G1 Mundo

Israel: as reações à decisão do Supremo que derrubou controversa reforma judicial proposta por Netanyahu

today1 de janeiro de 2024 4

Fundo
share close

A reforma judicial de Netanyahu – que causou em 2023 uma onda de protestos, inclusive nas forças armadas, levou à demissão do ministro da Defesa e fez militares enviarem cartas abertas ameaçando parar seu serviço – buscava limitar o poder do Supremo e dar ao governo maior influência na nomeação de juízes.

Reforma judicial de Netanyahu provocou onda de protestos em Israel em 2023 — Foto: Getty Images/BBC



A decisão do Supremo Tribunal de anular a reforma aprovada no Parlamento ocorre após meses de turbulência interna e enquanto Israel trava uma guerra na Faixa de Gaza após sofrer ataques do Hamas que deixaram 1,4 mil mortos em 7 de outubro.

Desde então, cerca de 22 mil palestinos – em sua maioria mulheres e crianças – morreram em Gaza nos ataques israelenses, segundo o ministério de Saúde local, ligado ao Hamas.

Uma análise publicada no jornal The New York Times, dos EUA, diz que a decisão do Supremo israelense coloca o país numa rota de “crise constitucional”.

Segundo o jornal, a decisão “anuncia um potencial confronto entre a autoridade judicial superior e a coligação no poder, e poderá remodelar fundamentalmente a democracia israelense, colocando o poder do governo contra o do tribunal”.

A decisão reverberou no mundo político israelense.

O ministro da Justiça de Israel, Yariv Levin, disse que os juízes do Supremo assumiram todos os poderes “que numa democracia estão divididos entre os três ramos do governo”.

Principal arquiteto da reforma judicial, Levin disse ainda que a decisão “não nos deterá”. Ele afirmou, no entanto, que o governo “continuará a agir com moderação e responsabilidade” durante a guerra.

Outros membros do governo disseram esperar que a decisão do Supremo não abale a unidade nacional num momento em que as tropas israelenses combatem em Gaza.

Para o ministro da Cultura e Esportes, Miki Zohar, “teria sido melhor que esta decisão tivesse sido divulgada depois destes dias difíceis, nem que fosse apenas para evitar o regresso do discurso divisionista”.

O partido Likud, de Netanyahu, disse que “a decisão do tribunal contradiz o desejo de unidade do povo, especialmente em tempos de guerra.”

Benjamin Netanyahu governou Israel por seis vezes, em momentos diferentes, nas últimas três décadas — Foto: Reuters/BBC

Já a oposição festejou o anúncio do Supremo.

O líder da oposição, Yair Lapid, disse que a decisão “põe fim a um ano difícil de conflito que nos separou por dentro e levou ao pior desastre da nossa história”.

Ele diz que “a fonte do poder de Israel, a base da força israelense, é o fato de sermos um Estado judeu, democrático, liberal e cumpridor da lei”.

Governo israelense diz que decisão do Supremo não pode afetar combate contra o Hamas em Gaza — Foto: Telegram/BBC

O Movimento para um Governo de Qualidade em Israel, um dos principais grupos contrário à reforma de Netanyahu, também elogiou o “veredito histórico” e disse que a decisão foi “uma tremenda vitória pública para aqueles que buscam a democracia”.

“Um governo e ministros que procuraram se isentar do Estado de Direito foram informados de que há juízes em Jerusalém; que existe democracia; que há uma separação de poderes”, afirmou o movimento.

O governo de Netanyahu é visto como o mais direitista da história de Israel e enfrenta uma forte oposição no país.

Em julho, o governo aprovou em lei o que hoje é conhecido como projeto de lei da “razoabilidade”.

A lei retirou o poder do Supremo Tribunal e dos tribunais inferiores em Israel de cancelar decisões governamentais consideradas “extremamente irracionais”.

Na época, a lei causou protestos generalizados. Centenas de milhares de manifestantes saíram às ruas pedindo o cancelamento da reforma e a queda do primeiro-ministro.

Centenas de reservistas militares – incluindo pilotos da Força Aérea – ameaçaram se recusar a se apresentar para serviço, o que, segundo o governo, poderia prejudicar as capacidades militares de Israel.

A decisão do Supremo é mais um revés para Netanyahu, que já enfrentava críticas em Israel por não ter evitado o ataque do Hamas em 7 de outubro e por até agora não ter conseguido resgatar todos os reféns israelenses levados para Gaza.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

israel-anuncia-retirada-parcial-de-tropas-da-faixa-de-gaza

G1 Mundo

Israel anuncia retirada parcial de tropas da Faixa de Gaza

Tanques foram retirados da Cidade de Gaza nesta segunda. Mudança faz parte de novos planos anunciados por Israel de reduzir tropas atuando no território palestino. Palestinos passam por escombros em Rafah, no sul da Faixa de Gaza — Foto: Saleh Salem/Reuters O Exército de Israel retirou nesta segunda-feira (1º) parte das tropas e tanques que mantinha na Faixa de Gaza. A retirada faz parte do plano anunciado pelo governo israelense […]

today1 de janeiro de 2024 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%