G1 Mundo

Guerra na Ucrânia: por que planos de Putin falharam e o que a Rússia quer agora

today24 de fevereiro de 2023 11

Fundo
share close

Após uma série de retiradas humilhantes, seu plano inicial de invasão claramente fracassou — mas a Rússia não vê a guerra como perdida.

Qual era o objetivo inicial de Putin?

Até hoje, o líder russo descreve a maior invasão europeia desde o fim da Segunda Guerra Mundial como uma “operação militar especial”. E não como uma guerra em larga escala que bombardeou civis em toda a Ucrânia, levando mais de 13 milhões a cruzar a fronteira como refugiados ou a se deslocar dentro do próprio país.



Seu objetivo declarado em 24 de fevereiro de 2022 era “desmilitarizar e desnazificar” a Ucrânia — e não ocupá-la pela força —, dias depois de reconhecer a independência de duas regiões separatistas no leste da Ucrânia, ocupadas por forças rebeldes apoiadas pela Rússia desde 2014.

Ele prometeu proteger a população de oito anos de intimidação e genocídio ucranianos — uma alegação da propaganda russa sem qualquer fundamento na realidade. Ele falou em impedir o avanço da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) por meio da Ucrânia, e depois acrescentou o objetivo de garantir o status neutro da Ucrânia.

Putin nunca disse isso com todas as letras, mas no topo da sua agenda estava derrubar o governo do presidente eleito da Ucrânia, Volodymyr Zelensky.

“O inimigo me designou como alvo número um; minha família é o alvo número dois”, declarou Zelensky. As tropas russas fizeram duas tentativas de invadir o complexo presidencial, segundo o assessor dele.

As alegações russas de nazistas ucranianos cometendo genocídio nunca fizeram sentido, mas a agência de notícias estatal russa Ria Novosti explicou que “a desnazificação é também inevitavelmente a desucranização” — que, na prática, seria apagar o Estado moderno da Ucrânia.

Durante anos, o presidente russo negou à Ucrânia sua soberania, escrevendo em um longo artigo de 2021 que “russos e ucranianos eram um só povo”, o que remontaria ao fim do século 9.

Como Putin mudou seus objetivos de guerra

Um mês após a invasão, suas metas de campanha foram drasticamente reduzidas depois que suas tropas bateram em retirada de Kiev e Chernihiv. O objetivo principal se tornou então a “libertação de Donbas” — que se refere amplamente a Luhansk e Donetsk, duas regiões industriais no leste da Ucrânia.

Forçada a se retirar também de Kharkiv, no nordeste, e de Kherson, no sul do país, a Rússia manteve seus objetivos inalterados, mas tem mostrado pouco sucesso em alcançá-los.

Esses reveses no campo de batalha levaram o líder russo a anexar quatro províncias ucranianas em setembro passado, sem ter controle total sob nenhuma delas: nem sob Luhansk ou Donetsk, no leste, nem sob Kherson ou Zaporizhzhia, ao sul.

Putin anunciou a primeira convocação militar da Rússia desde a Segunda Guerra Mundial, embora parcial e limitada a cerca de 300 mil reservistas.

Uma guerra de atrito está ocorrendo agora ao longo de uma linha de frente ativa de 850 km — e as vitórias russas são pequenas e raras. O que era para ser uma operação rápida, se tornou uma guerra prolongada que os líderes do Ocidente estabeleceram que a Ucrânia deve vencer. Qualquer perspectiva realista de neutralidade para a Ucrânia já não existe mais.

Putin alertou em dezembro que a guerra “poderia ser um processo demorado”, mas depois acrescentou que o objetivo da Rússia era “não girar o volante do conflito militar”, mas acabar com ele.

O maior sucesso que Putin pode reivindicar é estabelecer uma ponte terrestre ligando a fronteira da Rússia com a Crimeia, anexada ilegalmente em 2014, de modo a não depender mais da ponte sobre o Estreito de Kerch.

Ele falou da captura deste território, que inclui as cidades de Mariupol e Melitopol, como um “resultado significativo para a Rússia“. O Mar de Azov, dentro do Estreito de Kerch, “se tornou o mar interno da Rússia“, ele declarou, lembrando que nem mesmo o czar russo Pedro, o Grande, conseguiu isso.

Além de tomar um corredor territorial para a Crimeia, a guerra foi um desastre para a Rússia em si e para o país em que foi desencadeada. Até agora, conseguiu pouco mais do que expor a brutalidade e a inadequação das forças armadas russas.

Enquanto cidades como Mariupol foram arrasadas, vieram à tona detalhes de crimes de guerra cometidos contra civis em Bucha, perto de Kiev. As denúncias levaram a um relatório independente que acusa a própria Rússia de incitação ao genocídio orquestrada pelo Estado.

Mas são os fracassos militares que expõem a fragilidade Rússia:

  • A retirada de 30 mil soldados russos de Kherson pelo Rio Dnipro, em novembro, foi uma falha estratégica;
  • Um comboio blindado de 56 km que parou de avançar perto de Kiev, no início da guerra, foi uma falha logística;
  • As mortes de um grande número de soldados recém-convocados em um ataque de mísseis ucraniano no ano novo, em Makiivka, foram uma falha de inteligência;
  • O naufrágio do Moskva, principal cruzador russo do Mar Negro, foi uma falha defensiva, assim como o ataque espetacular em outubro de 2022 que fechou a ponte do Estreito de Kerch por semanas.

As advertências feitas pela Rússia ao Ocidente contra armar a Ucrânia foram ignoradas, com garantias de apoio do Ocidente “pelo tempo que for necessário”.

A artilharia da Ucrânia foi reforçada por mísseis Himars, fabricados nos EUA, e a promessa de tanques alemães Leopard 2.

Mas a guerra não acabou. A luta por Donbas continua. A Rússia capturou a cidade de Soledar neste ano e espera tomar a cidade de Bakhmut, ao leste, na rota para cidades-chave a oeste, além de recapturar o território que perdeu no outono passado.

Especialistas acreditam que Putin vai tentar ampliar o controle das quatro regiões que declarou fazerem parte da Rússia, não apenas em Donbas, mas em direção à cidade-chave de Zaporizhzhia.

Se for necessário, o presidente russo pode estender a mobilização militar e prolongar a guerra. A Rússia é uma potência nuclear, e ele indicou que estaria disposto, se necessário, a usar armas nucleares para proteger a Rússia e manter as terras ucranianas ocupadas.

“Certamente faremos uso de todos os sistemas de armas disponíveis. Não é um blefe”, alertou.

Kiev acredita que a Rússia também está tentando depor o governo pró-europeu na Moldávia, onde as tropas russas estão baseadas na região separatista da Transnístria, na fronteira com a Ucrânia.

Aos 70 anos, Putin tentou se distanciar dos fracassos militares, mas sua autoridade, pelo menos fora da Rússia, foi minada — e ele faz poucas viagens além das fronteiras do país.

Internamente, a economia da Rússia aparentemente resistiu a uma série de sanções ocidentais, embora o déficit orçamentário tenha disparado e as receitas de petróleo e gás tenham caído drasticamente.

Qualquer tentativa de avaliar sua popularidade esbarra em dificuldades.

A dissidência na Rússia é altamente arriscada, com penas de prisão aplicadas a qualquer um que espalhe “notícias falsas” sobre os militares russos. Aqueles que se opõem ao governo da Rússia fugiram ou foram colocados atrás das grades, como aconteceu com a principal figura da oposição, Alexei Navalny.

Mudança da Ucrânia para o Ocidente

As sementes desta guerra foram plantadas em 2013, quando Moscou convenceu o então líder pró-Rússia da Ucrânia a cancelar um pacto planejado com a União Europeia, provocando protestos que acabaram por derrubá-lo e levaram a Rússia a tomar a Crimeia e preparar a apropriação de terras no leste.

Quatro meses após a invasão da Rússia em 2022, a União Europeia concedeu à Ucrânia o status de candidata — e Kiev está pressionando para o país ser aceito o mais rápido possível.

O líder russo de longa data também estava desesperado para impedir que a Ucrânia entrasse na órbita da Otan, mas sua tentativa de culpar a aliança militar do Ocidente pela guerra é falsa.

A Ucrânia não apenas concordou antes da guerra com um acordo provisório com a Rússia para ficar fora da Otan, como o presidente Zelensky se ofereceu, em março, para manter a Ucrânia como um Estado não-alinhado e não-nuclear: “É uma verdade e precisa ser reconhecida .”

A Otan é culpada pela guerra?

Os Estados membros da Otan têm enviado cada vez mais sistemas de defesa aérea à Ucrânia para proteger suas cidades, assim como sistemas de mísseis, artilharia e drones que ajudaram a virar o jogo contra a invasão russa.

Mas a aliança militar não é culpada pela guerra. A expansão da Otan vem como uma resposta à ameaça russa — Suécia e Finlândia só solicitaram adesão por causa da invasão.

Culpar a expansão da Otan para o leste é uma narrativa russa que ganhou algum espaço na Europa. Antes da guerra, Putin exigiu que a Otan voltasse no tempo para 1997 e retirasse suas forças e infraestrutura militar da Europa Central, do leste europeu e dos países bálticos.

A seus olhos, o Ocidente prometeu em 1990 que a Otan não se expandiria “nem um centímetro para o leste”, mas avançou assim mesmo. No entanto, como isso foi antes do colapso da União Soviética, a promessa feita ao então presidente soviético Mikhail Gorbachev se referia apenas à Alemanha Oriental no contexto de uma Alemanha reunificada.

Gorbachev disse mais tarde que “o tema da expansão da Otan nunca foi discutido” na época.

A Otan afirma que nunca teve a intenção de mobilizar tropas de combate em seu flanco oriental, até que a Rússia anexou a Crimeia ilegalmente em 2014.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

itamaraty-ve-em-resolucao-aprovada-na-onu-abertura-para-a-proposta-de-lula-sobre-o-fim-da-guerra

G1 Mundo

Itamaraty vê em resolução aprovada na ONU abertura para a proposta de Lula sobre o fim da guerra

O presidente Lula tem defendido que um grupo de nações entre no cenário para fazer negociações entre os dois países do conflito. "Por uma proposta do Brasil, foi incluído no parágrafo quinto [da resolução] uma exortação à cessação das hostilidades. Com isso, abre-se um espaço para que haja o que o presidente Lula sugeriu tantas vezes, que é um grupo de países que falem com as duas partes, que tenham […]

today24 de fevereiro de 2023 17

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%