G1 Mundo

Jornalistas são condenadas no Irã por terem divulgado morte da jovem Mahsa Amini

today22 de outubro de 2023 3

Fundo
share close

Amini foi detida em Teerã pela Polícia da Moralidade por supostamente violar o rígido código de vestimenta do país, que obriga as mulheres a utilizar o véu islâmico em público. Ela morreu sob custódia policial dias depois.

As jornalistas Elaheh Mohammadi, de 36 anos, e Niloufar Hamedi, de 31 anos, estão na prisão de Evin, em Teerã, desde suas detenções no final de setembro de 2022, dias após a morte da jovem curda iraniana de 22 anos.

Ao final de seu julgamento, realizado a portas fechadas desde 29 de maio, Mohammadi, repórter do jornal Ham Mihan, foi condenada a seis anos de prisão por colaboração com os Estados Unidos, cinco anos por conspiração contra a segurança nacional e um ano por propaganda contra a República Islâmica, anunciou neste domingo (22) a agência judicial Mizan Online.



Hamedi, fotojornalista do jornal reformista Shargh, foi sentenciada a sete anos de prisão por colaboração com os Estados Unidos, cinco anos por conspiração contra a segurança nacional e um ano por propaganda contra a República Islâmica, acrescentou a mesma fonte.

De acordo com a lei iraniana, a pena mais severa é aplicada. As jornalistas poderão entrar com recurso em um prazo de 20 dias.

Hamedi foi presa menos de uma semana após a morte de Mahsa Amini, em 16 de setembro, por ter visitado o hospital onde a jovem estava sendo tratada e ter publicado nas redes sociais uma foto de sua família desolada.

Mohammadi, por sua vez, viajou à cidade natal da jovem curda, Saqqez (oeste), para cobrir seu funeral.

Um retrato de Mahsa Amini é exibido durante uma manifestação em Washington pedindo a mudança de regime no Irã após a morte da jovem curda. — Foto: AP Photo/Cliff Owen, File

“Colaboração” com os Estados Unidos

No primeiro dia de julgamento, Hamedi declarou ao tribunal que havia feito o seu “trabalho como jornalista dentro da lei e não havia cometido nenhum ato contra a segurança do Irã”, informou seu marido, Mohammad Hossein Ajorlou, nas redes sociais.

Seus familiares e advogados não foram autorizados a comparecer ao julgamento e criticaram a medida.

Em agosto, o tribunal explicou que os processos não estavam principalmente relacionadas ao caso Amini, mas sim à “colaboração” com o “governo hostil dos Estados Unidos”, com a ONG americana United for Iran.

A República Islâmica não mantém relações diplomáticas com os EUA, que consideram seu inimigo.

O advogado das jornalistas, Mohammad Ali Kamfirouzi, foi preso durante três semanas em janeiro antes de ser libertado sob fiança.

Em 17 de outubro, a Justiça iraniana condenou o advogado de Mahsa Amini a um ano de prisão por “propaganda” contra o Estado, depois de “falar com meios de comunicação estrangeiros e locais sobre o caso”, segundo a sua defesa.

Centenas de pessoas morreram durante os protestos após a morte da jovem curda no final de 2022 e milhares foram presas por participarem destas manifestações. Sete homens foram executados em conexão às mobilizações.

A imprensa iraniana informou em agosto que, desde o início dos protestos, as autoridades perseguiram mais de 90 jornalistas no país.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

Notícias

Caminhões com ajuda humanitária atravessam fronteira da Faixa de Gaza pela passagem de Rafah

A Embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém anunciou que a passagem seria aberta por volta das 10h, pelo horário local — 4h, em Brasília. Pouco depois deste horário, emissoras de TV do Egito começaram a exibir imagens de caminhões atravessando a fronteira. Após a passagem dos 20 veículos, o corredor voltou a ser fechado. Segundo a embaixada norte-americana, a passagem de estrangeiros de Gaza para o Egito deve ser autorizada. "Não sabemos quanto tempo a fronteira permanecerá aberta para a […]

today22 de outubro de 2023 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%