G1 Mundo

Israel quer ‘importar’ 65 mil trabalhadores estrangeiros da construção civil para substituir palestinos

today5 de fevereiro de 2024 4

Fundo
share close

O governo de Israel disse no domingo que traria 65 mil trabalhadores estrangeiros da Índia, Sri Lanka e Uzbequistão para retomar as construções paralisadas desde 7 de outubro, quando os trabalhadores palestinos foram mandados para casa após o ataque do grupo terrorista Hamas a Israel.

Cerca de 72 mil trabalhadores palestinos estavam empregados em canteiros de obras em Israel antes do ataque, o que levou o governo a demiti-los e excluí-los de Israel por motivos de segurança.

Cerca de 20 mil trabalhadores estrangeiros permanecem, mas quase metade dos canteiros de obras do país foi fechada devido à falta de mão de obra.



Um porta-voz do Ministério da Habitação disse que novos grupos de trabalhadores estrangeiros devem chegar nas próximas semanas, já que o governo está tentando evitar um bloqueio na oferta que poderia reacender os preços dos imóveis, já que as taxas de juros começam a cair.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, viajou ao Oriente Médio para apoiar as negociações sobre uma nova trégua entre Israel e o Hamas. Sua agenda inclui viagens ao Catar, Egito, Israel, Cisjordânia ocupada e Arábia Saudita.

Em novembro houve uma trégua que permitiu a libertação de cem reféns que estavam detidos na Faixa de Gaza em troca de palestinos detidos por Israel.

Cerca de 250 pessoas foram sequestradas e levadas para Gaza em 7 de outubro, segundo Israel, e 132 reféns continuam detidos. Destes, 27 foram declarados mortos pelo Exército.

O líder do Hamas, Ismail Haniyeh, que vive no Catar, deve viajar ao Egito para negociar um rascunho de acordo elaborado por mediadores catarianos, americanos e egípcios.

O acordo prevê uma trégua de seis semanas com a libertação de entre 200 e 300 palestinos detidos em Israel em troca de 35 a 40 reféns, segundo fonte do Hamas, organização considerada “terrorista” por Israel, pelos Estados Unidos e pela União Europeia.

Em Beirute, um responsável do movimento palestino, Osama Hamdan, disse que é prematuro falar de uma trégua e que há apenas “um acordo-quadro que precisa ser estudado”.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

o-assunto-#1.143:-o-primeiro-grande-teste-de-milei

G1 Mundo

O Assunto #1.143: O primeiro grande teste de Milei

A primeira ação do presidente argentino foi a apresentação de um pacotaço com 664 artigos ao Congresso argentino. Apelidado de 'Lei Ônibus', o texto-base foi desidratado para menos de 360 artigos, mas manteve o tom ultraliberal característico de Milei e conseguiu a aprovação na Câmara dos Deputados. Durante a campanha eleitoral, Javier Milei apareceu diante de seus apoiadores empunhando motosserras e bradando contra todo o sistema político e econômico da […]

today5 de fevereiro de 2024 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%