G1 Mundo

Jornalista russo premiado com Nobel adverte sobre risco nuclear com Putin

today30 de março de 2023 12

Fundo
share close

“Duas gerações viveram sem a ameaça de uma guerra nuclear”, diz Muratov. “Mas esse período acabou. Putin vai apertar o botão nuclear ou não? Quem sabe? Ninguém sabe disso. Não há uma única pessoa que possa dizer com certeza.”

Desde que lançou sua invasão em grande escala contra a Ucrânia em fevereiro de 2022, a Rússia tem dado claros sinais de que não está pronta para ceder.

Altos funcionários deram sugestões nada sutis de que as nações ocidentais que armam a Ucrânia não deveriam ir longe demais. Há alguns dias, o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou planos de estacionar armas nucleares táticas em Belarus.



Então, um de seus assessores mais próximos, Nikolai Patrushev, alertou que a Rússia tinha uma “arma moderna única capaz de destruir qualquer inimigo, incluindo os Estados Unidos”.

Blefe e fanfarronice? Ou uma ameaça que precisa ser levada a sério? Muratov detectou sinais preocupantes dentro da Rússia.

“Vemos como a propaganda do Estado está preparando as pessoas para pensar que a guerra nuclear não é uma coisa ruim”, diz ele. “Nos canais de TV daqui, a guerra nuclear e as armas nucleares são promovidas como se estivessem anunciando comida para animais de estimação.”

“Eles anunciam: ‘Temos este míssil, aquele míssil, outro tipo de míssil.’ Eles falam sobre atacar a Grã-Bretanha e a França; sobre provocar um tsunami nuclear que varrerá a América. Por que eles dizem isso? Para que as pessoas aqui estejam prontas.”

Recentemente, na TV estatal russa, um proeminente apresentador de talk show sugeriu que a Rússia “deveria declarar qualquer alvo militar no território da França, Polônia e Reino Unido um alvo legítimo para [a Rússia]”.

O mesmo apresentador sugeriu ainda “achatar uma ilha com armas nucleares estratégicas e fazer um teste de lançamento ou disparo de armas nucleares tácticas, para que ninguém tenha ilusões”.

No entanto, a propaganda estatal aqui retrata a Rússia como um país de paz, e a Ucrânia e o Ocidente como os agressores. Muitos russos acreditam nisso.

“As pessoas na Rússia foram irradiadas pela propaganda”, diz Muratov. “A propaganda é um tipo de radiação. Todo mundo é suscetível a ela, não apenas os russos. Na Rússia, a propaganda é de doze canais de TV, dezenas de milhares de jornais, mídias sociais como VK [a versão russa do Facebook] que serve completamente à ideologia do estado.”

“Mas e se amanhã a propaganda parar de repente?”, pergunto. “Se tudo ficar quieto? O que os russos pensariam então?”

“Nossa geração mais jovem é maravilhosa”, responde Muratov. “É bem-educado. Quase um milhão de russos deixaram o país. Muitos dos que ficaram são categoricamente contra o que está acontecendo na Ucrânia. Eles são contra o inferno que a Rússia criou lá.”

“Estou convencido de que, assim que a propaganda parar, esta geração — e todas as outras com bom senso — falarão.”

“Eles já estão fazendo isso”, continua ele. “Vinte e um mil processos administrativos e criminais foram abertos contra os russos que protestaram. A oposição está na prisão. Os meios de comunicação foram fechados. Muitos ativistas, civis e jornalistas foram rotulados de agentes estrangeiros”.

Rússia dispara míssil de cruzeiro no Mar do Japão durante exercício militar

Rússia dispara míssil de cruzeiro no Mar do Japão durante exercício militar

“Putin tem uma base de apoio? Sim, enorme. Mas são pessoas idosas que veem Putin como seu próprio neto, como alguém que vai protegê-los e que lhes traz sua pensão todos os meses e lhes deseja Feliz Ano Novo todos os anos. Essas pessoas acreditam que seus netos de verdade deveriam ir, lutar e morrer.”

No ano passado, Muratov leiloou seu Prêmio Nobel da Paz para arrecadar dinheiro para crianças refugiadas ucranianas. Ele tem pouco otimismo sobre o futuro.

“Nunca mais haverá relações normais entre o povo da Rússia e da Ucrânia. Nunca. A Ucrânia não será capaz de lidar com esta tragédia.”

“Na Rússia, a repressão política continuará contra todos os opositores do regime”, acrescenta.

“A única esperança que tenho está com a geração jovem; aquelas pessoas que veem o mundo como um amigo, não como um inimigo, e que querem que a Rússia seja amada e que a Rússia ame o mundo”.

“Espero que esta geração viva mais que eu e o Putin.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

papa-esta-melhorando-e-voltou-a-trabalhar-do-hospital,-diz-vaticano

G1 Mundo

Papa está melhorando e voltou a trabalhar do hospital, diz Vaticano

O pontífice, diz a nota, já voltou a trabalhar do hospital e também rezou no quarto. "Sua Santidade o papa Francisco descansou bem durante a noite. Seu quadro clínico está gradualmente melhorando, e ele continua seu tratamento programado", diz a nota do Vaticano. "Nesta manhã (de quinta-feira), após o café da manhã, ele leu alguns jornais e voltou a trabalhar". Mais cedo, fontes do Vaticano disseram à agência de notícias […]

today30 de março de 2023 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%