G1 Mundo

EUA vetam resolução da ONU pela 3ª vez desde início da guerra entre Israel e Hamas

today20 de fevereiro de 2024 10

Fundo
share close

Treze membros do conselho votaram nesta terça-feira (20) a favor do texto redigido pela Argélia. O Reino Unido se absteve.

“Um voto a favor desse projeto de resolução é um apoio ao direito dos palestinos à vida. Por outro lado, votar contra implica um endosso à violência brutal e à punição coletiva infligida a eles”, disse o embaixador da Argélia na ONU, Amar Bendjama, ao conselho antes da votação.

A embaixadora dos EUA na ONU, Linda Thomas-Greenfield, já havia sinalizado no sábado que o país vetaria o projeto de resolução devido à preocupação de que a decisão poderia prejudicar as negociações entre EUA, Egito, Israel e Catar, que buscam intermediar uma pausa na guerra e a libertação dos reféns mantidos pelo Hamas na Faixa de Gaza.



EUA vetam resolução da ONU pela 3ª vez desde início da guerra entre Israel e Hamas em conferência do Conselho de Segurança nesta terça-feira, 20 de fevereiro de 2024. — Foto: Mike Segar/Reuters

“Qualquer ação que este conselho tome neste momento deve ajudar, e não atrapalhar essas negociações sensíveis e contínuas. E acreditamos que a resolução que está sendo discutida agora teria, de fato, um impacto negativo sobre essas negociações”, disse Thomas-Greenfield ao conselho antes da votação.

“Exigir um cessar-fogo imediato e incondicional sem um acordo que exija que o Hamas liberte os reféns não trará uma paz duradoura. Em vez disso, isso poderia prolongar a luta entre o Hamas e Israel“, disse ela.

EUA e Israel são considerados aliados históricos. Os EUA chegaram a vetar resoluções que pediam um cessar-fogo na guerra:

Israel divulga imagens de túnel do Hamas que liga escola a agência da ONU

Israel divulga imagens de túnel do Hamas que liga escola a agência da ONU

EUA propuseram um projeto

Até agora, o governo dos EUA tinha sido avesso à palavra cessar-fogo em qualquer resolução da ONU sobre a guerra entre Israel e Hamas, mas o texto dos EUA ecoa a linguagem que o presidente Joe Biden disse ter usado na semana passada em conversas com o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu.

O projeto de resolução dos EUA prevê que o Conselho de Segurança “enfatize seu apoio a um cessar-fogo temporário em Gaza assim que possível, com base na fórmula de libertação de todos os reféns, e pede o levantamento de todas as barreiras à prestação de assistência humanitária em escala.”

A resolução redigida pela Argélia e vetada pelos EUA não vinculava o cessar-fogo à libertação dos reféns. Ela exigia separadamente um cessar-fogo humanitário imediato e a libertação imediata e incondicional de todos os reféns.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

ocupacao-de-israel-nos-territorios-palestinos-nao-pode-ser-aceita-nem-normalizada-pela-comunidade-internacional,-diz-brasil-em-haia

G1 Mundo

Ocupação de Israel nos territórios palestinos não pode ser aceita nem normalizada pela comunidade internacional, diz Brasil em Haia

O governo brasileiro afirmou nesta terça-feira (20) que "não pode ser normalizada" pela comunidade internacional a ocupação por Israel de territórios na Palestina. A declaração foi feita na Corte Internacional de Justiça (CIJ), em Haia, na Holanda, o maior tribunal de justiça das Nações Unidas. Maria Clara de Paula Tusco, representante do governo brasileiro, fala em Haia nesta terça (20) — Foto: Reprodução "A ocupação de Israel dos Territórios Palestinos, […]

today20 de fevereiro de 2024 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%