G1 Mundo

Guerra do Vietnã, 50 anos depois: 7 razões para a derrota dos EUA

today30 de março de 2023 5

Fundo
share close

No aniversário de 50 anos da retirada final das tropas de combate dos EUA (29 de março de 1973), perguntamos a três especialistas e acadêmicos como os EUA perderam a Guerra do Vietnã.

Era o auge da Guerra Fria, e as potências comunistas e capitalistas mundiais se enfrentavam.

A França, falida pela Segunda Guerra Mundial, tentou e falhou em manter sua colônia na Indochina, e uma conferência de paz dividiu o que hoje é o Vietnã em um norte comunista e um estado apoiado pelos Estados Unidos no sul.



Mas a derrota dos franceses não acabou com o conflito no país e, movidos pelo medo de que, se todo o Vietnã se tornasse comunista, os países vizinhos também o fizessem, os EUA foram para uma guerra que duraria uma década e custaria milhões de vidas.

Então, como a principal potência militar do mundo perdeu uma guerra para uma insurgência e um estado recém-formado no empobrecido sudeste da Ásia? Aqui está o que três especialistas, autores e acadêmicos têm a dizer sobre algumas das explicações mais comuns.

O trabalho era grande demais

No auge do conflito, os EUA tinham mais de 500 mil soldados no Vietnã — Foto: Corbis via Getty Images/BBC

Certamente, lutar uma guerra do outro lado do mundo foi um empreendimento verdadeiramente imenso.

No auge da guerra, os EUA tinham mais de meio milhão de soldados no Vietnã.

Em 2008, um relatório do Congresso dos EUA estimou que o gasto total com a guerra foi de US$ 686 bilhões (mais de US$ 950 bilhões em valores atuais). Mas os EUA gastaram mais de quatro vezes isso na Segunda Guerra Mundial e prevaleceram, e travaram uma guerra de longa distância na Coreia, então não havia falta de confiança.

Luke Middup, especialista em política externa e de defesa dos EUA na Universidade de St Andrews, no Reino Unido, diz que havia um sentimento geral de otimismo nos primeiros anos da guerra.

“Esta é uma das coisas realmente estranhas que marcam toda a Guerra do Vietnã“, disse ele à BBC. “Os EUA estão perfeitamente cientes dos muitos problemas – há muito ceticismo sobre se o exército dos EUA pode operar neste ambiente e, no entanto, o governo dos EUA até 1968 estava confiante de que acabará vencendo.”

Essa convicção diminuiria, no entanto – foi particularmente prejudicada pela ofensiva comunista do Tet em janeiro de 1968 – e acabaria sendo a falta de apoio do Congresso para pagar pela guerra que forçaria a retirada das tropas de combate dos EUA em 1973.

No entanto, Middup questiona se as tropas de combate dos EUA deveriam ter estado no Vietnã, assim como uma segunda acadêmica, Nguyen Hoang Anh, professora universitária de Hanói.

Ela cresceu no Vietnã do Norte durante a guerra e experimentou o bombardeio americano de áreas urbanas em primeira mão, e diz que é inequívoco que as tropas americanas não tinham nada a ver com o Vietnã.

“Na minha opinião, os americanos fizeram muito pelo governo norte-vietnamita, porque todos os seus pecados e erros foram atribuídos à necessidade da guerra e foram facilmente perdoados – desde que vencessem”, diz ela.

As forças dos EUA eram inadequadas para este tipo de combate

Os filmes de Hollywood frequentemente retratam jovens soldados americanos lutando para sobreviver em um ambiente de selva, enquanto insurgentes vietcongues navegam habilmente pela densa vegetação rasteira para lançar um ataque surpresa.

“Qualquer exército de grande escala terá dificuldade em lutar em alguns dos ambientes em que os EUA foram solicitados a lutar”, diz Middup.

“Há partes do local que têm o tipo mais denso de selva que você pode encontrar no sudeste da Ásia.”

No entanto, diz ele, a diferença de competência entre os dois lados pode ser exagerada.

“Há um mito que se forma durante a guerra de que o exército dos EUA não pode lidar com o meio ambiente, de alguma forma os norte-vietnamitas e vietcongues estão acostumados com isso – isso não é verdade“, diz ele.

“O exército norte-vietnamita e o vietcongue lutaram imensamente para navegar neste ambiente também.”

De acordo com Middup, é mais significativo que foram os insurgentes que escolheram a hora e o local da batalha, e eles foram capazes de recuar para portos seguros através da fronteira no Laos e no Camboja, onde as forças americanas em perseguição eram normalmente proibidas de seguir.

O professor Tuong Vu, chefe do departamento de Ciência Política da Universidade de Oregon, nos Estados Unidos, disse que foi o foco dos Estados Unidos no combate aos guerrilheiros vietcongues que levou à derrota.

“A insurgência do sul nunca teria sido capaz de derrotar Saigon”, disse ele à BBC.

Mas esse erro estratégico, diz ele, permitiu que tropas regulares do exército norte-vietnamita entrassem no sul, e seriam essas forças infiltradas que venceriam a guerra.

Os EUA perderam a guerra em casa

Este conflito é frequentemente denominado “a primeira guerra televisiva” e o grau de cobertura da mídia que recebeu foi sem precedentes.

Em 1966, os Arquivos Nacionais dos EUA estimam que 93% das famílias americanas tinham um aparelho de TV e as imagens que assistiam eram menos censuradas e mais imediatas do que em conflitos anteriores.

É por isso que as cenas de combate ao redor do complexo da embaixada dos EUA em Saigon durante a ofensiva do Tet foram tão poderosas. O público viu quase em tempo real que os vietcongues foram capazes de levar o conflito diretamente ao coração do governo do sul – e às salas de estar do público americano.

A partir de 1968, a cobertura foi amplamente desfavorável à guerra – imagens de civis inocentes sendo mortos, mutilados e torturados foram exibidas na TV e nos jornais e muitos americanos ficaram horrorizados e se voltaram contra a guerra.

Um enorme movimento de protesto surgiu com grandes eventos em todo o país.

As autoridades e os manifestantes frequentemente entravam em confronto — Foto: Corbis via Getty Images/BBC

Em uma dessas manifestações, em 4 de maio de 1970, quatro manifestantes estudantis pacíficos na Kent State University em Ohio (EUA) foram mortos a tiros por guardas nacionais.

“O Massacre do Estado de Kent” apenas fez com que mais pessoas se voltassem contra a guerra.

Um recrutamento extremamente impopular de jovens também teve um efeito desastroso na opinião pública, assim como as imagens dos caixões de soldados americanos voltando para casa – cerca de 58.000 soldados americanos morreram ou desapareceram na guerra.

Para o professor Vu, esta foi uma grande vantagem para o norte: embora suas perdas fossem muito maiores, seu estado totalitário tinha controle absoluto sobre a mídia e o monopólio da informação.

“Os EUA e o Vietnã do Sul não tinham a capacidade e a vontade de moldar a opinião pública na medida em que os comunistas podiam”, diz ele. “Eles têm um sistema de propaganda massivo. Eles fecharam a fronteira e reprimiram a dissidência. Quem discordasse da guerra era mandado para a prisão.”

Nguyen, do Norte, concorda: “A América perdeu a guerra da mídia. O Vietnã do Norte estava completamente isolado do mundo, então os erros de seu governo não foram revelados, o mundo apenas os via como justos. Mas as imagens das atrocidades da América se espalharam por toda parte.”

Os EUA perderam a batalha da aprovação pública no Vietnã do Sul

Suspeitos vietcongues são presos – Prof Vu estima que talvez um terço da população do sul simpatizasse com os comunistas — Foto: Corbis via Getty Images/BBC

Este foi um conflito excepcionalmente brutal que viu os EUA utilizarem uma grande variedade de armas horríveis.

O uso de napalm (um incendiário petroquímico que queima a 2.700°C e se apega a tudo o que toca) e o agente laranja (outro produto químico usado para prejudicar a cobertura florestal inimiga, mas que também matou plantações causando fome) teve efeitos particularmente adversos na percepção dos EUA entre as populações rurais.

Missões de “busca e destruição” mataram inúmeros civis inocentes em eventos como o massacre de My Lai em 1968, em que soldados americanos assassinaram várias centenas de civis vietnamitas no incidente mais infame da Guerra do Vietnã.

O número de civis mortos afastou uma população local que também não estava necessariamente inclinada a apoiar o vietcongue.

“Não é como se a grande maioria dos sul-vietnamitas fossem comunistas comprometidos – a maioria das pessoas só queria seguir com suas vidas e evitar a guerra na medida do possível”, diz Middup.

Vu concorda que os EUA tiveram dificuldade para conquistar corações e mentes.”É sempre difícil para um exército estrangeiro fazer as pessoas felizes – você sempre esperaria que não fosse especialmente amado”, diz ele.

Nguyen vai ainda mais longe.

“Não eram apenas os nortistas que eram antiamericanos, mas também os sulistas. Quem trabalhava em agências americanas no sul, principalmente mulheres, era muito discriminado. O fato de os americanos estarem estacionados no Vietnã e comandarem o exército sul-vietnamita fez com que todos os vietnamitas odiassem os EUA e desconfiassem de suas ideias”.

Os comunistas tinham mais apoio

Middup acredita que, em geral, as pessoas que escolheram lutar no lado comunista estavam muito mais empenhadas em vencer do que as pessoas que foram convocadas para lutar no lado sul-vietnamita.

“Existem estudos que os EUA fizeram durante a guerra que confirmam um grande número de interrogatórios de prisioneiros comunistas”, diz ele.

“Tanto o departamento de defesa dos EUA quanto a corporação Rand (um think-tank associado aos militares dos EUA) produziram esses estudos de motivação e moral que analisam por que os norte-vietnamitas e vietcongues lutaram, e a conclusão a que todos chegaram unanimemente é que eles estavam motivados porque veem o que estão fazendo como patriótico, ou seja, reunificar o país sob um único governo.”

A capacidade das forças comunistas de continuar, apesar do enorme número de baixas, talvez também seja uma evidência da força de seu moral.

A liderança dos EUA estava obcecada com a ideia da contagem de corpos – se eles conseguissem matar o inimigo mais rápido do que aquelas tropas pudessem ser substituídas, os comunistas perderiam a vontade de lutar.

Cerca de 1.100.000 combatentes norte-vietnamitas e vietcongues foram mortos durante a guerra, mas os comunistas pareceram capazes de repor seus números até o final da guerra.

O professor Vu não tem certeza se o norte estava com o moral melhor, mas admite que a doutrinação pelas quais as tropas do norte foram submetidas os “armaram”.

“Eles conseguiram fazer as pessoas acreditarem na causa. Graças aos sistemas de propaganda e educação, conseguiram transformar as pessoas em balas.”

Nguyen não faz menção a doutrinação, mas descreve uma notável percepção de propósito no norte. Todos “estavam determinados a se opor ao exército dos EUA. Aceitamos todas as perdas, dores e até injustiças, acreditando que, com o fim da guerra, tudo ficaria melhor”.

O governo do Vietnã do Sul era impopular e corrupto

Middup vê que um problema central que o sul enfrentou foi a falta de credibilidade e uma associação com o antigo poder colonial.

“A divisão entre o Vietnã do Norte e do Sul sempre foi artificial, provocada pela Guerra Fria”, diz ele, “não há razão cultural, étnica ou linguística para dividir o Vietnã em dois países”.

Ele acredita que o sul passou a ser dominado por uma minoria religiosa – os católicos.

Embora esse grupo representasse talvez apenas 10 a 15% da população na época (o Vietnã é majoritariamente budista), muitos do norte fugiram para o sul com medo da perseguição, criando o que o Middup chama de “uma massa crítica” na política do sul.

E esses políticos do sul, como o primeiro presidente do sul, Ngo Dinh Diem, tinham amigos católicos poderosos nos Estados Unidos – pessoas como o presidente John F. Kennedy. Mais tarde, Diem seria deposto e morto em um golpe apoiado pela CIA em 1963.

Essa dominação por uma minoria religiosa “tornou o estado sul-vietnamita impopular para a grande maioria da população, que era budista”, diz Middup.

Isso, ele acredita, levou a uma crise de legitimidade e a um governo que era visto pela maioria dos vietnamitas como uma importação estrangeira, um legado do colonialismo francês, já que muitos católicos lutaram com os franceses.

“A própria presença de meio milhão de soldados dos EUA sublinha o fato de que este governo está contando com estrangeiros em todos os sentidos concebíveis”, acrescenta o Dr. Middup. “O Vietnã do Sul nunca foi um projeto político que pudesse convencer um grande número de pessoas de que valia a pena lutar e morrer por ele.”

Isso, diz ele, levanta a questão de saber se as tropas americanas deveriam ter sido enviadas para sustentar um estado que ele descreve como repleto de corrupção.

“Desde o início até a destruição, [a República do Vietnã] é um estado incrivelmente corrupto, que piorou com a enorme infusão de ajuda dos EUA de 1960 a 1975 – isso distorce completamente a economia sul-vietnamita”, diz ele.

“Basicamente significa que ninguém pode obter qualquer cargo, seja civil ou militar, sem pagar propina.” Isso, ele acredita, tem profundas ramificações para as forças armadas.

“O que isso implica é que os EUA nunca poderão construir um exército sul-vietnamita confiável e competente“, diz ele.

“E assim sempre foi inevitável – e foi reconhecido como inevitável pelo (presidente dos EUA) Richard Nixon – que, quando as tropas dos EUA saíssem em algum ponto indeterminado no futuro, o estado sul-vietnamita entraria em colapso.”

Os EUA e o Vietnã do Sul enfrentaram mais limites do que o Norte

Vu não concorda que a derrota para o sul era inevitável e sente que os estudos americanos sobre o Vietnã geralmente procuram desculpas sobre o tema.

“Eles querem alguém para culpar pela perda, e os mais fáceis de culpar são os sul-vietnamitas”, diz ele, acrescentando que as críticas à corrupção e ao favoritismo dos católicos são exageradas nos relatórios americanos.

“Houve muita corrupção, mas não no nível que causou a perda da guerra. Criou muitas ineficiências e unidades militares ineficazes, mas no geral, os militares sul-vietnamitas lutaram muito bem”, argumenta.

Tão bem, acredita Vu, que teria sido melhor para o sul – que perdeu de 200.000 a 250.000 soldados durante a guerra – ter feito todo o combate, embora com armas e fundos americanos.

No final, para Vu, o fator decisivo foi a capacidade do norte de permanecer em pé de guerra total por muito tempo – uma concentração de esforços que o sul mais liberal não conseguiu igualar.

A natureza do sistema político significava que o público acreditava na guerra e sabia menos sobre as baixas.

“Os EUA e o Vietnã do Sul simplesmente não foram capazes de moldar a opinião pública da maneira que os comunistas conseguiram”, diz o professor Vu.

“Apesar da grande perda de mão de obra, eles ainda podiam se mobilizar”, observa ele, o que significava que táticas militares envolvendo ataques suicidas estavam disponíveis ao norte, mas não ao sul.”

Crucialmente, acrescenta ele, o apoio financeiro e militar ao norte da União Soviética e da China não vacilou, como aconteceu com o apoio dos EUA ao sul.

Para Nguyen, o Vietnã (assim como o Afeganistão) nos ensina uma lição valiosa.

“Todos os países devem resolver seus próprios problemas – os de fora devem apenas apoiar”, diz ela.

“Pensando pessoalmente, acho que se os americanos tivessem apoiado o presidente Diem em vez de derrubá-lo, a situação poderia ter sido diferente. O Vietnã poderia ter se tornado semelhante à Coreia? Mais tarde, quando tive mais informações, entendi que os americanos não estavam totalmente errados, mas a forma como conduziram a guerra fez com que a maioria dos vietnamitas não os aceitasse.”

Garota da foto na Guerra do Vietnã passa por último tratamento de pele depois de 50 anos

Garota da foto na Guerra do Vietnã passa por último tratamento de pele depois de 50 anos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

orquestra-sinfonica-de-santos-abre-a-temporada-2023-nesta-quinta-feira;-confira-a-programacao

G1 Santos

Orquestra Sinfônica de Santos abre a temporada 2023 nesta quinta-feira; confira a programação

A Orquestra Sinfônica de Santos, no litoral de São Paulo, começa a temporada 2023 nesta quinta-feira (30), às 20h30. Segundo a prefeitura, serão realizados 15 concertos ao longo do ano, e o público vai poder conferir repertório bem variado, do erudito ao hip-hop. (Veja a programação completa abaixo). A estreia da temporada trará "Sonatina", composta por Edino Krieger, com a orquestração do maestro Aylton Escobar e o "Concerto para Orquestra", […]

today30 de março de 2023 20

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%