G1 Mundo

Hong Kong aprova lei de segurança com pena perpétua; medida é vista como um novo passo da repressão da China na ilha

today20 de março de 2024 3

Fundo
share close

Segundo a agência de notícias Associated Press, os críticos da nova lei afirmam que o texto torna Hong Kong mais parecida com a China. A nova lei de segurança foi vista como um novo passo na repressão chinesa sobre a ilha.

Hong Kong pertenceu ao Reino Unido até 1997, quando passou a fazer parte da China. Na ocasião, foi feito um acordo conhecido como “um país, dois sistemas”, pelo qual ficava determinado que, apesar da a ilha ser parte da China, teria um alto grau de independência, inclusive para escolher o próprio governo.

Ao receber Hong Kong de volta em 1997, a China prometeu manter as liberdades civis que existiam na ilha.



Essas manifestações foram reprimidas: ativistas foram presos ou fugiram para outros países. Organizações sociais tiveram que se desfazer, e veículos de imprensa foram fechados.

Possuir um livro é uma violação

Pelo texto da nova lei aprovada, a simples posse de um livro crítico ao governo pode ser considerada uma ofensa grave, e as pessoas podem se processadas por atos cometidos em qualquer local do mundo.

O texto foi aprovado por unanimidade em uma sessão especial. Agora, o governo tem mais poderes para reprimir manifestações de oposição: foram criados novos crimes, que, de acordo com o “New York Times”, são definidos de maneira vaga, o que abre a possibilidade de enquadrar qualquer pessoa. Entre esses, estão “colaborar com forças externas” para cometer atos ilegais, espionagem, insurreição, traição e revelação de segredos de Estado.

O governo da China já tinha imposto uma lei parecida com essa em 2020, mas agora as autoridades de Hong Kong mesmo têm dispositivos legais para conseguir reprimir a oposição.

O Conselho Legislativo de Hong Kong é dominado por aliados do governo chinês depois de uma reforma eleitoral. Por isso, a tramitação da lei foi rápida: o texto foi apresentado no dia 8 e aprovado no dia 19 de março.

John Lee, o líder de Hong Kong, afirmou que a lei vai entrar em vigor já no sábado (23).

Reação de autoridades estrageiras

Em um comunicado, o secretário de Relações Exteriores do Reino Unido, David Cameron, disse que as definições pouco precisas do que é segurança nacional e interferência externa vão dificultar a vida das pessoas que trabalham em Hong Kong e que a nova lei vai continuar a “erodir as liberdades” na ilha.

O porta-voz do departamento de Estado dos EUA, Vedant Patel, disse à imprensa, que o governo americano está alarmado com as medidas, que eles consideram imprecisas, e que o texto poderia potencialmente “acelerar o fechamento da sociedade de Hong Kong”.

Volker Türk, comissário para direitos humanos da ONU, afirmou que a nova lei “é um passo regressivo para a proteção dos direitos humanos”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

em-derrota-para-biden,-suprema-corte-autoriza-texas-a-prender-imigrantes-que-cruzem-ilegalmente-a-fronteira;-mexico-diz-que-nao-vai-aceita-los-de-volta

G1 Mundo

Em derrota para Biden, Suprema Corte autoriza Texas a prender imigrantes que cruzem ilegalmente a fronteira; México diz que não vai aceitá-los de volta

Governo de Joe Biden entrou na Suprema Corte dos EUA para anular a lei estadual do Texas porque pela Constituição americana as questões ligadas à imigração são competência federal. Ainda sem tomar a decisão final, a Corte afirmou que, por ora, o estado pode manter a lei. Segundo o governo mexicano, a lei criminalizaria migrantes e levaria à separação de famílias e à discriminação racial.

today20 de março de 2024 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%