G1 Santos

Grávida de 13 anos tem atendimento negado em hospital, convulsiona e realiza parto de risco em SP

today25 de maio de 2022 8

Fundo
share close

Uma adolescente de 13 anos, grávida de 37 semanas e prestes a dar à luz, teve atendimento negado no Hospital Dr. Adhemar de Barros, em Apiaí, no interior de São Paulo, de acordo com denúncia da família.

A mãe da jovem disse que a filha estava se sentindo mal e foi “humilhada” durante o processo de triagem na unidade de saúde. Ainda segundo ela, a adolescente foi informada de que deveria procurar diagnóstico em outro local.

Ao g1, o irmão da jovem explicou:

“Ela chegou ao hospital quase desmaiando, e a enfermeira não teve a coragem de medir a pressão arterial. Falou para minha mãe que lá não fazia teste de gravidez, que na farmácia tinha teste por R$ 5. Minha mãe pediu ajuda e se propôs até a pagar a consulta se fosse possível, mas a enfermeira começou a fazer perguntas e deixou minha irmã constrangida e envergonhada”.

A família não sabia da gravidez, já que a jovem fez segredo porque estaria com medo de contar aos parentes. Ela conseguiu esconder a gestação durante os nove meses, até começar a passar mal e precisar de atendimento médico.



O caso foi registrado na Polícia Civil. Segundo relato da família no boletim de ocorrência, em 9 de maio a adolescente foi levada pela mãe ao hospital da cidade após acordar vomitando. As duas deixaram o hospital e foram até um laboratório particular para realizar o exame de sangue e comprovar a gravidez. Após a coleta, mãe e filha voltaram para casa e aguardaram o resultado.

No entanto, 1h30 depois, a adolescente voltou a passar mal e precisou voltar ao hospital. Como estava tendo convulsões, a adolescente precisou ser levada à sala de emergência. Segundo a família, foi necessário fazer uma cesariana de emergência e ficou cinco dias na UTI (leia mais abaixo).

O g1 entrou em contato com a Prefeitura de Apiaí, que administra o Hospital Dr. Adhemar de Barros, mas não havia obtido retorno até a última atualização desta reportagem.

LEIA TAMBÉM:

No processo de triagem no hospital, a mãe disse à enfermeira que suspeitava que a filha estivesse grávida. Foi nesse momento que a funcionária teria afirmado que a unidade “não é um posto de saúde, não é lugar para fazer pré-natal”.

Ainda segundo a mãe, a enfermeira se recusou a encaminhar a adolescente para o atendimento médico e começou a perguntar para a menor de idade: “Você fez sexo? Transou com alguém?”. Depois, pediu à adolescente que fizesse um teste de gravidez e que não voltasse ao hospital, mesmo em caso de resultado positivo.

“Eu implorando, pedindo para ela [a enfermeira] deixar minha filha passar no médico. Ela não ouviu o clamor de uma mãe. Se a gente vai ao hospital, vai para buscar ajuda, a gente não vai por brincadeira”, disse a mãe.

Após convulsão, jovem teve que passar por um parto de emergência — Foto: Arquivo Pessoal

Ainda de acordo com o boletim de ocorrência registrado pela família, elas deixaram o hospital e foram até um laboratório particular para realizar o exame de sangue e comprovar a gravidez. Após a coleta, mãe e filha voltaram para casa e aguardaram o resultado.

No entanto, 1h30 depois a adolescente voltou a passar mal e voltaram ao hospital onde ela foi levada para a sala de emergência, pois tinha convulsões.

Segundo a família, com o agravamento do estado de saúde da adolescente, foi necessário fazer uma cesariana de emergência.

Após o parto, a jovem precisou ser entubada e transferida para a Santa Casa de Misericórdia de Itapeva, onde permaneceu internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) por cinco dias. Segundo o irmão da jovem, ela chegou a ficar inconsciente.

A adolescente e o bebê recém-nascido receberam alta médica e passam bem. O registro na delegacia foi feito após a paciente deixar a unidade de saúde. O irmão da adolescente contou que a família está revoltada, pois, mesmo após a elaboração do boletim policial, a funcionária da unidade de saúde continua trabalhando.

“Foi feito o boletim, mas não sabemos se vai dar em alguma coisa. Estamos tentando, pois não queremos que isso aconteça com mais ninguém, pois uma vida não é brincadeira”, disse ao g1.

A mãe diz que ficou aliviada com o desfecho. “Fiquei muito indignada com tudo o que aconteceu. Por causa de uma negligência minha filha foi entubada. Graças a Deus tudo saiu bem, mas e se eu tivesse perdido minha filha?”

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

dentista-diagnosticada-com-hipotireoidismo-relata-mudancas-nos-sintomas-apos-tratamento;-medico-explica-doenca-e-faz-alerta

G1 Santos

Dentista diagnosticada com hipotireoidismo relata mudanças nos sintomas após tratamento; médico explica doença e faz alerta

A dentista Renata Carvalho, de 35 anos, moradora de Guarujá, no litoral de São Paulo, completa dois anos de tratamento do hipertireoidismo em junho. Ela conta ter mais qualidade de vida, após o diagnóstico. Nesta quarta-feira (25), Dia Internacional da Tireoide, o médico Jefferson França ressalta a importância de estar atento a possíveis sinais da doença, como mudanças no humor, dores musculares e dificuldade de concentração, para buscar ajuda e […]

today25 de maio de 2022 20

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%