G1 Santos

Estudante brasileira supera barreiras e é escolhida uma das embaixadoras do turismo em cidade da Coreia do Sul

today11 de dezembro de 2023 6

Fundo
share close

No começo do ano, após seis meses de curso na SolBridge International School of Business, em Daejeon, Fernanda contou ao g1 ter sofrido um choque cultural, principalmente pela dificuldade com o idioma. Passado quase um ano, o ambiente mudou, está mais favorável e ela, inclusive, foi selecionada uma das embaixadoras da organização de turismo de Daejeon.

O principal facilitador nesse processo, de acordo com a estudante, é o entendimento do idioma. Ela afirmou já entender o suficiente para atender as próprias necessidades, interagir com os amigos e conhecer ainda melhor a cultura do país.

De acordo com Fernanda, como uma das embaixadoras da organização de turismo, ela teve a oportunidade de participar de eventos de inovação e tecnologia na cidade, como o Daejeon Science Festival, aplicativos de realidade aumentada, inteligência artificial e shows de robôs.



“Temos contato com pesquisadores e especialistas da área, mas também promovemos atividades da cidade como concertos de música clássica à luz de vela, reciclagem [transformar garrafas em lanternas], visitar o observatório. Foi bem divertido, e tínhamos um grupo bem diverso”, disse a estudante que, na universidade, trabalha como assistente de pesquisa de um professor coreano.

Mesmo longe, um gostinho de casa

“Já viajei por várias cidades da Coreia, especialmente durante o verão quando tive tempo livre. Fui para Busan, Seoul, Jeonju, Tongyeong, Pohang, Sangju, Ulsan, Daegu, Sejong, Cheongju, Gwanju… Aqui é bem acessível viajar por ônibus e trem, especialmente porque o país é muito pequeno”, comentou a estudante.

A diferença de costumes, fato que ela já havia observado com pouco tempo no país, continua uma questão. Falar alto em lugares públicos é algo que os nativos desaprovam, por exemplo.

Dos lugares já visitados por ela, a lembrança da passagem pela praia em Busan ficou marcada com carinho. Por alguns momentos, Fernanda recordou da terra natal. “Foi muito divertido para mim ir à praia, porque eu moro [nasceu] em São Vicente”.

“Eu sentia muita falta do mar, e é sempre uma coisa que me acalma bastante. A praia é bonita, mas é muito pequena comparada com as do Brasil”, disse.

Os diferentes costumes e hábitos de alimentação, no entanto, não apagam a opinião positiva que a jovem formou do país. Para ela, a oportunidade de andar de madrugada pelas ruas sem se preocupar em ser violentada ou roubada é um dos pontos positivos da cidade onde vive.

“A segurança do país eu acho que é a número um, porque eu sou uma pessoa muito distraída e, no Brasil, eu não saía de casa por causa da violência. Aqui, simplesmente eu posso deixar a mochila e ninguém vai pegar. As pessoas também são muito honestas”.

Fernanda Boche já visitou diversas cidades da Coreia do Sul durante a estadia no país. — Foto: Arquivo pessoal

Com toda a saudade acumulada, Fernanda não sabe ao certo quando voltará ao Brasil para visitar a família e os amigos devido ao elevado preço da passagem. Daqui a duas semanas, ela parte rumo a uma nova aventura no Japão, outro país asiático que ela sempre sonhou em conhecer.

Em junho de 2026, quando se formar, o plano é continuar a estudar em um mestrado nos Estados Unidos ou Europa. Enquanto esse dia não chega, ela aprende a superar a timidez, desenvolver a criatividade para defender seus pontos de vista e nutrir amizades.

“Eu tenho um grupo de amigos muito diverso e aprendemos um pouco com cada um todos os dias. Eu acho que as amizades são a melhor parte aqui da faculdade, porque eu me apeguei muito às pessoas. Como a gente não tem nossa família aqui, a gente vai crescendo junto pelos desafios e nos apoiando”.

Fernanda (de preto, à esquerda) com os colegas na cidade de Jeonju. — Foto: Arquivo pessoal

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

menina-de-9-anos-que-estuda-bale-ha-dois-supera-milhares-de-concorrentes-e-e-aprovada-na-escola-bolshoi

G1 Santos

Menina de 9 anos que estuda balé há dois supera milhares de concorrentes e é aprovada na Escola Bolshoi

Conquistar um espaço na Escola do Teatro Bolshoi em Joinville, em Santa Catarina (SC), é o que muitos bailarinos almejam durante a carreira. A pequena Laura Barretto Messias da Silva, de Cubatão (SP), alcançou essa vitória com apenas 9 anos e dá orgulho para toda a família, além das professoras que a ajudaram nessa missão. Laura esteve entre os mais de 4 mil candidatos no processo seletivo para preencher 400 […]

today11 de dezembro de 2023

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%