G1 Mundo

Frio de -22,5°C na Argentina ultrapassa limite da escala que representa a temperatura

today18 de julho de 2023 4

Fundo
share close

O Serviço Meteorológico Nacional (SMN) da Argentina afirmou que a temperatura registrada na estação de Perito Moreno, na Patagônia, foi de -22,5°C nesta manhã de segunda-feira (17). “As temperaturas superaram a escala”, afirmou o SMN, informando que as medições são representadas visualmente nos mapas meteorológicos seguem as marcas até o limite de -18°C (mapa acima).

Como lembram os meteorologistas, as escalas são arbitrárias e elaboradas conforme a realidade local de cada país ou centro de pesquisa. No Brasil, por exemplo, a escala termina em -6°C (veja imagem abaixo).

Na Argentina, houve ainda registros de -13°C em Maquinchao e -11,7°C em Paso de Indios.



Qual a explicação para o frio intenso?

O frio intenso se deve à influência de um ciclone extratropical localizado no Atlântico Sul, ao sul do Brasil. Esse sistema climático está atualmente distante do continente, o que significa que não apresenta risco de ventos fortes. Apesar disso, sua presença é responsável pela entrada de massas de ar frio, resultando em temperaturas baixas na Argentina.

A marca de 22,5°C não é um recorde absoluto de temperatura no país. Em 14 de julho de 1991, a estação meteorológica de Maquinchao, localizada em Río Negro, bateu -35°C. Esse registro histórico permanece como a mais baixa temperatura já registrada nessas condições geográficas específicas, destacando a intensidade do frio experimentado na região a uma altitude de 858 metros.

O frio deve permanecer os próximos dias, e vai cair abaixo de zero em cidades localizadas na fronteira com o Uruguai, bem como em outras regiões da Argentina (Sul e Campanha).

As condições vão influenciar o tempo no Sul do Brasil. A segunda-feira (17) teve registros de geada em algumas áreas gaúchas e os termômetros marcaram 1,3°C em Quaraí (RS). Há previsão de elevação da temperatura no estado somente a partir de quinta-feira (20).

Escala de temperatura no Brasil feita pelo Inmet vai até -6°C — Foto: Reprodução




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

por-que-fim-do-acordo-de-graos-entre-russia-e-ucrania-afeta-preco-global-de-alimentos

G1 Mundo

Por que fim do acordo de grãos entre Rússia e Ucrânia afeta preço global de alimentos

Isso porque a Ucrânia é um dos maiores exportadores mundiais de girassol, milho, trigo e cevada. Os preços desses produtos já subiram nesta segunda-feira (17), após o anúncio do fim do acordo. O pacto permitia que navios de carga ucranianos passassem pelo Mar Negro a partir dos portos de Odesa, Chornomorsk e Yuzhny/Pivdennyi. Graças ao arranjo, mais de 32 milhões de toneladas de alimentos ucranianos chegavam aos mercados mundiais. A […]

today18 de julho de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%