G1 Mundo

Japão: uma em cada 10 pessoas no país tem 80 anos ou mais

today20 de setembro de 2023 11

Fundo
share close

Novos dados também mostram que 29,1% dos 125 milhões de habitantes do país têm 65 anos ou mais — um recorde.

O Japão tem uma das taxas de natalidade mais baixas do mundo e há muito tempo busca soluções para sustentar economicamente sua população em franco envelhecimento.

O país tem a população mais velha do mundo, o que é medido pela proporção de pessoas com 65 anos ou mais na população geral, segundo as Nações Unidas.



O percentual é de 24,5% na Itália e 23,6% na Finlândia, que ocupam o segundo e terceiro lugares, respectivamente.

Estima-se que, em 2040 no Japão, as pessoas com mais de 65 anos representarão 34,8% da população, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisa Populacional e Seguridade Social.

A taxa de emprego dos idosos no país está entre as mais elevadas nas grandes economias. Os trabalhadores com 65 anos ou mais representam mais de 13% da força de trabalho japonesa.

Mas isto contribuiu pouco para aliviar o peso das despesas com a seguridade social.

O governo japonês aprovou um orçamento recorde para o próximo ano fiscal, em parte devido ao aumento dos custos com a seguridade social — Foto: GETTY IMAGES via BBC

O Japão aprovou um orçamento recorde para o próximo ano fiscal, em parte devido ao aumento dos custos com seguridade social

Os esforços para aumentar a taxa de natalidade também tiveram pouco sucesso face ao crescente custo de vida e às longas horas de trabalho no país.

As taxas de natalidade estão diminuindo em muitos países, incluindo os vizinhos do Japão.

No ano passado, a população da China caiu pela primeira vez desde 1961, enquanto a Coreia do Sul registrou a taxa de fertilidade mais baixa do mundo.

Mas o problema é particularmente grave no Japão.

Estima-se que o país tenha tido menos de 800 mil bebês nascidos no ano passado — o número mais baixo desde que há registros, do século 19.

Na década de 1970, esse número era superior a 2 milhões.

O primeiro-ministro Fumio Kishida disse em janeiro que o seu país está à beira de um colapso no funcionamento da sociedade devido ao declínio da natalidade.

Contudo, as autoridades continuam hesitantes em aceitar os migrantes como uma solução para essa queda.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

azerbaijao-e-armenia-concordam-em-cessar-fogo-na-regiao-de-nagorno-karabakh

G1 Mundo

Azerbaijão e Armênia concordam em cessar-fogo na região de Nagorno-Karabakh

"Com a mediação do comando do contingente de manutenção da paz russo estacionado em Nagorno-Karabakh, foi alcançado um acordo sobre a cessação completa das hostilidades a partir das 13h (6h no horário de Brasília) do dia 20 de setembro de 2023", disse o governo. O trato foi firmado cerca de 24 horas depois que o Azerbaijão iniciou uma ofensiva para assumir o controle da região separatista de maioria étnica armênia. […]

today20 de setembro de 2023 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%