G1 Mundo

Inflação da Copa: com preços mais altos, ambulantes veem vendas minguarem em relação a 2018

today25 de novembro de 2022 10

Fundo
share close

Na quinta-feira (24), dia de estreia da seleção brasileira na Copa do Catar, a reportagem do g1 foi até a Rua 25 de Março, principal concentração de comércio de rua de São Paulo, para entender a percepção desses vendedores.

“Está parado para todo mundo. Está muito ruim. E aumentaram muito as coisas. Na Copa passada, a gente comprava camisa da seleção por R$ 30 ou R$ 40 e revendia a R$ 60 ou R$ 70. Agora, a gente compra por R$ 60 ou R$ 80 e revende a R$ 100, R$ 120”, afirma Leandro Batista, dono de uma barraca na principal via de comércio popular de São Paulo.

Neste ano, os preços das vuvuzelas, que começaram a fazer sucesso na Copa de 2010, vão de R$ 5, nos modelos mais simples, a R$ 130, no caso das mais potentes. Já as réplicas das camisetas da seleção podem ser encontradas na região entre R$ 35 e R$ 180.



Vendedor apresenta modelos de vuvuzelas na 25 de Março, em São Paulo — Foto: André Catto/g1

Além de produtos mais caros, os ambulantes entendem a situação financeira das famílias como um dos motivos para a queda no faturamento. Na esquina da 25 de Março com a Ladeira Porto Geral, o ambulante Reginaldo Alves de Araújo diz ter sentido isso no faturamento.

“Em 2018 estava melhor. Naquela Copa, eu vendia em torno de R$ 10 mil por dia. Agora, fica em torno de R$ 7 mil”, afirma.

Ambulante Reginaldo vende itens na esquina da 25 de Março com a Ladeira Porto Geral, em São Paulo. — Foto: André Catto/g1

Para Reginaldo, a véspera da estreia da seleção brasileira na Copa foi o melhor dia de vendas nesta edição. A expectativa é que o comércio melhore conforme a seleção avance na competição. “Até na chuva o pessoal estava comprando. Se o Brasil ganhar, vai ser daí para mais”, acredita.

Adilson Montanino foi à 25 de Março comprar camisas da seleção e vuvuzelas. — Foto: André Catto/g1

“Vim aqui comprar camiseta. Comprei duas camisetas e vou levar três vuvuzelas”, diz Adilson Montanino. “Na Copa passada, tinha mais variedade. Não sei se é devido a política, a desemprego, mas está difícil. Antigamente, estava tudo enfeitado. Acabou a alegria”, continua.

Além da alta no preço, as vendas da camisa da seleção brasileira sentem os efeitos os continua sendo símbolo da polarização política do país, ressalta o ambulante Felipe Rodrigues.

“As camisetas amarelas estão saindo pouco por questão de política. Saem mais a azul e a preta com amarelo e verde”, diz. “As vuvuzelas e a touca do Catar estão vendendo bem.”

Ambulante Felipe Rodrigues mostra modelo de camisa mais vendido. — Foto: André Catto/g1

Para Reginaldo, as vendas das camisetas melhoraram após o pleito deste ano.

“Antes da eleição, ninguém queria a amarela, por causa do Bolsonaro. Depois, entrou um pouco mais no clima”, afirma.

Clientes pesquisam itens da Copa na Ladeira Porto Geral, em São Paulo. — Foto: André Catto/g1

O garçom Hector Caetano deixou as compras para a última hora. Ele fez o movimento contrário: não comprou nada na última Copa, mas diz ter um motivo para estar mais animado na edição deste ano. “Acho que estou ficando mais maduro e gostando mais do espírito brasileiro no futebol”, diz.

O garçom Hector Caetano deixou as compras para a última hora. — Foto: André Catto/g1

Para ele, que foi procurar vuvuzela e camiseta da seleção, a questão política está superada.

“Acho que o Brasil é verde e amarelo. Mesmo com a política, agora está no espírito de Copa”, conclui.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

menino-de-5-anos-e-salvo-por-pai-e-avo-apos-ser-mordido-e-arrastado-para-piscina-por-cobra

G1 Mundo

Menino de 5 anos é salvo por pai e avô após ser mordido e arrastado para piscina por cobra

Beau Blake estava brincando na beira da piscina de casa, na cidade costeira de Byron Bay, em Nova Gales do Sul, quando foi atacado pelo réptil de 3 metros de comprimento. "[Beau] estava andando na beira [da piscina]... acho que a píton estava meio que parada lá, esperando que uma vítima aparecesse... e foi Beau", disse Ben, o pai do menino, em entrevista à rádio 3AW nesta sexta-feira (25/11). "Eu […]

today25 de novembro de 2022 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%