G1 Mundo

Governo venezuelano chama de “intervencionista” manifestação brasileira de preocupação sobre eleições no país

today26 de março de 2024 8

Fundo
share close

Governo venezuelano chama de



Governo venezuelano chama de “intervencionista” manifestação brasileira de preocupação sobre eleições no país

“[O Brasil] observa que a candidata indicada pela Plataforma Unitaria, força política de oposição, e sobre a qual não pairavam decisões judiciais, foi impedida de registrar-se, o que não é compatível com os acordos de Barbados. O impedimento não foi, até o momento, objeto de qualquer explicação oficial”, diz trecho do comunicado do Itamaraty.

Opositores na Venezuela exigem mais prazo para registrar candidata

Opositores na Venezuela exigem mais prazo para registrar candidata

Analistas afirmam que o bloqueio a Corina Yoris tem motivação política. À ageência de notícias AFP, o cientista político Jorge Morán afirmou que o chavismo busca repetir o cenário de 2018, quando a oposição boicotou as eleições presidenciais vencidas por Maduro.

Especialistas ouvidos pelo g1 e pela GloboNews também avaliaram que, apesar de correta a tentativa do presidente Lula de incentivar eleições no país vizinho, as chances de o presidente brasileiro influenciar Maduro eram “pequenas”, pois os sinais recentes do venezuelano eram “ruins”.

“Ditada” pelos americanos

Na resposta à manifestação brasileira, a chancelaria venezuelana disse que o comunicado emitido pelo Itamaraty — “redigido por funcionários”, enfatiza o texto — parecia “ter sido ditado pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos”.

Maduro e Lula — Foto: Ricardo Stuckert / PR

“O governo venezuelano tem mantido uma conduta fiel aos princípios que regem a diplomacia e as relações de amizade com o Brasil”, diz o texto. “O governo bolivariano agradece as manifestaçaões de solidariedade do Presidente Lula da Silva que, de maneira direta e sem ambiguidades, condenou o bloqueio criminoso e as sanções impostas de maneira ilegal pelo governo dos Estados Unidos para causar dano ao nosso povo”, conclui o documento.

Ao longo das últimas semanas, diplomatas já vinham afirmando internamente que o comportamento de Maduro ia na “contramão” do Acordo de Barbados, mencionado pelo governo brasileiro em sua manifestação.

Firmado em outubro de 2023, o acordo previa a participação de observadores internacionais no acompanhamento das eleições, com liberdade de imprensa e sem restrições a candidatos na disputa. Em troca, os americanos concordaram em levantar sanções ao petróleo venezuelano.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

venezuela-diz-que-nota-do-brasil-parece-ter-sido-‘ditada-pelos-eua’

G1 Mundo

Venezuela diz que nota do Brasil parece ter sido ‘ditada pelos EUA’

Os venezuelanos afirmam que um pronunciamento oficial do Brasil divulgado mais cedo nesta terça-feira é intervencionista, "cinzento e parece ter sido ditado pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos”, aponta nota assinada pelo Ministério das Relações Exteriores da Venezuela. "O Ministério do Poder Popular para as Relações Exteriores da República Bolivariana da Venezuela repudia a declaração cinzenta e intrometida, redigida por funcionários do Itamaraty, que parece ter sido ditada pelo […]

today26 de março de 2024 2

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%