G1 Mundo

Israel tem dia conturbado com protestos, ataque terrorista, mais mortes de palestinos e visita de secretário dos EUA

today9 de março de 2023 15

Fundo
share close

Um dos feridos chegou em estado crítico ao hospital por estar baleado no pescoço. Informações preliminares indicam que havia dois terroristas armados, um dos quais foi morto pela polícia.

O ataque marcou o fim de um dia agitado em Israel: milhares de israelenses que se opõem aos planos de reforma legal do governo de extrema direita do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, bloqueavam estradas dentro e ao redor do aeroporto Ben Gurion de Israel.

Simultaneamente, o país recebia o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin, que conversou com autoridades israelenses num contexto de aumento da violência aumenta devido à morte de três palestinos na Cisjordânia.



Os protestos obrigaram o local das negociações com Austin a ser alterado de última hora.

Manifestantes contra a reforma judiciária de Benjamin Netanyahu seguram faixas e bandeiras em Modiin — Foto: Amir Cohen/Reuters

Poucas horas antes da chegada do americano, três palestinos foram mortos a tiros por policiais de fronteira israelenses disfarçados na Cisjordânia ocupada.

O encontro de Austin com seu homólogo israelense, Yoav Gallant, mudou de endereço. Netanyahu também se reuniu com o chefe do Pentágono, informou seu escritório.

O primeiro-ministro viajou depois para Roma. Manifestantes tentaram impedir a viagem bloqueando com veículos as ruas de acesso ao aeroporto.

Um deles, Ori Gal, de 18 anos, disse que estava protestando contra “a ditadura que emerge dos esgotos” e “ameaça a democracia israelense”.

Perto do Ministério da Defesa, em Tel Aviv, manifestantes a pé bloquearam uma das principais ruas.

Também houve manifestações menores em várias partes do país, obrigando Netanyahu a se deslocar para o aeroporto de helicóptero, em vez de carro.

Os opositores dos planos de reforma – que dariam ao poder político mais poder sobre os tribunais – protestam há nove semanas seguidas contra o que consideram uma ameaça à democracia.

O ministro da Segurança Nacional de Israel, Itamar Ben-Gvir, de extrema direita, disse que instruiu a polícia a impedir que os manifestantes bloqueiem as estradas.

“Manifestar, gritar, é democracia”, disse. “Mas a ilegalidade não será tolerada“, acrescentou.

Aumento da violência na Cisjordânia

Paralelamente, a violência na Cisjordânia está aumentando, coincidindo com o governo de coalizão de Netanyahu, que assumiu em dezembro e é considerado o mais direitista da história de Israel.

O Ministério da Saúde palestino anunciou nesta quinta-feira o “martírio” (morte) de três homens que foram mortos a tiros por forças israelenses em Jaba, perto da cidade de Jenin, no norte, o epicentro da violência.

O Ministério da Saúde identificou os mortos como Sufyan Fakhoury, 26 anos, Ahmed Fashafsha, 22, e Nayef Malaysha, 25.

A polícia israelense disse que forças especiais acompanhadas por soldados estiveram em Jaba para prender suspeitos envolvidos em tiroteios contra soldados na área, incluindo Fakhoury e Fashafsha.

Eles são dois membros do movimento palestino Jihad Islâmica.

“Durante a operação, tiros foram disparados contra policiais de fronteira infiltrados… Eles responderam atirando e matando três homens armados no carro”, disse a polícia.

“Várias armas e artefatos explosivos foram encontrados no veículo”, acrescentou.

Por sua vez, a Jihad Islâmica condenou Israel pelo “assassinato cruel” perpetrado em Jaba.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

guerra-na-ucrania:-o-alerta-da-onu-apos-onda-de-ataques-russos-deixar-maior-usina-nuclear-da-europa-sem-energia

G1 Mundo

Guerra na Ucrânia: o alerta da ONU após onda de ataques russos deixar maior usina nuclear da Europa sem energia

Uma série de bombardeios de mísseis russos na quinta — que provocou a morte de pelo menos nove pessoas — deixou a maior usina nuclear da Europa sem energia. Houve registros de ofensivas nas cidades de Kharkiv (norte), Odessa (sul) e Zhytomyr (oeste). Ataques à capital Kiev também foram reportados. O governo ucraniano diz que a Rússia disparou 81 mísseis — no que seria o maior ataque em semanas. Grossi […]

today9 de março de 2023 13

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%