G1 Santos

Governo de SP autoriza construção de 418 moradias para comunidades indígenas em seis cidades; investimento é de R$ 25,5 milhões

today7 de março de 2024 4

Fundo
share close

Dessas seis cidades, quatro já assinaram os convênios com a CDHU e iniciam imediatamente os processos de contratação das novas moradias: Eldorado, Monguagá, Peruíbe e Tapiraí. .

Segundo a Secretaria Estadual da Habitação, para o município de Bertioga, onde já havia convênio formalizado, haverá um aditamento reafirmando os compromissos existentes. A Prefeitura de São Paulo realiza análise jurídica para, posteriormente, formalizar a parceria no papel.

A construção das moradias será feita por meio da CDHU, com investimento da ordem de R$ 25,5 milhões por parte da gestão Tarcísio de Freitas (Republicanos).



Os recursos, segundo o Palácio dos Bandeirantes, já disponíveis e sairão do Fundo Paulista de Habitação de Interesse Social (FPHIS) e do próprio orçamento da CDHU.

Moradia indígena já finalizada pela CDHU em Bertioga, nas terras indígenas do Rio Silveira. — Foto: Divulgação/GESP

O Programa prevê atendimento habitacional em substituição a moradias precárias, sem custos para as comunidades beneficiadas. As novas casas possuem dois dormitórios, sala, cozinha, banheiro, área de serviço e varanda.

De acordo com a gestão Tarcísio, alguns projetos já estão em andamento e a finalização de todas as 418 moradias dependem da articulação entre a CDHU, as prefeituras e aldeias para a elaboração do projeto. Mas a partir da finalização do projeto, o prazo de construção é de cerca de 12 meses.

A Fundação Nacional dos Povos Indígenas (FUNAI) também participa dos trabalhos. A entidade vai realizar toda a articulação com as comunidades indígenas para a realização das obras nos territórios, em conjunto com a Coordenadoria de Políticas para os Povos Indígenas do Estado de São Paulo (CPPI), órgão da Secretaria de Justiça e Cidadania (SJC)

De acordo com o governo de SP, a Funai também vai ser responsável por realizar a gestão necessária para a implantação de infraestrutura complementar com as concessionárias de serviço público competentes dos sistemas de abastecimento de água potável e fornecimento de energia que atenderão as unidades habitacionais.

Outra atribuição da Funai é conceder todas as autorizações e licenças necessárias, bem como efetuar a gestão das benfeitorias a serem executadas no empreendimento habitacional, promovendo o aceite definitivo das obras mediante o Termo a ser emitido pela CDHU.

Na primeira etapa, haverá a construção de 160 moradias contemplando as seguintes comunidades indígenas:

  • São Paulo : TI Tenondé Porã – Krucutu, em Parelheiros;
  • Bertioga : Terra Indígena Rio Silveira;
  • Peruíbe : TI Piaçaguera;
  • Mongaguá : TI Aguapeu;
  • Eldorado : TI Takuari;
  • Tapiraí : TI Tekoa Gwwyra Pepó.

Indígenas das terras do Rio Silveira, em Bertioga, já contemplados com moradias da CDHU. — Foto: Divulgação/GESP

Cada uma dessas comunidades será contemplada com 30 unidades cada. Em Mongaguá (TI Aguapeu), serão construídas 10 casas.

As 258 unidades restantes estão distribuídas da seguinte forma: 60 em Bertioga, 23 em Eldorado, 112 em Peruíbe, 33 em São Paulo e 30 em Tapiraí.

“O convênio com Bertioga prevê no total, 120 unidades para a Terra Indígena Rio Silveira, 30 das quais já entregues em 2022. Em toda a história do Programa de Moradia Indígena, criado em 2001, o Governo de São Paulo já construiu 612 unidades em terras indígenas de 11 municípios: Arco-Íris, Avaí, Braúna, Itanhaém, Itariri, Mongaguá, Peruíbe, São Paulo, São Sebastião, Bertioga e Ubatuba”, afirmou a CDHU.

Pela legislação vigente, as construções são feitas em Terras Indígenas homologadas por decreto federal. As tipologias das casas são adequadas aos usos e hábitos culturais das comunidades indígenas, que participam da elaboração dos projetos.

“Os municípios deverão responsabilizar-se, diretamente ou por meio de parcerias, pela orientação / conservação do sistema de abastecimento de água e esgotamento sanitário que atenderá as unidades do empreendimento e pela execução da rede de infraestrutura complementar interna ou externa ao empreendimento, quando couber, bem como pela emissão de autorizações necessárias e pela acessibilidade / trafegabilidade nas áreas de execução das obras”, informou a CDHU.

Moradia indígena já finalizada pela CDHU em Bertioga, nas terras indígenas do Rio Silveira. — Foto: Divulgação/GESP




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

sao-vicente,-sp,-realiza-evento-em-alusao-ao-dia-da-mulher;-veja-a-programacao

G1 Santos

São Vicente, SP, realiza evento em alusão ao Dia da Mulher; veja a programação

Cidade terá diversas atividades, que incluem desde serviços de saúde e beleza até oportunidade de trabalho. Corte de cabelo está entre os serviços divulgados no evento — Foto: Reprodução/Pixabay A Prefeitura de São Vicente, no litoral de São Paulo, organizou um evento com diversas atrações gratuitas no próximo sábado (9) para comemorar o Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março. Realizado pela Secretaria de Emprego, Trabalho e Renda […]

today7 de março de 2024 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%