G1 Mundo

Invasão ao Capitólio completa dois anos em meio a caos na escolha para presidente da Câmara nos EUA

today6 de janeiro de 2023 13

Fundo
share close

Em 6 de janeiro de 2021, há exatamente dois anos, a democracia americana foi fortemente ameaçada quando apoiadores do então presidente Donald Trump invadiram o Capitólio, o centro legislativo dos Estados Unidos, protestando contra o resultado das eleições que haviam levado o democrata Joe Biden ao poder.

A invasão, liderada por grupos radicais, acabou gerando uma divisão no Partido Republicano, o que atualmente dificulta a escolha do novo presidente da Câmara dos Deputados, que está sob o controle dos republicanos.

Alguns membros do partido conservador desejam uma liderança menos radical e mais respeitosa das leis e da democracia. Em novembro de 2021, os Estados Unidos realizaram as eleições de meio de mandato, durante as quais os americanos renovaram a Câmara e parte do Senado e estabeleceram uma nova base para os próximos quatro anos.



Manifestação de apoiadores do ex-presidente americano Donald Trump invadem o Capitólio em 6 de janeiro de 2021 — Foto: Julio Cortez/AP

Desde a saída de Nancy Pelosi como presidente da Câmara, os legisladores ainda não conseguiram definir um novo líder. Apesar de serem a maioria, os republicanos estão divididos e alguns deles estão votando contra o candidato Kevin McCarthy, um congressista da Califórnia.

Cerca de 20 republicanos mais radicais estão obstruindo a eleição, o que impede o partido de escolher seu representante, apesar de ter obtido uma pequena maioria nas últimas eleições para o Congresso.

Esses republicanos divergentes acreditam que o presidente da Câmara, o terceiro líder mais poderoso dos Estados Unidos, deve ser alguém mais radical e menos moderado do que McCarthy.

Para ser eleito, o candidato a líder da Câmara dos Representantes, também conhecido como “speaker”, precisa obter uma maioria absoluta de votos, o que atualmente equivale a 218 votos.

No entanto, esse número pode ser menor se algum deputado se abstiver de votar ou não estiver presente. Embora o democrata Hakeem Jeffries esteja à frente nas votações, é muito improvável que ele consiga obter os votos necessários, já que o partido não tem maioria na Câmara.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

covid-na-china:-mortes-de-celebridades-estimulam-desconfianca-sobre-numero-de-vitimas

G1 Mundo

Covid na China: mortes de celebridades estimulam desconfiança sobre número de vítimas

A morte da cantora de ópera Chu Lanlan, 40 anos, em dezembro foi um choque para muitos, considerando o quão jovem ela era. A família da artista declarou estar triste com a "partida abrupta", mas não deu detalhes sobre a causa da morte. Em dezembro, a China abandonou sua rígida política de "Covid zero" e está atualmente vendo um rápido aumento de infecções e mortes. Há relatos de hospitais e […]

today6 de janeiro de 2023 20

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%