações não devem ser limitar a casos individuais. O sistema precisa ser reformado, pois isso afeta muito a percepção da sociedade sobre a mobilização e os ânimos daqueles que estão lutando. Enquanto uns compram sua dispensa com meros trocados, outros estão em trincheiras, e isso é escandaloso, injusto e mina a confiança no Estado”, disse Halan.

Para combater o problema, a especialista sugere uma gestão eletrônica eficiente de documentos no sistema de recrutamento, permitindo assim a troca de dados.

A Agência Nacional de Prevenção da Corrupção da Ucrânia elaborou um plano visando especificamente o cruzamento das fronteiras do país por cidadãos ucranianos. “O abuso mais comum nas repartições de recrutamento é o atestado de incapacidade para o serviço militar. As certidões emitidas permitem a saída do país”, conta Oleksandr Novikov, chefe do órgão.

Conforme seu plano, deverão ser alteradas as regras de cruzamento de fronteira e emissão dos respectivos documentos. As bases de dados do serviço fronteiriço e as dos serviços de recrutamento devem estar interligadas. Segundo Novikov, isso garantiria mais transparência em todo o processo.

O presidente ucraniano já havia anunciado que intensificaria as ações contra a corrupção no país. Uma das razões é promover o avanço das negociações sobre uma possível adesão à União Europeia e à Otan, já que tais reformas são uma condição da UE para a adesão ao bloco.

Em entrevista, Zelensky fala da crise de grãos entre Ucrânia e Rússia

Em entrevista, Zelensky fala da crise de grãos entre Ucrânia e Rússia




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

instituto-federal-de-sao-paulo-oferece-400-vagas-para-cursos-tecnicos-gratuitos-na-baixada-santista-e-no-vale-do-ribeira

G1 Santos

Instituto Federal de São Paulo oferece 400 vagas para cursos técnicos gratuitos na Baixada Santista e no Vale do Ribeira

Vagas estão sendo disponibilizadas para os campus de Cubatão e Registro. As inscrições para o processo seletivo devem ser feitas até o dia 3 de setembro. Instituto Federal de São Paulo oferece 400 vagas para cursos técnicos gratuitos na Baixada Santista e no Vale do Ribeira — Foto: Divulgação O Instituto Federal de São Paulo (IFSP) abriu 400 vagas para cursos técnicos gratuitos em Cubatão, na Baixada Santista, e em […]

today18 de agosto de 2023 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%