G1 Mundo

Família de brasileiro morre em bombardeio na Faixa de Gaza, diz Embaixada

today20 de outubro de 2023 4

Fundo
share close

Hasan Rabee, brasileiro que tenta deixar a Faixa de Gaza, disse que seu primo, a esposa e todos os filhos e netos do casal foram mortos após um ataque aéreo atingir o prédio onde viviam, no norte do território, na noite de quinta-feira (19).

A Embaixada brasileira confirmou as mortes ao g1. O embaixador do Brasil na Palestina, Alessandro Candeas, disse que os parentes de Rabee não têm cidadania brasileira.

“Teve um bombardeio perto da casa deles, e o prédio inteiro foi destruído. Era um cidadão do bem, trabalhador, não tem nada a ver com isso. Não sei nem quantas crianças têm de morrer para parar essa guerra e os ataques contra civis aqui na Faixa de Gaza”, disse Hasan em relato à GloboNews.



Ele afirmou ainda que cerca de 60 pessoas, no total, morreram nesse ataque. Autoridades palestinas não confirmaram o número, mas, nesta sexta, afirmaram que 352 pessoas morreram na Faixa de Gaza entre quinta-feira (19) e esta sexta (20).

Mortes em Gaza passam de 4 mil

No total, o número total de mortos em Gaza desde o início da guerra era de 4.137 até a manhã desta sexta.

Na semana passada, o governo israelense pediu à população de todo o norte da Faixa de Gaza, inclusive a Cidade de Gaza, que deixasse suas casas e rumassem ao sul do território, indicando que aumentaria os ataques à área, que faz fronteira com o sul de Israel.

Os militares israelenses também preparam uma incursão por terra à Faixa de Gaza, que começará justamente pelo norte. Dezenas de tanques do Exército do país já estavam posicionados na fronteira desde o início da semana.

Mas muitos palestinos relataram não ter para onde ir, já que, pelo atual acordo que está sendo costurado entre os governo egípcio e o israelense para a abertura da fronteira, apenas estrangeiros poderão deixar a Faixa de Gaza (leia mais abaixo).

Por isso, muitos deles continuaram em suas casas no norte de Gaza, caso dos parentes do brasileiro.

Brasileiro visitava família quando guerra começou

Ele está no grupo de brasileiros que aguardam pela abertura da fronteira entre o sul de Gaza e o Egito em Khan Younes, cidade localizada no sul do território. Outro grupo de brasileiros está em Rafah, cidade fronteiriça onde ficam os postos de controle.

Além dos brasileiros, centenas de outros estrangeiros e milhares de palestinos lotam essas duas cidades à espera de uma resolução nas negociações entre Israel e Egito para a abertura da fronteira.

Nesta sexta-feira, autoridades disseram ainda não ter previsão para essa abertura.

Caminhões de ajuda humanitária aguardam para entrar em Gaza pelo Egito

Caminhões de ajuda humanitária aguardam para entrar em Gaza pelo Egito




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘meu-filho-foi-assassinado-e-nao-quero-vinganca’:-as-vitimas-do-hamas-que-criticam-a-ofensiva-de-israel-em-gaza

G1 Mundo

‘Meu filho foi assassinado e não quero vingança’: as vítimas do Hamas que criticam a ofensiva de Israel em Gaza

O jovem de 20 anos estava no festival de música eletrônica no sul de Israel onde mais de 260 pessoas foram mortas pelo Hamas no dia 7 de outubro. Sem ter notícias dele, a mãe, que vive a uma hora a norte de Jerusalém, pensou que ele tinha sido raptado pelo grupo palestino. Porém, na noite de quarta-feira, 11 de outubro, ela recebeu notícias devastadoras: Laor foi uma das vítimas […]

today20 de outubro de 2023 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%