G1 Mundo

EUA eliminam suas últimas armas químicas

today7 de julho de 2023 5

Fundo
share close

A destruição dos últimos foguetes remanescentes contendo o produto químico sarin, encerrará décadas de campanha pela destruição de um arsenal que ao fim da Guerra Fria totalizava mais de 30 mil toneladas.

Armas químicas foram usadas pela primeira vez numa guerra moderna na Primeira Guerra Mundial, na qual se estima que essas munições tenham matado ao menos 100 mil pessoas. Apesar de posteriormente banidas pelo chamado Protocolo de Genebra, assinado em 1925 e que entrou em vigor três anos depois, países continuaram a estocar armas químicas durante décadas.

O dia 30 de setembro deste ano foi estabelecido como prazo para os EUA acabarem com seu arsenal no âmbito da Convenção sobre Armas Químicas, acordo internacional que entrou em vigor em 1997 e conta com a adesão de 193 países.



Técnicos trabalham para destruir últimas armas químicas dos Estados Unidos em 8 de junho de 2023 — Foto: David Zalubowski/AP

No Kentucky estão sendo eliminados os últimos de um total de 51 mil foguetes contendo o mortal agente sarin que foram armazenados desde os anos 1940 no depósito, localizado próximo à cidade de Richmond. Segundo reportagem publicada pelo New York Times nesta quinta-feira (06/07), a destruição seria concluída nos próximos dias, possivelmente já nesta sexta-feira.

Recentemente outra instalação militar americana, perto de Pueblo, no estado do Colorado, concluiu a destruição das últimas armas químicas que abrigava, iniciada em 2016. A missão de eliminar cerca de 2.600 toneladas de projéteis e morteiros cheios de gás mostarda chegou ao fim no último dia 22 de junho.

Estes representavam cerca de 8,5% do estoque original de 30.610 toneladas do agente. No total, cerca de 800 mil munições contendo gás mostarda foram armazenadas desde a década de 1950 em bunkers de concreto numa área rural ao leste de Pueblo.

Um trabalhador da Blue Grass Chemical Agent Pilot Plant olha para uma porta anti-explosão dentro da instalação em Richmond, nos EUA em 27 de outubro de 2015 — Foto: Dylan Lovan/AP

Na década de 1980, moradores dos arredores do depósito militar de Blue Grass, no Kentucky, protestaram contra os planos iniciais de incinerar as 520 toneladas de armas químicas ali armazenadas, iniciando uma batalha de décadas sobre como acabar com o arsenal.

O Exército dos EUA eliminou a maior parte de suas armas químicas incinerando-as em locais mais remotos, como o Atol Johnston, no Pacífico, e um depósito no meio do deserto de Utah. Mas a instalação no Kentucky fica próxima a Richmond, a apenas algumas dezenas de quilômetros de Lexington, a segunda maior cidade do estado, e a menos de 2 quilômetros de uma escola.

Craig Williams, que se tornou a principal voz da oposição popular, afirmou que moradores temiam que a incineração dos agentes químicos liberasse gases tóxicos. Com a ajuda de legisladores, a população conseguiu fazer com que o Exército apresentasse planos alternativos para a destruição.

Iglus fortificados usados para armazenar o agente químico VX no terreno do antigo Newport Chemical Depot nos EUA — Foto: John Terhune/Journal & Courier via AP

O depósito de Blue Grass abrigou agente mostarda e os agentes nervosos VX e sarin, grande parte deles dentro de foguetes e outros projéteis, a partir da década de 1940. A usina de descarte do estado foi concluída em 2015 e começou a destruir as armas em 2019.

A instalação usa um processo chamado neutralização para diluir os agentes mortais para que possam ser descartados com segurança. Tanto na usina de descarte do Kentucky quando na de Pueblo, no Colorado, robôs foram usados para eliminar as armas.

Dois soldados russos supervisionam barris com compostos químicos perigosos para a vida em foto sem data — Foto: Arquivo Associated Press

Kingston Reif, que durante anos fez campanha pelo desarmamento e agora atua como vice-secretário adjunto de Defesa dos EUA para redução de ameaças e controle de armas, afirmou que a destruição completa do arsenal químico do país “fechará um importante capítulo na história militar”.

Autoridades consideram a eliminação do arsenal americano um grande passo adiante no âmbito da Convenção sobre Armas Químicas. Somente três países – Egito, Coreia do Norte e Sudão do Sul – não assinaram o tratado. Israel assinou, mas não ratificou o acordo.

Reif destaca que ainda existe a preocupação de que países signatários, especialmente a Rússia e a Síria, possuam estoques não declarados de armas químicas. Oficialmente, a Rússia destruiu seu arsenal em 2017, após o Reino Unido e a Índia fazerem o mesmo em 2007 e 2009, respectivamente.

A Convenção sobre Armas Químicas não acabou com o uso desse tipo de munição. Na guerra civil na Síria, forças leais ao presidente Bashar al-Assad usaram armas químicas no país diversas vezes entre 2013 e 2019. E de acordo com o IHS Conflict Monitor, organização baseada em Londres que analisa dados de inteligência, os combatentes do “Estado Islâmico” usaram armas químicas ao menos 52 vezes no Iraque e na Síria de 2014 a 2016, aponta reportagem do New York Times.

Ativistas pelo controle de armas esperam que o marco alcançado pelos EUA possa motivar os países que ainda não destruíram suas armas químicas a fazê-lo e também ser usado como modelo para a destruição de outros tipos de munição.

“Isso mostra que países podem realmente banir armas de destruição em massa”, afirma Paul F. Walker, vice-presidente da Associação de Controle de Armas e coordenador da Coalizão da Convenção sobre Armas Químicas. “Se países quiserem fazer isso, é preciso apenas vontade política e um bom sistema de controle.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

baixada-santista-registra-1,2-mil-novos-empregos-formais-em-maio

G1 Santos

Baixada Santista registra 1,2 mil novos empregos formais em maio

Dados do Cadastro Geral de Empregos e Desempregos (Caged), do Ministério da Economia, foram divulgados, nesta sexta-feira (7), pela Fundação de Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade). Baixada Santista gera 1,2 mil empregos formais em maio — Foto: Reprodução A Baixada Santista, no litoral de São Paulo, gerou 1.219 empregos formais no mês de maio de 2023. Os dados do Cadastro Geral de Empregos e Desempregos (Caged), do Ministério […]

today7 de julho de 2023 2

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%