Notícias

Incêndios no Havaí: brasileiro que perdeu casa teve poucos minutos para fugir do fogo

today12 de agosto de 2023 7

share close

Há 20 anos morando em Maui, o fotógrafo santista Rodrigo Moraes teve sua casa destruída pelo fogo. O brasileiro é uma das milhares de pessoas atingidas pela tragédia desta semana, que reduziu a cinzas a cidade histórica de Lahaina, um dos principais polos turísticos na costa Oeste.

A combinação de vegetação seca, baixa umidade e rajadas de ventos que chegaram a 130 km/h trazidos pelo furacão Dora foi o combustível para a devastação.

“Começou com um pouco de fogo na montanha, ninguém se preocupou, só ficamos um pouco em alerta. Uma vez a gente olhou e estava bem pequena a fumaça e meia hora depois já a fumaça já estava tomando conta da cidade toda”, lembra o fotógrafo.



Moraes disse que não teve nenhum alerta e nem alarmes ordenando para evacuar. Ele saiu de caminhonete com a noiva, a californiana Michelle, e os dois filhos, Rio (2) e Isa (7), além do gato e do cachorro.

Cachorro e gato do fotógrafo santista Rodrigo Moraes, colocados no carro da família para fugir dos fogos no Havaí — Foto: Arquivo pessoal

“A gente olhou aquela fumaça toda e falei para minha noiva: ‘vamos embora’. Só deu tempo de pegar um pouco do meu equipamento de trabalho, ela fez uma bolsa de roupas, pegamos os passaportes e fomos embora com o meu carro, deixamos o dela [noiva] lá, porque a gente estava preocupado de que teria muito trânsito”.

Foram para uma montanha e ficaram estacionados na pista, moradores da região os convidaram para ficar em uma casa, mas após três horas o fogo também começou a chegar na localidade e tiveram que evacuar novamente.

“Para meu filho de dois anos é tudo uma festa, a de sete pergunta sobre os brinquedos. Mas a comunidade aqui é tão boa, já conseguimos doação de roupas e de outras coisas que a gente precisa. Estamos ficando na casa de conhecidos que deram uma quitinete que eles têm no fundo da casa para a gente ficar o tempo que precisar”.

A cunhada de Rodrigo também fez uma vaquinha virtual para arrecadar fundos para que a família se restabeleça. Nas redes sociais, Rodrigo também está compartilhando vaquinhas para amigos que passam pela mesma situação. O fotógrafo conta que vários brasileiros moravam em Lahaina também perderam tudo.

Uma visão de destroços queimados após incêndios florestais devastarem a cidade histórica de Lahaina no dia 10 de agosto — Foto: Departamento de Terras e Recursos Naturais do Havaí via Reuters

O fogo foi quase completamente contido, mas as cenas deixadas para trás lembram um cenário de guerra e já se somam 80 mortos à tragédia e ainda há muitos desaparecidos. O governador Josh Green alertou que o número provavelmente aumentará à medida que as operações de busca e resgate continuarem.

As autoridades não deram uma estimativa sobre quantas pessoas continuam desaparecidas. “Honestamente, não sabemos”, disse o chefe de polícia do condado, John Pelletier na coletiva à imprensa.

Na tarde desta sexta-feira (11), alguns residentes foram autorizados a retornar à devastada cidade histórica de Lahaina para verificar suas propriedades, mas há um toque de recolher em vigor das 22h às 6h, na área do desastre.

Calculam-se que cerca de mil edificações podem ter sido danificadas ou completamente destruídas e que a reconstrução da cidade, que já foi endereço de reis antes do Havaí pertencer aos Estados Unidos, deve levar anos e custar bilhões de dólares.

Ilha de Maui, no Havaí, enfrenta incêndios

Ilha de Maui, no Havaí, enfrenta incêndios

O Reino do Havaí foi estabelecido em 1795 depois que o rei Kamehameha, primeiro governante, conquistou várias ilhas no arquipélago.

Em 1802, ele mudou a capital para Lahaina que sempre preservou a cultura polinésia.

Dentre as perdas de patrimônio histórico estão uma igreja que neste ano, em maio, comemorou 200 anos e uma escola de imersão, uma das poucas do arquipélago que ensinam a língua e cultura havaiana e que dava assistência a crianças de famílias carentes locais.

No centro histórico está também uma das figueiras mais antigas dos Estados Unidos, plantada em 1873, que se expandiu por quase 2 mil m².

Funcionários do condado disseram que ela “parece queimada”, mas as raízes ainda podem estar saudáveis.

O incêndio de Lahaina já é o desastre natural mais mortal do estado do Havaí desde o tsunami de 1960, que matou 61 pessoas, na Big Island e, o incêndio florestal mais mortal nos Estados Unidos desde o de 2018 na Califórnia, que matou pelo menos 85 pessoas e devastou a cidade de Paradise.

Na sexta-feira, o fundador da Amazon, Jeff Bezos, e a noiva Lauren Sanchez doaram US$ 100 milhões “para ajudar Maui a se reerguer”, anunciou Sanchez nas redes sociais.

Família perde tudo em incêndio no Havaí

Família perde tudo em incêndio no Havaí




Todos os créditos desta notícia pertecem a Notícias.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

baixada-em-pauta-#143:-delegado-detalha-a-investigacao-da-morte-de-pm-da-rota-e-explica-os-proximos-passos

G1 Santos

Baixada em Pauta #143: Delegado detalha a investigação da morte de PM da Rota e explica os próximos passos

O PM Reis foi morto em 27 de julho, na Vila Julia. Mesmo usando colete, ele levou um tiro fatal a uma distância superior a 50 metros. No dia seguinte, foi deflagrada a Operação Escudo, e Guarujá recebeu aproximadamente 600 policiais. Desde então, mais de 340 pessoas foram presas, 16 foram mortas e quase uma tonelada de drogas foi apreendida. Embora o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), […]

today12 de agosto de 2023 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%