G1 Mundo

Europa está se armando em peso: relatório revela mudanças no mercado bélico após início da guerra na Ucrânia

today14 de março de 2023 13

Fundo
share close

Entre as duas tendências mais importantes do relatório, o pesquisador Pieter Wezeman explica à DW que “as transferências de armas para Estados europeus cresceram significativamente” e que “o papel dos EUA como fornecedor global de armas aumentou de forma igualmente significativa”.

No quadriênio analisado, de 2018 a 2022, o comércio internacional de armas diminuiu pouco mais de 5% em comparação ao período anterior, de 2013 a 2017. Por outro lado, a importação pelos países europeus — a maioria delas vinda dos Estados Unidos — aumentou 47%, e a dos membros europeus da Otan, 65%. A razão para este aumento é, sem dúvida, a invasão russa à Ucrânia.

Participação dos dez maiores exportadores de armas no mercado mundial (2018 – 2022) — Foto: DW



Exportações dos EUA para Ucrânia, Arábia Saudita e Japão

Antes da guerra, a própria Ucrânia não tinha um papel relevante no comércio internacional de armas. Grande parte de seu equipamento de defesa ou era fabricado em solo nacional, ou provinha da era soviética. Porém, de acordo com o relatório do Sipri, a Ucrânia agora ocupa o 14º lugar na lista de importadores mundiais. Considerando-se apenas 2022, o país sobe para a 3ª posição.

O relatório do Sipri se refere a “transferências de armas”, incluindo tanto o comércio como à assistência militar (gratuita), a qual é a principal fonte armamentista da Ucrânia. Nesse caso, em geral não se trata dos equipamentos mais modernos, mas de excedentes dor arsenais de outras nações.

Por isso, de acordo com o relatório, o valor dos fornecimentos à Ucrânia é baixo, em comparação com a venda de novas armas.

Apesar da entrega maciça de armamento dos EUA à Ucrânia em 2022, o governo americano enviou mercadorias de maior valor para Kuwait, Arábia Saudita, Catar e Japão. Estes quatro países compraram equipamentos particularmente novos e sofisticados, como aviões de combate, algo que a Ucrânia tem solicitado urgentemente aos aliados ocidentais, mas até o momento não obteve.

França ganha, Alemanha perde

Os cinco maiores exportadores de armas são Estados Unidos, Rússia, França, China e Alemanha. Embora essa classificação não tenha mudado desde o último relatório, houve alterações significativas em cada país.

Os Estados Unidos, já no topo da lista, aumentaram as exportações em mais 14%, sendo agora responsáveis por 40% das transferências globais de armas.

Um aumento muito maior, de 44%, foi registrado pela França, que reforçou sua terceira posição. No entanto, de acordo com o Sipri, tais mudanças não são raras, já que em determinados períodos pode haver encomendas particularmente grandes e lucrativas.

É também assim que Pieter Wezeman explica a queda acentuada, de 35%, no mercado de armamentos da Alemanha. Entretanto, “a mudança na exportação francesa de armas é provavelmente de natureza mais estrutural: a França promove fortemente sua indústria de armamento e tem tido grande sucesso com ela ao longo da última década”.

Maioria das transferências de armas ocidentais foi para a Ucrânia, como este Leopard 2 de fabricação alemã — Foto: Martin Meissner/AP Photo

O fato também foi sentido pelo chanceler federal alemão, Olaf Scholz, durante uma visita recente à Índia. As potências ocidentais estão tentando encorajar Nova Déli a depender menos do armamento russo. Enquanto a França se estabeleceu no país durante anos como o segundo fornecedor mais importante depois da Rússia, a Alemanha não desempenha lá um papel importante.

China surpreendentemente fraca

Chama também a atenção a queda de 23% das exportações de armas chinesas e, em geral, a baixa importância do país como exportador global de armas, no contexto de sua economia, como um todo.

De acordo com Pieter Wezeman: “A China não conseguiu penetrar em alguns dos mercados de defesa mais importantes, em alguns casos por razões claramente políticas”. Por exemplo, ela não vende armas para a sua rival Índia.

Além disso, “surpreendentemente, tampouco conseguiu competir contra seus concorrentes americanos e europeus na maioria dos países do Oriente Médio”.

A maior importação pela Europa resultou num aumento de sua participação nas transferências internacionais de armas, de 11% em 2013-2017, para 16% em 2018-2022, ao passo que estas diminuíram em todas as demais regiões.

Um dos casos mais extremos é o da África, onde as transferências recuaram 40%. “Mas isso não torna a África mais pacífica”, ressalva Wezeman, pois os números do Sipri “não estão diretamente relacionados aos conflitos em que as armas são utilizadas”.

Existem, de fato, muitos conflitos armados na África. No entanto, “esses países não estão aptos a obter um grande número de armas sofisticadas, portanto, o valor total da transferência para a região não é tão alto quanto o número de conflitos poderia sugerir”.

Influência russa cresce na África: retrato de Putin no Mali, poucos dias antes do início da invasão da Ucrânia — Foto: Florent Verges/AFP

Na África Subsaariana, a Rússia ultrapassou a China no fornecimento armamentista. Um exemplo desse crescimento é o Mali, que costumava comprar armas de uma série de países, incluindo a França e os EUA. Contudo, após os golpes de Estado no país africano, em 2020 e 2021, Paris e Washington começaram a reduzir significativamente os negócios, enquanto Moscou expandiu suas vendas.

Outro exemplo das consequências das perturbações políticas para a cooperação armamentista é a Turquia, sétima maior compradora de equipamento de defesa americano entre 2013 e 2017. De acordo com o último relatório, porém, com o aumento da tensão entre Ancara e Washington, o país membro da Otan caiu para o 27º lugar.

Encomendas futuras servem como previsão

Quem vai liderar o comércio internacional de armas no futuro? Para descobrir isso, o Sipri analisou as encomendas dos fabricantes dos países exportadores de armas mais importantes, dando-se atenção particular às encomendas de aeronaves de combate e helicópteros, bem como navios de guerra maiores, como porta-aviões, contratorpedeiros, fragatas e submarinos, são sistemas de valor especialmente elevado.

Os EUA continuarão a ser, de longe, quem mais fornece armas no mundo. Isso é evidente pelo fato de o país fabricar cerca de 60% dos aviões e helicópteros de combate encomendados em todo o mundo.

Só em 2022, 13 países encomendaram um total de 376 aviões e helicópteros de combate a fabricantes com sede nos Estados Unidos.

A França tem muitas encomendas, tanto de aviões como de navios, sendo provável que suba de posição na exportação de armamentos. As perspectivas para a Alemanha são mistas: não há muitos pedidos de aviões alemães, mas tem surgido um grande número de encomendas de embarcações navais.

E a Rússia, segunda fabricante mais importante do mundo, tem relativamente poucas encomendas. Muitas armas que poderiam ser exportadas devem ser, no momento, necessárias em sua guerra contra a Ucrânia.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

o-sobrevivente-do-holocausto-que-descobriu-o-thc,-principal-psicoativo-da-maconha

G1 Mundo

O sobrevivente do Holocausto que descobriu o THC, principal psicoativo da maconha

Raphael Mechoulam, que morreu aos 92 anos na última sexta (10/3) em Israel, descobriu o THC — um dos principais princípios psicoativos da cannabis — e aprofundou os conhecimentos sobre o CBD — substância hoje amplamente usada em medicamentos. Sua morte foi anunciada pela associação Amigos Americanos da Universidade Hebraica de Jerusalém. A causa não foi revelada. "O mundo perdeu um gigante na comunidade da pesquisa científica e um pioneiro […]

today14 de março de 2023 11

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%