G1 Mundo

Guerra Israel-Hamas: como foram as negociações para libertar reféns que envolveram 4 países

today23 de novembro de 2023 6

Fundo
share close

Foi assim que começou o “processo extremamente excruciante de cinco semanas” envolvendo quatro países, coordenação entre especialistas em espionagem e ligações presidenciais de alto risco, segundo uma fonte da Casa Branca.

Quando o acordo foi anunciado, o responsável pelas negociações deu detalhes a jornalistas sobre como tudo aconteceu.

O Catar liderou os esforços, disse ele, aproximando-se de Israel e dos EUA com uma proposta para estabelecer uma célula que trabalharia de forma silenciosa e intensa na questão. Doha atuou como principal canal para o Hamas, mas o Egito também fez parte do complexo acordo de negociação.



O primeiro avanço ocorreu em 23 de outubro, quando o Hamas libertou duas mulheres americanas. Esse foi o projeto “piloto” que “comprovou o conceito”, disse o responsável.

Depois disso, os esforços para uma etapa mais ampla de negociação começaram.

Israel delegou o chefe da Mossad, David Barnea, como seu negociador. Ele atuou e manteve contato regular com o chefe da CIA, Bill Burns, sobre os contornos de um acordo.

O processo foi demorado porque as mensagens tiveram de ser passadas de Doha ou do Cairo para o Hamas em Gaza — e posteriormente respondidas seguindo o caminho inverso.

As conversas também foram altamente técnicas, elaborando meticulosamente detalhes sobre corredores para a passagem dos reféns, vigilância, prazos e números de pessoas libertadas.

A fonte do governo americano disse que o presidente dos EUA, Joe Biden, estava “direta e pessoalmente” engajado na libertação dos sequestrados, convocando os líderes de Israel e do Catar em momentos críticos.

Biden viu um acordo de reféns como o “único caminho realista para garantir uma pausa humanitária de vários dias nos combates”, disse. Segundo ele, os israelenses deixaram claro que não iriam parar a sua ofensiva por nenhum outro motivo.

Esse cálculo faz parte do acordo, que propõe prolongar a suspensão das hostilidades se o Hamas libertar mais reféns.

“Também temos confiança de que enquanto estivermos no período de pausa, mais mulheres e crianças vão aparecer”, acrescentou.

Um dos pontos críticos foi a inabilidade do Hamas de identificar claramente quem estaria no grupo inicial de 50 reféns libertados. Essa informação só foi conhecida de fato quando o presidente Biden ligou para o emir do Catar e disse que, sem esses detalhes, o acordo seria rompido, segundo conta a fonte da administração americana.

Mas, no momento em que o pacto parecia prestes a ser concluído, em meados de novembro, o processo estagnou. Segundo a fonte, isso aconteceu porque as comunicações com o Hamas “ficaram obscuras“.

O funcionário disse que após as comunicações serem restauradas ainda demorou algum tempo para resolver as lacunas no acordo, que é extremamente detalhado devido ao alto nível de desconfiança de Israel e dos EUA em relação ao Hamas.

A fonte americana evitou responder perguntas sobre se o acordo de reféns e o canal de negociações poderiam oferecer um caminho para acabar com a guerra.

Mas segundo ele, no que diz respeito aos reféns, “o que acabei de descrever nas últimas cinco semanas não vai parar. À medida que passamos por esta fase inicial, estamos determinados a levar todos para casa”.

Acordo entre Israel e Hamas é celebrado por líderes de diversos países

Acordo entre Israel e Hamas é celebrado por líderes de diversos países

Segundo um comunicado divulgado pelo governo israelense, em uma primeira leva, 50 reféns — crianças e mulheres — serão soltas durante quatro dias. Enquanto isso, o conflito será pausado temporariamente.

“A soltura adicional de cada grupo de 10 reféns resultará em um dia adicional na pausa”, diz um trecho do comunicado de Israel.

Israel libertará, então, 150 palestinos. Em seguida, Israel se comprometeu a libertar “até” mais 150 palestinos detidos se “até” mais 50 reféns forem libertados de Gaza.

A lista foi publicada devido a uma formalidade em Israel. Antes de qualquer libertação de prisioneiros, os cidadãos israelenses devem ter 24 horas para entrar com um recurso na Suprema Corte israelense.

Segundo informações obtidas pela BBC, a suspensão dos conflitos deveria começar às 10h (às 5h no horário de Brasília) desta quinta-feira (23), enquanto a troca de prisioneiros ocorreria por volta do meio-dia.

Uma fonte do governo israelense, porém, disse que permuta deve ser adiada para sexta (24). Com isso, a ofensiva em Gaza continua.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

homem-condenado-por-canibalismo-e-agraciado-por-putin-apos-lutar-na-ucrania

G1 Mundo

Homem condenado por canibalismo é agraciado por Putin após lutar na Ucrânia

O caso abriu um tímido debate na Rússia sobre a pertinência da política de concessão da graça presidencial, defendida pelo Kremlin. Nikolai Ogolobiak foi condenado a 20 anos de prisão em 2010, acusado de integrar uma seita satanista que assassinou adolescentes. Os corpos das vítimas foram cortados em pedaços e comidos pelos assassinos. Obolobiak voltou para casa no início de novembro, após cumprir seis meses de serviço no front ucraniano, […]

today23 de novembro de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%