G1 Mundo

Hachiko: a história do cão ‘mais fiel do mundo’, que faria 100 anos

today4 de julho de 2023 8

Fundo
share close

Ele conta a história real de Hachiko, o cão que continuou esperando pelo dono em uma estação de trem no Japão muito tempo depois da morte dele.

O cachorro da raça Akita Inu, nascido há cem anos, já foi lembrado de diversas maneiras — em livros, filmes e até na série animada de ficção Futurama.

E a produção chinesa que está em cartaz nos cinemas do país — a terceira depois de uma versão japonesa em 1987, e uma protagonizada por Richard Gere em 2009 — é um sucesso de bilheteria.



Há histórias de outros cães leais, como o escocês Greyfriars Bobby, mas nenhuma com o impacto global de Hachiko.

Há, inclusive, uma estátua de bronze dele do lado de fora da estação de Shibuya, em Tóquio, onde esperou por seu dono por uma década.

A estátua foi erguida pela primeira vez em 1934, antes de ser reciclada como parte do esforço de desenvolvimento de material bélico durante a Segunda Guerra Mundial — e reerguida em 1948.

As crianças japonesas aprendem na escola a história de Chuken Hachiko — ou do cão leal Hachiko — como um exemplo de devoção e fidelidade.

Hachiko representa o “cidadão japonês ideal” com sua “devoção inquestionável”, diz a professora Christine Yano, da Universidade do Havaí, nos EUA.

“Leal, confiável, obediente a um mestre, que compreende seu lugar no esquema mais amplo das coisas, sem depender da racionalidade”, explica.

Hachiko nasceu em novembro de 1923 na cidade de Odate, na província de Akita, local de origem da raça Akita.

Akita é um cão japonês de grande porte — uma das raças mais antigas e populares do país.

Designados pelo governo japonês como um ícone nacional em 1931, eles já foram treinados para caçar animais como javalis e alces.

A estátua de Hachiko do lado de fora da estação de Shibuya, em Tóquio. — Foto: Getty Imagens via BBC

“Os cães Akita são calmos, sinceros, inteligentes, corajosos [e] obedientes aos seus donos”, afirma Eietsu Sakuraba, autor de um livro infantil em inglês sobre Hachiko.

“Por outro lado, também tem uma personalidade teimosa e desconfia de qualquer pessoa que não seja seu dono.”

No ano em que Hachiko nasceu, Hidesaburo Ueno, um renomado professor de agricultura apaixonado por cães, pediu a um aluno que encontrasse um filhote de Akita para ele.

Após uma cansativa viagem de trem, o filhote chegou à residência de Ueno, no distrito de Shibuya, em 15 de janeiro de 1924.

A princípio, pensaram que estava morto.

Segundo a professora Mayumi Itoh, biógrafa de Hachiko, Ueno e a esposa, Yae, cuidaram dele ao longo de seis meses até se recuperar.

Ueno o chamou de Hachi, que significa “oito” em japonês. O sufixo “Ko” foi acrescentado pelos alunos dele.

Ueno pegava um trem para o trabalho várias vezes por semana. Ele ia até a estação de Shibuya acompanhado de seus três cachorros, incluindo Hachiko. O trio esperaria ali por seu retorno à noite.

Em 21 de maio de 1925, Ueno, então com 53 anos, morreu de hemorragia cerebral.

Hachiko estava com ele há apenas 16 meses.

“Enquanto as pessoas assistiam ao velório, Hachi sentiu o cheiro de Ueno na casa e entrou na sala. Ele rastejou para debaixo do caixão e se recusou a se mexer”, escreveu Itoh.

Hachiko passou os meses seguintes com diferentes famílias fora de Shibuya, mas, no verão de 1925, acabou ficando com o jardineiro de Ueno, Kikusaburo Kobayashi.

De volta à área onde seu falecido dono morava, Hachiko logo retomou o trajeto diário que fazia até a estação — podia fazer chuva ou fazer sol.

“À noite, Hachi ficava parado na catraca e olhava para cada passageiro como se estivesse procurando alguém”, escreve.

No início, os funcionários da estação acharam o comportamento inconveniente. Os vendedores de yakitori (espetinho) jogavam água em Hachiko, enquanto crianças pequenas batiam nele.

Mas depois que o jornal japonês Tokyo Asahi Shimbun escreveu sobre ele, em outubro de 1932, Hachiko ganhou fama nacional.

A estátua de Hachiko costuma ser ponto de encontro para manifestações de cunho político. — Foto: Getty Images via BBC

A estação recebia doações de alimentos para Hachiko todos os dias, enquanto visitantes vinham de todas as partes para vê-lo.

Poemas e haikus (forma de poesia japonesa) foram escritos sobre ele.

Em 1934, um evento de arrecadação de fundos para fazer uma estátua em homenagem a ele atraiu 3 mil pessoas.

A notícia da morte de Hachiko em 8 de março de 1935 foi estampada na capa de muitos jornais. Em seu funeral, monges budistas proferiram orações e dignitários leram discursos em homenagem a ele. Milhares de pessoas visitaram sua estátua nos dias que se seguiram.

No empobrecido Japão do pós-guerra, uma campanha de arrecadação de fundos para uma nova estátua de Hachiko conseguiu angariar 800 mil ienes, uma quantia enorme na época. Isso equivaleria a cerca de 4 bilhões de ienes hoje (aproximadamente R$ 134 milhões).

“Pensando bem, acho que ele sabia que Ueno não voltaria, mas continuou esperando. Hachiko nos ensinou o valor de manter a fé em alguém”, escreveu Takeshi Okamoto em um artigo de jornal em 1982.

Como estudante do ensino médio, ele via Hachiko na estação diariamente.

Homenagens a HachikoTodos os anos, no dia 8 de abril, é realizada uma cerimônia em homenagem a Hachiko do lado de fora da estação de Shibuya.

Ao longo do ano, a estátua dele costuma ser decorada com cachecóis, gorros de Papai Noel e, mais recentemente, máscaras cirúrgicas.

O corpo empalhado de Hachiko está em exposição no Museu Nacional da Natureza e da Ciência, em Tóquio. Seus demais restos mortais estão sepultados no Cemitério de Aoyama, ao lado de Ueno e Yae.

Também há estátuas dele em Odate, a cidade natal de Ueno, em Hisai, na Universidade de Tóquio e em Rhode Island, nos EUA, que foi cenário do filme americano de 2009.

Odate também tem uma série de eventos programados para este ano, quando Hachiko completaria cem anos.

Mas será que o cão mais leal do mundo ainda vai ser celebrado daqui a um século?

Yano acredita que sim, uma vez que o “heroísmo de Hachiko” não é definido por nenhum período específico — pelo contrário, é atemporal.

Sakuraba se mostra igualmente otimista.

“Daqui a cem anos, esse amor incondicional e devoto vai permanecer inalterado, e a história de Hachiko vai viver para sempre.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

fotografo-faz-registros-impressionantes-da-‘superlua’-entre-as-nuvens;-fotos

G1 Santos

Fotógrafo faz registros impressionantes da ‘superlua’ entre as nuvens; FOTOS

Fenômeno foi fotografado em Santos, no litoral de São Paulo, nesta segunda-feira (3). Fotógrafo registra 'superlua' em Santos (SP) — Foto: Silvio Luiz/A Tribuna Jornal Um repórter fotográfico fez registros impressionantes da 'superlua' desta segunda-feira (3), em Santos, no litoral de São Paulo. Ao g1, Silvio Luiz disse que, além da beleza natural do fenômeno, as nuvens ao redor da lua deixaram as imagens ainda mais bonitas. (veja mais abaixo) […]

today3 de julho de 2023 2

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%