G1 Mundo

Eslovênia prende casal supostos espiões russos que se passavam por sul-americanos

today30 de janeiro de 2023 9

Fundo
share close

De acordo com a acusação, os dois tinham uma agência imobiliária e uma loja de antiguidades como fachada para mascarar seus objetivos reais no país.

A Eslovênia é um dos membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

De acordo com informações da imprensa eslovena, os suspeitos formam um casal e têm um filho que estuda no país. Um deles teria cidadania argentina, e já foi ativo em outros países. Não há informação sobre a outra pessoa suspeita.



Há outros casos de espiões russos que constroem identidades falsas como sul-americanos; no ano passado, um russo que fingia ser brasileiro foi preso na Holanda. Veja abaixo uma reportagem sobre ele.

Passaporte falso e aulas de forró: como era a rotina do espião russo preso com passaporte brasileiro na Europa

Passaporte falso e aulas de forró: como era a rotina do espião russo preso com passaporte brasileiro na Europa

A prisão, na verdade, aconteceu em dezembro, mas só agora houve divulgação.

O Ministério Público, no entanto, não confirma se a acusação cita qual é país para o qual os espiões trabalham.

Drago Menegalija, um porta-voz da polícia, afirmou que os dois são suspeitos de serem membros de um serviço de inteligência estrangeiro e que eles residiram e fizeram negócios na Eslovênia com documentos pessoais estrangeiros obtidos ilegalmente e uma identidade falsa e realizaram atividades secretas de inteligência em benefício de um serviço de inteligência estrangeiro.

A prisão dos dois “evitou consequências prejudiciais para a segurança nacional do país, interesses políticos, econômicos e de segurança, bem como a segurança internacional”, disse Menegalija.

Andrej Benedejcic, um ex-embaixador que agora lida com questões de segurança nacional no governo da Eslovênia, disse que se os procedimentos oficiais confirmarem as verdadeiras intenções dos suspeitos, a prisão será o maior sucesso para a agência de inteligência do país.

Se forem considerados culpados, os suspeitos podem pegar até oito anos de prisão.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

protestos-no-ira:-como-uso-do-celular-pode-levar-a-prisao-no-pais

G1 Mundo

Protestos no Irã: como uso do celular pode levar à prisão no país

Cada grito era acompanhado por um soco na cara. O rapaz de 20 e poucos anos foi preso durante um protesto na capital, Teerã, em outubro do ano passado. "As forças de segurança estavam prendendo uma mulher", diz ele. "Depois que ajudei ela a escapar, um policial me derrubou no chão." "Então, dois policiais colocaram os pés em cima das minhas costas e no meu rosto, me imobilizando no chão, […]

today30 de janeiro de 2023 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%