G1 Mundo

Governo brasileiro critica Israel por ataque a integrantes de ONG; ajuda para de chegar no norte de Gaza

today4 de abril de 2024 3

Fundo
share close

“O governo brasileiro reitera o firme repúdio a toda e qualquer ação militar contra alvos civis, sobretudo aqueles ligados à prestação de ajuda humanitária e de assistência médica”, diz a nota. “(O governo brasileiro) Deplora também as mortes de civis e trabalhadores de saúde palestinos e os danos causados por ação militar das últimas semanas, que resultou na destruição do hospital Al-Shifa, em contexto no qual a assistência médica à população de Gaza é fundamental”.

O ataque, que Israel chamou de acidental, atingiu dois veículos da ONG, uma das mais atuantes na Faixa de Gaza desde o início da guerra, quando os carros passavam por uma estrada sem conflitos. A equipe voltava do norte de Gaza, onde havia entregado um carregamento de alimentos levados a Gaza por um barco na semana anterior, quando foi atingida por um bombardeio.

Após o caso, a World Central Kitchen e várias outras organizações que atuam em Gaza suspenderam, por segurança, as entregas de ajuda humanitária.



Desde o ataque, nenhum alimento chegou ao norte da Faixa de Gaza, de acordo com o correspondente da rede britânica BBC na região, onde um quarto da população está passando fome, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU).

Os integrantes da ONG vestiam coletes com a devida identificação, e o teto dos veículos tinha o logotipo e o nome da World Central Kitchen impressos (veja imagem acima). A organização foi criada pelo chef espanhol José Andrés, muito famoso nos Estados Unidos por aparecer em diversos programas de TV e por já ter sido condecorado pelo ex-presidente Barack Obama.

“(O governo brasileiro) reitera a importância do cumprimento da demanda de um cessar-fogo imediato contida na resolução 2728 do Conselho de Segurança da ONU, aprovada em 25 de março”, diz a nota do Itamaraty.

Israel: 57% acham condução da guerra por Netanyahu ruim

Israel: 57% acham condução da guerra por Netanyahu ruim

Também nesta quinta, o governo de Israel anunciou que o Exército do país está conduzindo uma investigação própria sobre o erro que levou ao bombardeio à equipe de ajuda humanitária.

No entanto, o resultado da investigação só deve sair “nas próximas semanas”, segundo a porta-voz do governo Raquela Karamson.

Mortes de integrantes de ONG aumentam pressão sobre aliados de Israel

Mortes de integrantes de ONG aumentam pressão sobre aliados de Israel

O ataque aos integrantes da World Central Kitchen também fizeram crescer a pressão sobre aliados de Israel e países que fazem operações comerciais no ramo bélico.

Nesta quinta, três ex-juízes da Suprema Corte do Reino Unido, em carta com outros 600 juristas britânicos, exigiram que o governo de seu país deixe de vender armas a Israel.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

essequibo:-o-que-ha-no-territorio-da-guiana-que-a-venezuela-tenta-anexar,-e-como-comecou-a-disputa

G1 Mundo

Essequibo: o que há no território da Guiana que a Venezuela tenta anexar, e como começou a disputa

O texto chamado de "Lei Orgânica para a Defesa de Essequibo" tem 39 artigos e regulamenta a fundação do estado da "Guiana Essequiba" e proíbe a divulgação do mapa político da Venezuela sem a inclusão do território de Essequibo. Localizado na parte mais a oeste do território da Guiana, a região de Essequibo ocupa 159 mil km² e representa cerca de 70% do território do país. Trata-se de uma área […]

today4 de abril de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%