G1 Mundo

Extremista de direita é condenado a dez anos de prisão na Alemanha

today24 de março de 2023 7

Fundo
share close

Além da detenção por uma década, o homem de 62 anos terá de pagar uma multa de 30 mil euros por lesão corporal, resistência e ataque a autoridades, deixar o local do incidente sem autorização e dirigir embriagado. A sentença, no entanto, ainda não é definitiva.

O réu foi o primeiro possível membro do grupo radical a enfrentar acusações do Ministério Público Federal.

O Reichsbürger, que significa “Cidadãos do Império Alemão”, é um grupo de extrema direita que nega a legitimidade do Estado alemão moderno, fundado após a Segunda Guerra Mundial, e acredita na existência do império fundado em 1871.



Autoridades na Alemanha se preocupam com aumento da violência de extrema direita — Foto: Reuters/Ralph Orlowski

Conforme o tribunal, os policiais tentaram abordar o homem três vezes por excesso de velocidade na região da cidade de Lörrach, na fronteira com a Suíça.

Na segunda tentativa, ele jogou o carro para cima dos policiais, ferindo um deles com gravidade na cabeça. Na terceira, foi parado após a polícia disparar ao menos 25 tiros contra o veículo.

A Justiça de Stuttgart também informou que o policial segue incapaz de executar suas funções profissionais devido ao estresse pós-traumático. A carteira de motorista e o carro do suspeito foram confiscados.

Autoridades da Alemanha prendem 25 extremistas acusados de organizar um golpe contra governo

Autoridades da Alemanha prendem 25 extremistas acusados de organizar um golpe contra governo

O homem teria começado a se radicalizar em 2017, rejeitando a existência da República Federal da Alemanha e, portanto, também a Constituição e o sistema legal do país.

Em mensagens trocadas via chats, o homem descrevia policiais como “terroristas” e, em 2021, disse que tinha o direito de “eliminá-los sem punição”.

O veredicto em Stuttgart ocorre apenas dois dias depois que a polícia alemã conduziu uma série de buscas ligadas ao Reichsbürger em oito estados e também na Suíça. Em uma das operações, um policial foi ferido após troca de tiros.

O ministro da Justiça da Alemanha, Marco Buschmann, escreveu no Twitter que 20 propriedades foram inspecionadas e destacou o perigo dessas operações para os policiais pelo fato de os radicais portarem armas.

“Um policial foi baleado. Isso mostra o quanto essas missões são perigosas. As autoridades do setor de armamentos devem desarmar o Reichsbürger”, publicou.

As buscas de quarta-feira foram dirigidas contra cinco suspeitos que, segundo as autoridades, são das cidades de Munique e Chemnitz, da região de Hannover e da Suíça, e podem pertencer a uma organização terrorista.

“Cidadãos do Império Alemão”

O movimento Reichsbürger é composto por vários pequenos grupos e indivíduos, localizados principalmente nos estados de Brandemburgo, Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental e Baviera.

Eles não aceitam a legalidade das autoridades governamentais da Alemanha, se recusam a pagar impostos e declararam seus próprios pequenos “territórios nacionais”, batizados com nomes como “Segundo Império Alemão”, “Estado Livre da Prússia” ou “Principado da Germânia”.

Membros do movimento negam a existência da Alemanha pós-Segunda Guerra e acreditam que o Estado atual não passa de uma construção administrativa ainda ocupada pelas potências ocidentais – Estados Unidos, Reino Unido e França. Para eles, as fronteiras de 1937 do Império Alemão ainda existem.

Em dezembro, 25 suspeitos foram presos em uma megaoperação que contou com a participação de 3 mil policiais. As buscas ocorreram em 130 casas, apartamentos e escritórios em 11 dos 16 estados alemães.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘macron-zombou-de-nos’:-3-perguntas-para-entender-os-protestos-na-franca

G1 Mundo

‘Macron zombou de nós’: 3 perguntas para entender os protestos na França

Na quinta-feira (23/3), mais de 1 milhão de pessoas saíram às ruas em todo o país, segundo dados do Ministério do Interior. Uma das principais confederações de trabalhadores, a CGT, estimou esse número em 3 milhões. Em Paris, onde as manifestações geralmente são pacíficas, cerca de 120 mil protestaram. Houve confrontos entre policiais e indivíduos mascarados, que quebraram vitrines, vandalizaram o mobiliário urbanos e atacaram um restaurante da rede McDonald's […]

today24 de março de 2023 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%