G1 Mundo

FOTOS: rio nos Balcãs se torna ‘lixão flutuante’

today31 de janeiro de 2023 12

Fundo
share close

Nas últimas semanas, um “lixão flutuante” se formou no rio Drina, ao leste da Bósnia-Herzegovina, após toneladas de lixo serem despejadas em aterros ribeirinhos mal regulamentados ou diretamente em vias navegáveis ​​que passam pela Bósnia, pela Sérvia e por Montenegro e se acumularem. Na água, boiam garrafas plásticas, barris enferrujados, pneus usados, eletrodomésticos, madeira e qualquer outro tipo de lixo jogado no Drina ou em um de seus afluentes.

Uma cerca instalada no rio por uma usina hidrelétrica da Bósnia, alguns quilômetros rio acima de sua represa perto de Visegrad, transformou a cidade em um depósito de lixo regional, reclamam ativistas ambientais locais.

As fortes chuvas e o clima excepcionalmente quente no começo de janeiro causaram o transbordamento de muitos rios e córregos na Bósnia-Herzegovina, Sérvia e Montenegro, inundando as áreas circundantes e forçando dezenas de pessoas a deixarem suas casas. As temperaturas caíram em muitas áreas na sexta-feira (20 de janeiro), quando a chuva se transformou em neve.



“Tivemos muita chuva e inundações torrenciais nos últimos dias e uma enorme entrada de água de Montenegro [afluentes do Drina], que agora, felizmente, está diminuindo”, disse Dejan Furtula, do grupo ambientalista Eko Centar Visegrad.

“Infelizmente, o enorme fluxo de lixo não parou”, acrescentou Furtula.

O rio Drina corre 346 quilômetros das montanhas do noroeste de Montenegro, atravessando a Sérvia e a Bósnia-Herzegovina, e alguns de seus afluentes são conhecidos por sua cor esmeralda e paisagens de tirar o fôlego. Uma parte do rio ao longo da fronteira entre a Bósnia e a Sérvia é popular entre praticantes de rafting quando não é a “temporada do lixo”.

Estima-se que cerca de 10.000 metros cúbicos de resíduos tenham se acumulado atrás da barreira de lixo do rio Drina nos últimos dias, disse Furtula. A mesma quantidade foi extraída nos últimos anos daquela área do rio.

A retirada do lixo leva até seis meses, em média. A remoção, no entanto, para no aterro municipal de Visegrad, que Furtula disse “nem tem capacidade suficiente para lidar com o lixo municipal”.

“Os incêndios no aterro [municipal] estão sempre queimando. [As condições são] não apenas um enorme risco ambiental e de saúde, mas também um grande embaraço para todos nós”, afirmou.

Décadas após as guerras da década de 1990 que acompanharam a dissolução da Iugoslávia, os Bálcãs estão atrasados ​​em relação ao resto da Europa, tanto economicamente quanto no que diz respeito à proteção ambiental.

Os países da região fizeram pouco progresso na construção de sistemas eficazes e ecologicamente corretos de descarte de lixo, apesar de buscarem a adesão à União Europeia (UE) e adotarem algumas das leis e regulamentos da UE.

Depósitos de lixo não autorizados estão presentes em colinas e vales por toda a região, enquanto o lixo cobre as estradas e sacos plásticos são vistos pendurados em árvores.

Além da poluição dos rios, muitos países dos Bálcãs ocidentais têm outros problemas ambientais. Um dos mais urgentes sendo o altíssimo nível de poluição do ar que afeta várias cidades da região.

“As pessoas precisam acordar para problemas como este”, disse Rados Brekalovic, morador de Visegrad.

Resíduos flutuando no rio Drina perto de Visegrad, Bósnia, sexta-feira, 20 de janeiro de 2023. — Foto: AP Photo/Armin Durgut

Na água, boiam garrafas plásticas, barris enferrujados, pneus usados, eletrodomésticos, madeira e qualquer outro tipo de lixo jogado no Drina ou em um de seus afluentes. — Foto: AP Photo/Armin Durgut

Barcos ao lado do ‘lixão flutuante’, no rio Drina perto de Visegrad, Bósnia, sexta-feira, 20 de janeiro de 2023. — Foto: AP Photo/Armin Durgut

Resíduos flutuando no rio Drina perto de Visegrad, Bósnia, sexta-feira, 20 de janeiro de 2023. — Foto: AP Photo/Armin Durgut

Resíduos flutuando no rio Drina perto de Visegrad, Bósnia, sexta-feira, 20 de janeiro de 2023. — Foto: AP Photo/Armin Durgut

Parte de uma geladeira flutua entre o lixo no rio Drina perto de Visegrad, Bósnia, sexta-feira, 20 de janeiro de 2023. — Foto: AP Photo/Armin Durgut




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

homem-que-mais-enriqueceu-em-2022-perde-us$-8,2-bilhoes-em-um-dia-e-sai-do-grupo-dos-10-mais-ricos-do-mundo

G1 Mundo

Homem que mais enriqueceu em 2022 perde US$ 8,2 bilhões em um dia e sai do grupo dos 10 mais ricos do mundo

O indiano Gautam Adani teve um aumento de US$ 33,8 bilhões em sua fortuna no último ano, desbancando Bill Gates e entrando no top 3 homens mais ricos do mundo. No entanto, problemas com seu grupo empresarial o fizeram perder bilhões de dólares. Gautam Adani — Foto: Perfil/Twitter Gautam Adani, homem mais rico da Ásia e quem mais enriqueceu em 2022, perdeu o acesso a um grupo bastante seleto: o […]

today31 de janeiro de 2023 14

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%